Sobe para 23 o número de mortos por ‘debandada’ na fronteira espanhola em Marrocos


O número de pessoas que foram mortas ao tentar escalar uma cerca na fronteira entre Marrocos e um enclave espanhol no norte da África subiu para 23, enquanto organizações de direitos humanos em ambos os países pediram às autoridades que investigassem as circunstâncias das mortes.

Autoridades marroquinas disseram que os indivíduos morreram como resultado de uma “debandada” de pessoas que tentaram escalar a cerca de ferro que separa a cidade de Melilla e Marrocos.

Em um comunicado, o Ministério do Interior do Marrocos disse que 76 civis ficaram feridos junto com 140 oficiais de segurança marroquinos.

Dois membros das forças de segurança marroquinas e 33 migrantes feridos durante a violação da fronteira estão sendo tratados em hospitais nas cidades marroquinas de Nador e Oujda.


Migrantes escalam a cerca que separa o enclave espanhol de Melilla do Marrocos (Javier Bernardo/AP)

O primeiro-ministro espanhol, Pedro Sanchez, condenou o que descreveu como um “ataque violento” e um “ataque à integridade territorial” da Espanha.

Autoridades espanholas disseram que 49 guardas civis sofreram ferimentos leves no incidente.

Sanchez disse: “Se há alguém responsável por tudo o que parece ter acontecido naquela fronteira, são as máfias que traficam seres humanos”.

Seus comentários foram feitos quando a Associação Marroquina de Direitos Humanos compartilhou vídeos nas mídias sociais que pareciam mostrar dezenas de migrantes deitados no chão, muitos deles imóveis e alguns sangrando, enquanto as forças de segurança marroquinas os vigiavam.

“Eles ficaram lá sem ajuda por horas, o que aumentou o número de mortes”, disse o grupo de direitos humanos no Twitter.

Ele pediu uma investigação “abrangente”.


Migrantes correm em solo espanhol após cruzar a cerca que o separa do Marrocos (Javier Bernardo/AP)

Em outro vídeo da associação, um oficial de segurança marroquino parecia usar um bastão para golpear uma pessoa deitada no chão.

A Anistia Internacional expressou sua “profunda preocupação” com os eventos na fronteira.

Esteban Beltran, diretor da Anistia Internacional Espanha, disse: “Embora os migrantes possam ter agido com violência na tentativa de entrar em Melilla, quando se trata de controle de fronteiras, nem tudo vale.

“Os direitos humanos de migrantes e refugiados devem ser respeitados e situações como essa não podem acontecer novamente.”

Cinco organizações de direitos humanos no Marrocos e o APDHA, um grupo de direitos humanos com sede na região da Andaluzia, no sul da Espanha, também pediram inquéritos.


Polícia de choque monta guarda enquanto grupo de imigrantes chega à fronteira espanhola (Javier Bernardo/AP)

A Organização Internacional para as Migrações e a agência de refugiados da ONU, ACNUR, também se manifestaram com uma declaração que expressou “profunda tristeza e preocupação” com o que aconteceu na fronteira Marrocos-Melilla.

“A OIM e o ACNUR exortam todas as autoridades a priorizar a segurança de migrantes e refugiados, abster-se do uso excessivo da força e defender seus direitos humanos”, disseram as organizações.

A Comissão Espanhola para os Refugiados condenou o que descreveu como “o uso indiscriminado da violência para gerenciar a migração e controlar as fronteiras” e expressou preocupação de que a violência tenha impedido que pessoas elegíveis para proteção internacional chegassem ao solo espanhol.

Um porta-voz do escritório do governo espanhol em Melilla disse que cerca de 2.000 pessoas tentaram atravessar a cerca da fronteira, mas foram detidas pela Guarda Civil Espanhola e forças marroquinas em ambos os lados da cerca da fronteira.

Um total de 133 migrantes conseguiram atravessar.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.