Ministro da Economia argentino renuncia em meio a problemas com peso e diesel


O ministro da Economia da Argentina renunciou inesperadamente, dando um novo golpe no governo do presidente Alberto Fernandez, enquanto o país enfrenta problemas econômicos.

Martin Guzmán renunciou depois de uma semana em que a moeda argentina atingiu uma baixa histórica em relação ao dólar americano em meio à inflação crescente e motoristas de caminhão fizeram protestos contra a escassez de diesel.

Nenhum sucessor foi anunciado imediatamente.

“Escrevo para você apresentar minha renúncia como ministro da Economia”, disse Guzman em uma carta de sete páginas endereçada a Fernandez que ele publicou no Twitter, destacando as batalhas internas dentro do governo.

Ilustrando as tensões, Guzmán anunciou sua renúncia no sábado, enquanto a vice-presidente Cristina Fernandez fazia um discurso de alto nível no qual criticava as políticas econômicas do governo.

A vice-presidente, que não tem parentesco com o líder da Argentina, é ex-presidente e a coalizão governista está se dividindo entre seus aliados.

A renúncia veio no final de uma semana de turbulência econômica.

Com o peso argentino caindo em relação ao dólar, o governo na terça-feira tornou mais difícil adquirir dólares para pagar as importações, já que a moeda local atingiu novas mínimas no mercado paralelo usado por cidadãos e empresas para contornar os canais oficiais.


O ministro da Economia da Argentina, Martin Guzmán (à direita), escreveu uma carta de renúncia de sete páginas ao presidente Alberto Fernandez (Rodrigo Abd/AP)

A Argentina sofre há anos com a escassez de dólares, que decorre em parte da desconfiança dos argentinos em sua própria moeda em meio à alta inflação. A inflação está correndo a uma taxa anual de mais de 60% e os economistas esperam que a taxa continue piorando.

As paralisações de caminhoneiros interromperam a atividade econômica, incluindo a entrega aos portos de grãos, que é uma das principais importações da Argentina.

Na quarta-feira, o governo disse que estava tentando aumentar a disponibilidade de diesel, permitindo que mais biocombustível fosse misturado ao combustível e também suspendendo o imposto de importação sobre o diesel.

A Argentina produz diesel, mas não em quantidade suficiente para suas necessidades e depende de importações, com os preços mundiais subindo por causa dos transtornos causados ​​pela pandemia e pela invasão russa da Ucrânia.

Analistas dizem que uma das razões para a escassez é que não é lucrativo para as petrolíferas importar diesel porque o governo as impede de cobrar o que custa comprar no mercado internacional.

Em sua carta de demissão, Guzman sugeriu que pelo menos parte do motivo de sua saída foi porque ele não tinha apoio político dentro do governo.

“Pela experiência que vivi”, escreveu, “considero que será fundamental trabalhar num acordo político dentro da coligação governamental para que a pessoa que me substitui tenha o controlo centralizado dos instrumentos de política macroeconómica necessários… enfrentar os desafios que virão”.

Guzman estava em seu cargo desde o início do governo de Fernandez em 10 de dezembro de 2019 e era uma das figuras mais importantes do gabinete.

No início do governo, ele foi visto como um forte aliado do presidente, mas também alguém que poderia ajudar a superar as divisões na coalizão governista, muitas vezes rebelde. Nos últimos meses, no entanto, ele entrou em conflito com alguns funcionários leais ao vice-presidente e sua influência dentro do governo parecia estar diminuindo.

O primeiro desafio de Guzmán no cargo, e seu sucesso, foi negociar uma reestruturação da dívida da Argentina e evitar um calote.

Mais tarde, ele chegou a um acordo sobre o alívio da dívida com o Fundo Monetário Internacional (FMI), mas alguns dos elementos mais esquerdistas do governo disseram que incluía muitas concessões que prejudicariam o crescimento econômico da Argentina.

Políticos aliados ao vice-presidente votaram contra o acordo com o FMI no Congresso e a renúncia de Guzmán levanta dúvidas sobre se o país conseguirá cumprir os termos do acordo.

Em sua carta de demissão, Guzmán disse que seu principal objetivo ao assumir o cargo era “acalmar a economia” e para isso era necessário “resolver os problemas da dívida externa insustentável que sobrecarrega o Estado, bem como toda a Argentina”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.