Ultra-som com ressonância magnética melhora o tratamento da próstata


A ablação por ultrassom transuretral guiada por RM (TULSA) é uma nova ferramenta para o tratamento altamente preciso do câncer de próstata – sem os efeitos colaterais usuais.

close-up do médico realizando ultra-sonografiaCompartilhar no Pinterest
A ultrassonografia guiada por RM em tempo real pode melhorar o tratamento do câncer de próstata.

O câncer de próstata é a segunda principal causa de morte por câncer entre os homens.

Embora a taxa de sobrevivência de 5 anos com detecção precoce e formas não agressivas seja de 99%, 1 em cada 9 homens receberá um diagnóstico de câncer de próstata em algum momento de suas vidas.

Atualmente, existem duas opções de tratamento comuns: remoção cirúrgica da próstata e radioterapia.

Embora geralmente sejam eficazes, eles apresentam efeitos colaterais, incluindo incontinência, disfunção erétil e problemas intestinais. Agora, no entanto, os pesquisadores criaram um procedimento novo e promissor, utilizando ultra-som terapêutico guiado por ressonância magnética em tempo real.

Os pesquisadores apresentaram recentemente seu método na conferência da Radiological Society of North America em Chicago, IL.

A TULSA oferece precisão e controle aprimorados no tratamento do câncer de próstata e do aumento da próstata.

Sobre a próstata

A próstata é uma glândula muscular do tamanho de um damasco que introduz líquido prostático nas vesículas seminais no orgasmo. Este fluido protege os espermatozóides e melhora sua mobilidade. Alguns de seus componentes incluem enzimas, zinco e ácido cítrico.

Os tecidos nervosos e os músculos circundam a próstata. Isso torna bastante difícil remover ou direcionar com precisão com radiação.

Embora os cientistas tenham investigado outros sistemas de ultrassom, o emprego de ressonância magnética em tempo real da TULSA promete maior precisão do que era possível anteriormente.

Como o TULSA funciona?

O sistema TULSA evoluiu nos últimos anos como uma abordagem minimamente invasiva que pode atingir com precisão o tecido da próstata sem afetar adversamente os tecidos e músculos saudáveis ​​próximos.

O procedimento ocorre durante uma ressonância magnética. Isso permite que os médicos vejam o que estão fazendo em detalhes excepcionais.

A ferramenta TULSA em forma de barra contém 10 geradores de ultrassom que aplicam calor. Estes podem destruir ou diminuir o tecido da próstata. O médico pode controlar os raios individuais do ultrassom usando um software que otimiza continuamente sua forma, força e direcionamento.

De acordo com o co-autor do estudo Steven S. Raman, “Ao contrário de outros sistemas de ultrassom no mercado, [we] pode monitorar o processo de ablação por ultrassom em tempo real e obter feedback imediato por RM da dose e eficácia térmicas “.

No estudo, o tempo de tratamento com TULSA foi em média de 51 minutos. Os pesquisadores trataram a próstata inteira naquele tempo. “É um procedimento ambulatorial com tempo de recuperação mínimo”, diz Raman.

Os ensaios também validam o uso da ressonância magnética como uma ferramenta de diagnóstico pós-TULSA, uma vez que se mostrou 93 a 96% de precisão na detecção da ausência de câncer nos exames de 1 ano.

Os resultados dos testes TULSA

Para o ensaio clínico de ablação TULSA-PRO, os pesquisadores recrutaram 115 homens. Os participantes tinham uma idade média de 65 anos e um risco baixo ou intermediário de câncer de próstata não metastático.

TULSA levou a melhorias dramáticas no tamanho da próstata, de 39 centímetros cúbicos (cc) para 3,8 cc em 1 ano após o tratamento. Em 80% dos participantes, o método eliminou o câncer clinicamente significativo.

Da coorte final de 111 homens, 72 (65%) estavam livres de câncer em biópsias realizadas por profissionais de saúde um ano depois. Seus níveis de antígeno específico da próstata – que indicam a presença ou ausência de câncer de próstata – caíram em média 95%.

Raman acrescenta que houve “uma redução drástica de mais de 90% no volume da próstata e baixas taxas de impotência quase sem incontinência”.

Daqui para frente

Oficiais na Europa já aprovaram o TULSA, e Raman espera que a aprovação nos Estados Unidos ocorra se outros testes confirmarem as conclusões do estudo.

Nesse caso, o TULSA poderia se tornar uma ferramenta valiosa para problemas de próstata de duas maneiras.

“Há duas coisas muito únicas nesse sistema”, aponta Raman.

Primeiro, você pode controlar com muito mais requinte o local a ser tratado, preservando a continência e a função sexual. Segundo, você pode fazer isso tanto para câncer de próstata difuso quanto localizado e para doenças benignas, incluindo hiperplasia benigna “.

Steven S. Raman

Com o câncer de próstata e o aumento da próstata sendo tais ocorrências comuns, a eficácia aprimorada do TULSA com menos efeitos colaterais fornecerá uma alternativa bem-vinda.



Source link

One thought on “Ultra-som com ressonância magnética melhora o tratamento da próstata

  • 29 de setembro de 2021 em 22:53
    Permalink

    NO BRASIL , ONDE ENCONTRAMOS ESTE PROCEDIMENTO.
    ABRAÇOS

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *