Soldados de Mianmar usam o TikTok para ameaçar manifestantes

Soldados e policiais armados de Mianmar estão usando o TikTok para fazer ameaças de morte aos manifestantes contra o golpe do mês passado, disseram os pesquisadores, o que levou o aplicativo de compartilhamento de vídeo chinês a anunciar que estava removendo conteúdo que incita à violência.

O grupo de direitos digitais Myanmar ICT for Development (MIDO) disse ter encontrado mais de 800 vídeos pró-militares que ameaçavam os manifestantes em um momento de crescente derramamento de sangue – com 38 manifestantes mortos apenas na quarta-feira, de acordo com as Nações Unidas.

“É apenas a ponta do iceberg”, disse o diretor executivo da MIDO, Htaike Htaike Aung, que observou que há “centenas” de vídeos de soldados uniformizados e policiais no aplicativo.

Um porta-voz do Exército e da Junta não respondeu a um pedido de comentário.

Um vídeo do final de fevereiro analisado pela Reuters mostra um homem em uniforme do exército apontando um rifle de assalto para a câmera e se dirigindo aos manifestantes: “Vou atirar na porra da sua cara … e estou usando balas de verdade.”

Se você quer se tornar um mártir, realizarei seu desejo.

“Vou patrulhar toda a cidade esta noite e atirarei em quem eu vir … Se você quiser se tornar um mártir, realizarei seu desejo.”

A Reuters não conseguiu entrar em contato com ele ou outros homens uniformizados que aparecem nos vídeos do TikTok ou para verificar se eles estão nas forças armadas.

TikTok é a mais recente plataforma de mídia social a sofrer uma proliferação de conteúdo ameaçador ou discurso de ódio em Mianmar.

O gigante da tecnologia dos EUA, Facebook, já baniu todas as páginas vinculadas ao exército de Mianmar – e foi banido.

A TikTok disse em um comunicado: “Temos diretrizes da comunidade claras que declaram que não permitimos conteúdo que incite à violência ou desinformação que cause danos … No que se refere a Mianmar, removemos e continuamos a remover imediatamente todo o conteúdo que incite à violência ou espalha informações incorretas e monitora agressivamente para remover qualquer tipo de conteúdo que viole nossas diretrizes. “

As políticas da TikTok proíbem a exibição de armas, a menos que estejam em “ambientes seguros”.

A Reuters analisou mais de uma dúzia de vídeos em que homens uniformizados, às vezes empunhando armas, ameaçaram prejudicar os manifestantes que pedem a reversão do golpe e a libertação da líder eleita Aung San Suu Kyi.

Alguns vídeos tiveram dezenas de milhares de visualizações. Os revistos pela Reuters foram retirados esta semana. Algumas hashtags usadas relacionadas a celebridades americanas.

Já crescendo rapidamente em Mianmar, a TikTok viu um forte aumento nos downloads depois que os militares baniram o Facebook no mês passado. Ele está entre os 20 aplicativos mais baixados em Mianmar, de acordo com dados do setor.

O Facebook, que continua popular em Mianmar apesar da proibição, endureceu seu escrutínio de conteúdo desde que foi acusado de ajudar a promover atrocidades contra a minoria muçulmana Rohingya em 2017.

Pesquisadores como Htaike dizem acreditar que os militares agora estão tentando aumentar sua presença em outras plataformas.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *