Junta de Mianmar ‘precisa sentir mais pressão’, diz EUA que busca ação | Noticias do mundo


Os Estados Unidos estão buscando mais pressão sobre a junta de Mianmar por meio das Nações Unidas e estão pedindo à comunidade internacional que não reconheça as próximas eleições, disse um alto funcionário na quinta-feira.

“Há um amplo reconhecimento de que o regime precisa sentir mais pressão”, disse à AFP o conselheiro do Departamento de Estado, Derek Chollet, que lidera a diplomacia dos EUA em Mianmar durante a Assembleia Geral das Nações Unidas.

Ele apontou a indignação com um ataque aéreo neste mês que matou 11 crianças em idade escolar, bem como a execução de quatro prisioneiros proeminentes pela junta, que derrubou o governo eleito em fevereiro de 2021, encerrando um experimento de uma década na democracia.

Consulte Mais informação: Maior lago da China declara ‘alerta vermelho’ por causa da longa seca, pela primeira vez

Chollet disse que manteve conversas com outros governos e com representantes do Governo de Unidade Nacional – dominado pelo partido do líder civil deposto Aung San Suu Kyi – e realizou uma reunião virtual com grupos étnicos armados dentro do país, também conhecido como Birmânia.

Ele disse que conversou com outras nações sobre uma resolução do Conselho de Segurança, embora o esforço esteja “nos estágios iniciais”, com detalhes ainda não claros.

“Achamos que temos que ser realistas em todas as questões sobre até que ponto a Rússia e a China estão dispostas a deixar o Conselho agir”, disse ele, referindo-se aos aliados com poder de veto dos militares de Mianmar.

“Achamos que é importante tentar”, disse ele.

Ele disse que também transmitiu a outros governos que “não devemos dar nenhum senso de credibilidade” às ​​eleições que a junta planeja para agosto próximo.

“Eu disse a eles que não vemos chance de que essas eleições sejam livres e justas, dado o fato de que o regime não controla nem metade do território, você tem prisioneiros políticos sendo presos e mortos, e Aung San Suu Kyi basicamente isolada e ninguém a vê há 20 meses”, disse Chollet.

Mais cedo na quinta-feira, o relator especial da ONU sobre a situação dos direitos em Mianmar, Thomas Andrews, alertou que a eleição seria “fraude”.

Os Estados Unidos impuseram uma série de sanções, inclusive visando líderes da junta, desde o golpe.

Mas adiou um passo instado por ativistas, visando a indústria de petróleo e gás de Mianmar, em meio à oposição da aliada Tailândia, que importa energia de seu vizinho.

O bloco do Sudeste Asiático ASEAN tentou sem sucesso negociar uma saída diplomática da crise com os generais e alguns parceiros dos EUA, notadamente a vizinha Índia de Mianmar, hesitaram em uma ação dura.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.