Doença da vesícula biliar: visão geral, tipos e diagnóstico


O termo doença da vesícula biliar é usado para vários tipos de condições que podem afetar sua vesícula biliar.

A vesícula biliar é um pequeno saco em forma de pêra localizado embaixo do fígado. A principal função da sua vesícula biliar é armazenar a bile produzida pelo fígado e transmiti-la através de um ducto que deságua no intestino delgado. A bile ajuda a digerir gorduras no intestino delgado.

A inflamação causa a maioria das doenças da vesícula biliar devido à irritação das paredes da vesícula biliar, conhecida como colecistite. Essa inflamação é geralmente causada por cálculos biliares que bloqueiam os ductos que levam ao intestino delgado e causam a formação de bile. Eventualmente, pode levar a necrose (destruição do tecido) ou gangrena.

Existem muitos tipos diferentes de doenças da vesícula biliar.

Cálculos biliares

Os cálculos biliares se desenvolvem quando substâncias na bílis (como colesterol, sais biliares e cálcio) ou substâncias do sangue (como bilirrubina) formam partículas duras que bloqueiam as passagens para a vesícula biliar e os ductos biliares.

Os cálculos biliares também tendem a se formar quando a vesícula biliar não esvazia completamente ou com frequência suficiente. Eles podem ser tão pequenos quanto um grão de areia ou tão grandes quanto uma bola de golfe.

Inúmeros fatores contribuem para o risco de cálculos biliares. Esses incluem:

  • estar acima do peso ou obeso
  • tendo diabetes
  • ter 60 anos ou mais
  • tomando medicamentos que contêm estrogênio
  • ter uma história familiar de cálculos biliares
  • ser mulher
  • ter a doença de Crohn e outras condições que afetam a maneira como os nutrientes são absorvidos
  • cirrose ou outras doenças hepáticas

Colecistite

A colecistite é o tipo mais comum de doença da vesícula biliar. Apresenta-se como uma inflamação aguda ou crônica da vesícula biliar.

Colecistite aguda

A colecistite aguda é geralmente causada por cálculos biliares. Mas também pode ser o resultado de tumores ou várias outras doenças.

Pode apresentar dor no lado superior direito ou na parte média superior do abdômen. A dor tende a ocorrer logo após uma refeição e varia de dores agudas a dores maçantes que podem irradiar para o ombro direito. A colecistite aguda também pode causar:

Colecistite crônica

Após vários ataques de colecistite aguda, a vesícula biliar pode encolher e perder sua capacidade de armazenar e liberar bile. Dor abdominal, náusea e vômito podem ocorrer. A cirurgia é frequentemente o tratamento necessário para a colecistite crônica.

Coledocolitíase

Os cálculos biliares podem ficar alojados no colo da vesícula biliar ou nos ductos biliares. Quando a vesícula biliar está conectada dessa maneira, a bile não pode sair. Isso pode levar a vesícula biliar a ficar inflamada ou distendida.

Os ductos biliares obstruídos impedem ainda mais a bile de viajar do fígado para o intestino. A coledocolitíase pode causar:

Doença da vesícula biliar acalculosa

A doença da vesícula biliar acalculosa é a inflamação da vesícula biliar que ocorre sem a presença de cálculos biliares. Foi demonstrado que ter uma doença crônica significativa ou uma condição médica séria desencadeia um episódio.

Os sintomas são semelhantes à colecistite aguda com cálculos biliares. Alguns fatores de risco para a doença incluem:

  • trauma físico grave
  • cirurgia cardíaca
  • Cirurgia abdominal
  • queimaduras graves
  • condições auto-imunes como lúpus
  • infecções de corrente sanguínea
  • receber nutrição por via intravenosa (IV)
  • doenças bacterianas ou virais significativas

Discinesia biliar

A discinesia biliar ocorre quando a vesícula biliar tem uma função abaixo do normal. Essa condição pode estar relacionada à inflamação contínua da vesícula biliar.

Os sintomas podem incluir dor abdominal superior após comer, náusea, inchaço e indigestão. Comer uma refeição gordurosa pode desencadear sintomas. Geralmente não há cálculos biliares na vesícula biliar com discinesia biliar.

O seu médico pode precisar usar um teste chamado uma varredura HIDA para ajudar a diagnosticar essa condição. Este teste mede a função da vesícula biliar. Se a vesícula biliar puder liberar apenas 35 a 40% de seu conteúdo ou menos, então a discinesia biliar é geralmente diagnosticada.

Colangite esclerosante

A inflamação contínua e os danos ao sistema do ducto biliar podem levar a cicatrizes. Esta condição é conhecida como colangite esclerosante. No entanto, não se sabe o que exatamente causa esta doença.

Quase metade das pessoas com essa condição não apresenta sintomas. Se ocorrerem sintomas, eles podem incluir:

  • febre
  • icterícia
  • comichão
  • desconforto abdominal superior.

