Como a Alemanha espera manter o foco dos líderes do G7 no meio ambiente


A Alemanha está sediando a reunião deste ano dos líderes do G7 no resort bávaro de Elmau e quer manter o foco no meio ambiente.

Antes que a invasão da Ucrânia pela Rússia desencadeasse uma cascata de crises sobre alimentos, energia e segurança internacional, a reunião pretendia colocar os holofotes sobre as mudanças climáticas.

O governo alemão do chanceler Olaf Scholz ainda planeja fazer com que o G7 se comprometa com o progresso coletivo na contenção do aquecimento global, e uma das ideias em discussão é a criação de um “clube do clima” para os países que querem acelerar o combate ao aquecimento global. abordar a questão.

Aqui, examinamos como isso poderia funcionar.


O chanceler alemão Olaf Scholz espera manter o foco do G7 nas mudanças climáticas (Markus Schreiber/AP)

O que é um clube climático?

A ideia foi lançada pela primeira vez pelo vencedor do Prêmio Nobel William Nordhaus, que disse que a natureza voluntária dos acordos climáticos existentes não resultou em progresso suficiente.

Ele propôs que os países sérios em reduzir as emissões pudessem se unir e formar um clube que estabeleceria conjuntamente metas ambiciosas e isentaria uns aos outros de tarifas comerciais relacionadas ao clima às quais não membros estariam sujeitos.

“Isso basicamente funcionaria como um bastão, além de uma cenoura”, disse Domien Vangenechten, consultor de políticas do centro de estudos ambientais E3G, com sede em Bruxelas.

Quem pode aderir?

Scholz espera que todo o G7 apoie a ideia. França e Itália são praticamente dadas, já que ambos os países também são membros da União Europeia, que é um clube com fortes metas climáticas.


O primeiro-ministro canadense Justin Trudeau chegando para a reunião do G7. Acredita-se que as esperanças de seu país de um acordo comercial com a UE possam ser impulsionadas pela adesão a um clube climático (Daniel Karmann/AP)

O Canadá está ansioso para finalizar um acordo comercial há muito discutido com a UE e a participação no clube do clima pode ajudar.

A Grã-Bretanha deixou a UE em 2020 e está cética em aderir a qualquer acordo com o bloco. Mas um clube que inclua membros fora da UE provavelmente seria aceitável para Londres, especialmente se os Estados Unidos estiverem dentro.

Washington sempre teve problemas para firmar acordos vinculantes sobre mudanças climáticas, principalmente devido à oposição republicana. O presidente George W. Bush retirou a assinatura dos Estados Unidos sob o tratado de Kyoto de 1997 e o presidente Donald Trump retirou os EUA do acordo de Paris de 2015 – um pacto muito menos rigoroso.

Os EUA voltaram a Paris sob o comando do presidente Joe Biden, no entanto, e há uma percepção crescente de que uma abordagem isolada pode não ser do interesse dos Estados Unidos, especialmente se ela quiser forçar a China a reduzir suas emissões.

O Japão também pode ser influenciado pela perspectiva de pressionar seu grande vizinho e ter acesso privilegiado aos mercados europeu e norte-americano.

E a China?

O maior emissor de gases de efeito estufa do mundo provavelmente não se juntará imediatamente. Mas se quiser exportar seus produtos para o resto do mundo sem receber tarifas climáticas, talvez tenha de aderir.


Fumaça e vapor sobem das torres da Usina Termelétrica de Urumqi, a carvão, no oeste da China (Mark Schiefelbein/AP)

Espera-se que Pequim seja duramente crítica à ideia, assim como tem sido o planejado “mecanismo de ajuste de fronteira de carbono” da UE – que também envolve tarifas para poluidores que não seguem as regras do bloco.

A China tentou reunir outras economias emergentes, como África do Sul e Indonésia, em oposição ao plano. Essa é uma das razões pelas quais Scholz convidou esses dois países para participar do G7 como convidados e deixou claro que o clube do clima está aberto a todos.

A ideia vai decolar?

Especialistas dizem que uma massa crítica de países precisará se juntar ao clube para que ele se torne atraente o suficiente para que outros se sintam compelidos a se inscrever também.

Os detalhes exatos de como as regras do clube funcionariam ainda são incompletos. O apoio geral do G7, sem compromissos formais, pode ajudar a colocar a ideia na agenda das próximas reuniões, principalmente a cúpula climática da ONU em novembro.

Um endosso lá mostraria que o clube não é exclusividade das nações ricas, mas uma adição genuína aos esforços climáticos existentes.


(Gráficos PA)

Será que vai salvar o planeta?

Johan Rockstrom, diretor do Instituto Potsdam para Pesquisa de Impacto Climático, acha que vale a pena tentar, já que as medidas existentes não estão proporcionando os cortes de emissões necessários para cumprir a meta do Acordo de Paris de limitar o aquecimento global.

“O orçamento de carbono restante do mundo está se esgotando tão rápido que em breve não teremos chance científica de manter a meta de 1,5°C (meta de aquecimento)”, disse ele.

“Então, nós da comunidade científica estamos nos agarrando a qualquer coisa que possa ajudar, e uma maneira é fazer com que todos os principais emissores concordem com um conjunto de princípios coletivos para caminhos de emissões e precificação de carbono”.

Rockstrom disse que a esperança é que tais esforços cheguem a um ponto de inflexão positivo, como aconteceu com o Protocolo de Montreal de 1987, que viu o mundo se unir para enfrentar o problema do ozônio.

O princípio subjacente de um clube climático viraria de cabeça para baixo a situação atual em que os países menos ambiciosos ditariam o ritmo e, em vez disso, tornaria uma corrida para ser o mais rápido, disse ele.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.