‘Altamente incomum’: OMS sobre varíola se espalhou para fora da África sem ligações de viagem | Noticias do mundo


Com os casos de varíola dos macacos ultrapassando a marca de 90 em um período de dez dias, a OMS enfatizou que era altamente incomum encontrar pacientes “sem links de viagem para uma área endêmica”. O órgão mundial de saúde – ressaltando que ampliou sua vigilância em áreas não endêmicas – destacou ainda que os casos também estão sendo relatados em clínicas de saúde sexual entre “homens que fazem sexo com homens”. O número de pacientes deve aumentar nos próximos dias, disse a agência de saúde da ONU.

Monkeypox – que foi detectado pela primeira vez em 1958, quando surtos de uma doença semelhante à varíola ocorreram em macacos mantidos para pesquisa – foi amplamente confinado às nações africanas por muitas décadas. O primeiro caso nos Estados Unidos foi relatado em 2003.

Mas desde 13 de maio, o vírus está se espalhando rapidamente pelas nações. Doze países – incluindo nove nações europeias – registraram 92 casos e 28 casos são suspeitos. Fora da Europa, os EUA, Canadá, Austrália e Israel registraram pacientes com varíola dos macacos.

Polônia, Bélgica, Reino Unido, França, Alemanha e Holanda, Espanha, Suécia e Itália são os países europeus onde os casos foram registrados até agora.

“A identificação de casos confirmados e suspeitos de varíola sem ligações diretas de viagem a uma área endêmica representa um evento altamente incomum. A vigilância até o momento em áreas não endêmicas tem sido limitada, mas agora está se expandindo. A OMS espera que mais casos em áreas não endêmicas sejam relatados”, disse.

“As investigações epidemiológicas estão em andamento, no entanto, os casos relatados até agora não têm ligações de viagem estabelecidas para áreas endêmicas. Com base nas informações atualmente disponíveis, os casos foram identificados principalmente, mas não exclusivamente, entre homens que fazem sexo com homens (HSH) que procuram atendimento na atenção primária e clínicas de saúde sexual”.

O vírus – que não se espalha facilmente entre as pessoas, segundo especialistas – entra no corpo através do trato respiratório, pele quebrada ou membrana mucosa.

De acordo com o principal órgão médico dos EUA, o CDC, o primeiro caso humano de varíola foi “registrado em 1970 na República Democrática do Congo, durante um período de esforços intensificados para eliminar a varíola. Desde então, a varíola dos macacos foi relatada em humanos em outros países da África Central e Ocidental”.

Benin, Camarões, República Centro-Africana, República Democrática do Congo, Gabão, Gana (identificados apenas em animais), Costa do Marfim, Libéria, Nigéria, República do Congo e Serra Leoa são as nações identificadas pelo OMS como os países endêmicos.

  • SOBRE O AUTOR

    Um viciado em redação com mais de 11 anos de experiência com publicações impressas e online; viagens e livros são a sopa para a alma.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.