Aproximadamente 60 a 80 por cento das pessoas com essa condição também têm colite ulcerosa. Ter essa condição também aumenta o risco de câncer de fígado. Atualmente, a única cura conhecida é um transplante de fígado.

Medicamentos que suprimem o sistema imunológico e aqueles que ajudam a quebrar a bile espessa podem ajudar a controlar os sintomas.

Câncer da vesícula biliar

O câncer de vesícula biliar é uma doença relativamente rara. Existem diferentes tipos de câncer de vesícula biliar. Eles podem ser difíceis de tratar porque geralmente não são diagnosticados até o final da progressão da doença. Os cálculos biliares são um fator de risco comum para o câncer de vesícula biliar.

O câncer de vesícula biliar pode se espalhar das paredes internas da vesícula biliar para as camadas externas e depois para o fígado, os linfonodos e outros órgãos. Os sintomas do câncer de vesícula biliar podem ser semelhantes aos da colecistite aguda, mas também pode não haver sintomas.

Pólipos da vesícula biliar

Os pólipos da vesícula biliar são lesões ou crescimentos que ocorrem dentro da vesícula biliar. Eles geralmente são benignos e não apresentam sintomas. No entanto, é recomendável remover a vesícula biliar em pólipos maiores que 1 centímetro. Eles têm uma chance maior de serem cancerígenos.

Gangrena da vesícula biliar

A gangrena pode ocorrer quando a vesícula biliar desenvolve um fluxo sanguíneo inadequado. Essa é uma das complicações mais graves da colecistite aguda. Fatores que aumentam o risco dessa complicação incluem:

  • ser homem e ter mais de 45 anos
  • tendo diabetes

Os sintomas da gangrena da vesícula biliar podem incluir:

Abscesso da vesícula biliar

O abscesso da vesícula biliar ocorre quando a vesícula biliar fica inflamada com pus. Pus é o acúmulo de glóbulos brancos, tecido morto e bactérias. Os sintomas podem incluir dor no lado superior direito do abdômen, juntamente com febre e calafrios.

Essa condição pode ocorrer durante a colecistite aguda quando um cálculo biliar bloqueia completamente a vesícula biliar, permitindo que a vesícula biliar se encha de pus. É mais comum em pessoas com diabetes e doenças cardíacas.

Para diagnosticar a doença da vesícula biliar, seu médico perguntará sobre seu histórico médico e fará um exame abdominal. Isso incluirá a verificação de dor no abdômen. Um ou mais dos seguintes testes e procedimentos podem ser usados:

Histórico médico detalhado

Uma lista de sintomas que você está apresentando e qualquer histórico pessoal ou familiar de doença da vesícula biliar são importantes. Uma avaliação geral da saúde também pode ser realizada para determinar se há sinais de doença da vesícula biliar a longo prazo.

Exame físico

Seu médico pode realizar uma manobra especial durante o exame abdominal para procurar o que é chamado de “sinal de Murphy”.

Durante essa manobra, seu médico colocará a mão em seu abdômen sobre a área da vesícula biliar. Eles pedirão que você respire enquanto examina e sente a área. Se você sentir dor significativa, isso sugere que você pode ter uma doença da vesícula biliar.

Radiografia torácica e abdominal

Às vezes, a colecistite sintomática mostra pedras nas radiografias abdominais, se contiverem cálcio. Uma radiografia do tórax pode mostrar pleurisia ou pneumonia.

No entanto, os raios X não são o melhor teste para identificar a doença da vesícula biliar. Eles geralmente são usados ​​para descartar outras causas potenciais de dor que não estão relacionadas aos cálculos biliares, à vesícula biliar ou ao fígado.

Ultrassom

Um ultra-som usa ondas sonoras para produzir imagens dentro do seu corpo. Este teste é um dos principais métodos utilizados pelo seu médico para diagnosticar a doença da vesícula biliar. Um ultrassom pode avaliar a vesícula biliar quanto à presença de cálculos biliares, paredes espessadas, pólipos ou massas. Também pode identificar qualquer problema no seu fígado.

Digitalização HIDA

Uma varredura HIDA analisa o sistema de dutos na vesícula biliar e no fígado. É frequentemente usado quando uma pessoa apresenta sintomas da vesícula biliar, mas o ultrassom não mostrou uma razão para os sintomas. Uma varredura HIDA também pode ser usada para uma avaliação mais completa do sistema do ducto biliar.

Este teste pode avaliar a função da vesícula biliar usando uma substância radioativa inofensiva. A substância é injetada na veia e depois é observada enquanto se move pela vesícula biliar. Também pode ser injetado outro produto químico que faz com que a vesícula biliar libere bile.

Uma varredura HIDA mostra como a vesícula biliar move a bile através do sistema do ducto biliar. Também pode medir a taxa de bile saindo da vesícula biliar. Isso é conhecido como fração de ejeção. Uma fração de ejeção normal da vesícula biliar é considerada entre 35 a 65 por cento.

