A lavanda realmente ajuda com a ansiedade?


A medicina popular tradicional sustenta que o cheiro de algumas plantas pode acalmar os nervos. Agora, uma nova pesquisa sugere que um composto perfumado presente na lavanda pode diminuir a ansiedade, estimulando o nariz a transmitir sinais para o cérebro.

pessoa cheirando lavandaCompartilhar no Pinterest
Novas pesquisas trazem provas científicas de que a lavanda alivia a ansiedade, afetando o cérebro através do olfato.

Pesquisadores da Universidade Kagoshima, no Japão, estudaram o efeito do linalol, um álcool com cheiro doce, presente em óleos essenciais de lavanda e outras plantas perfumadas, em ratos.

Eles mostraram que a exposição ao vapor de linalol afeta o cérebro através do olfato e não é absorvida pela corrente sanguínea pelos pulmões.

Outra descoberta importante foi que, diferentemente dos medicamentos ansiolíticos ou anti-ansiedade (como os benzodiazepínicos), o linalol funciona sem prejudicar os movimentos.

Os pesquisadores sugerem que seu estudo abre caminho para novas investigações sobre como usar as propriedades calmantes do linalol em humanos, citando a necessidade de “alternativas mais seguras” aos benzodiazepínicos e outros medicamentos anti-ansiedade.

Uma aplicação que eles prevêem é ajudar as pessoas prestes a se submeter à cirurgia para relaxar antes de receber anestesia geral.

Um artigo sobre o estudo agora aparece na revista Fronteiras em Neurociência Comportamental.

A ansiedade pode variar de preocupação de curta duração ou medo de um problema, decisão ou situação estressante, como fazer um exame, a uma condição duradoura ou crônica que não desaparece.

Quando a ansiedade é crônica, os sintomas podem piorar e atrapalhar progressivamente a vida cotidiana, o trabalho, os relacionamentos e a escola.

Existem várias formas da doença, que são coletivamente denominadas transtornos de ansiedade. Estes incluem transtorno do pânico, transtorno de ansiedade generalizada e condições relacionadas à fobia.

As estimativas para 2015 da Organização Mundial da Saúde (OMS) sugerem que os transtornos de ansiedade afetam 3,6% da população global e que esse número varia entre os países. Nos Estados Unidos, a prevalência é de cerca de 6,3%.

O estudo recente não é o primeiro a investigar os efeitos calmantes do linalol, observa o co-autor Dr. Hideki Kashiwadani, da Escola de Pós-Graduação em Ciências Médicas e Odontológicas da Universidade de Kagoshima.

“No entanto”, relata o Dr. Kashiwadani, “os locais de ação do linalol geralmente não foram abordados nesses estudos”.

A suposição predominante era que a inalação do linalol fazia com que fosse absorvido pelos pulmões para a corrente sanguínea. A partir da corrente sanguínea, poderia atingir proteínas de detecção de sinal chamadas receptores do ácido gama-aminobutírico tipo A (GABAA) nas células nervosas, ou neurônios, no cérebro. Os benzodiazepínicos também têm como alvo esses receptores.

O Dr. Kashiwadani e seus colegas usaram vários experimentos envolvendo, por exemplo, uma “caixa clara / escura” e um “labirinto mais elevado”, para testar o efeito da exposição ao vapor de linalol em ratos normais.

Eles viram que o composto exercia “um efeito ansiolítico sem comprometimento motor”. Isso contrasta com os benzodiazepínicos e o linalol injetado, que prejudicam o movimento de maneira semelhante ao álcool consumido.

Expor camundongos que não tinham um olfato ao composto não produziu o mesmo efeito, confirmando assim que “entrada olfativa” era a rota para o cérebro.

Além disso, quando os cientistas pré-trataram os ratos normais com o medicamento flumazenil antes de permitir que eles cheirassem o vapor do linalol, os animais não mostraram redução na ansiedade. O flumazenil bloqueia os receptores GABAA que respondem à benzodiazepina.

“Quando combinados”, observa Kashiwadani, “esses resultados sugerem que o linalol não atua diretamente sobre os receptores GABAA, como os benzodiazepínicos – mas deve ativá-los por meio de neurônios olfativos no nariz para produzir seus efeitos relaxantes”.

Ele diz que agora são necessárias mais pesquisas para testar a segurança e a eficácia do linalol e descobrir os locais exatos no cérebro que o composto visa.

Além de ser um potencial relaxante para as pessoas que estão prestes a se submeter à cirurgia, o composto também pode oferecer uma alternativa para aqueles que lutam com a “administração oral ou supositória de ansiolíticos, como bebês ou idosos confusos”, acrescenta o Dr. Kashiwadani.

Nosso estudo também abre a possibilidade de que o relaxamento observado em camundongos alimentados ou injetados com linalol possa de fato ser devido ao cheiro do composto emitido em sua respiração exalada. ”

Dr. Hideki Kashiwadani



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.