Outros testes

Outros testes de imagem, como tomografia computadorizada e ressonância magnética, também podem ser usados. Também são feitos exames de sangue para verificar o aumento da contagem de glóbulos brancos e a função hepática anormal.

A colangiopancreatografia endoscópica retrógrada (CPRE) é um teste mais invasivo, mas útil. Uma câmera flexível é inserida na boca e passa do estômago para o intestino delgado. O corante de contraste é injetado para mostrar o sistema do ducto biliar com um raio-X especializado.

O CPRE é um teste especialmente útil se houver suspeita de um bloqueio devido a cálculos biliares. Qualquer cálculo biliar que esteja causando bloqueio geralmente pode ser removido durante esse procedimento.

Mudancas de estilo de vida

Como certas condições de saúde aumentam o risco de formação de cálculos biliares, mudanças no estilo de vida podem ajudar a gerenciar a doença da vesícula biliar em pessoas sem sintomas. Estar acima do peso e ter diabetes aumenta a probabilidade de cálculos biliares. Perder peso e obter um bom controle sobre o diabetes podem ajudar a diminuir o risco.

No entanto, a rápida perda de peso também pode desencadear a formação de cálculos biliares. Converse com seu médico sobre maneiras seguras de perder peso.

O aumento da atividade física também parece diminuir a formação de cálculos biliares, além de diminuir os triglicerídeos, um tipo de gordura no sangue. É recomendável parar de fumar e limitar a ingestão de álcool também.

Tratamento médico

O primeiro episódio de inflamação da vesícula biliar é frequentemente tratado com analgésicos. Como a dor costuma ser intensa, são necessários medicamentos prescritos. O seu médico pode prescrever medicamentos com codeína ou hidrocodona. Anti-inflamatórios com receita IV podem ser prescritos ou medicamentos para dor mais fortes, como a morfina.

Medicamentos de venda livre, como o ibuprofeno (Advil) e o naproxeno (Aleve), não podem ser usados ​​com frequência devido ao aumento do risco de náusea e vômito. Se você estiver desidratado, os medicamentos anti-inflamatórios também podem causar problemas renais graves.

A maioria das pessoas tem dificuldade em controlar a dor e seus sintomas associados em casa. Converse com seu médico para discutir o melhor tratamento para você.

Pesquisas em andamento estão analisando o uso do medicamento ezetimiba e seu papel na diminuição da formação de cálculos biliares de colesterol. Este medicamento altera a forma como o corpo absorve o colesterol do trato intestinal.

Cirurgia

A cirurgia será recomendada para remover a vesícula biliar se você tiver tido vários episódios de inflamação. A cirurgia da vesícula biliar continua sendo o método mais eficaz para o tratamento da doença ativa da vesícula biliar.

A cirurgia pode ser feita abrindo o abdome com uma incisão ou laparoscopicamente. Isso envolve fazer vários furos na parede abdominal e inserir uma câmera. A cirurgia laparoscópica permite uma recuperação mais rápida. Esse método é preferido para pessoas que não têm complicações de uma doença importante da vesícula biliar.

Após a cirurgia da vesícula biliar por qualquer um dos métodos, não é incomum as pessoas experimentarem diarréia. Segundo a Clínica Mayo, até 3 em cada 10 pessoas podem ter diarréia após a cirurgia da vesícula biliar.

Para a maioria das pessoas, a diarréia dura apenas algumas semanas. Mas, em alguns casos, pode durar anos. Se a diarréia continuar após a cirurgia por mais de duas semanas, converse com seu médico. Dependendo de outros sintomas, você pode precisar de testes de acompanhamento.

A vesícula biliar pode formar uma passagem anormal, ou fístula, entre a vesícula biliar e o intestino para ajudar a processar a bile do fígado. Geralmente, isso é uma complicação da inflamação crônica relacionada aos cálculos biliares.

Outras complicações podem incluir:

Certos fatores de risco para doenças da vesícula biliar, como sexo e idade, não podem ser alterados. No entanto, sua dieta pode desempenhar um papel no desenvolvimento de cálculos biliares. De acordo com o Instituto Nacional de Diabetes e Doenças Digestivas e Renais (NIDDK), alimentos ricos em fibras e gorduras saudáveis ​​podem ajudar a prevenir cálculos biliares.

Grãos refinados (encontrados em cereais açucarados e arroz branco, pão e macarrão) e doces açucarados estão associados a um maior risco de doença da vesícula biliar. Grãos integrais como arroz integral e pão integral e gorduras de peixe e azeite são recomendados.

Os problemas anteriores da vesícula biliar são reconhecidos e tratados, com menos complicações significativas. É importante conversar com seu médico se tiver algum sinal ou sintoma de doença da vesícula biliar.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.