Encontro global visa proteger espécies em perigo | Noticias do mundo


O maior congresso de conservação global do mundo foi inaugurado na sexta-feira, com advertências de que a humanidade deve enfrentar os graves riscos da perda de biodiversidade e das mudanças climáticas juntos.

A principal mensagem da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN) é que o desaparecimento de espécies e a destruição de ecossistemas não são menos ameaças existenciais do que o aquecimento global.

“A batalha pelo clima – contra as mudanças climáticas – está associada à batalha para preservar e restaurar a biodiversidade”, disse o presidente francês Emmanuel Macron em um discurso na cerimônia de abertura na cidade portuária francesa de Marselha.

Mas os esforços para conter as perdas da vida selvagem do mundo ficaram para trás, alertou ele.

Como reverter a destruição implacável do habitat, a agricultura insustentável, a mineração e o aquecimento do planeta irão dominar as discussões durante a conferência.

“Estamos enfrentando enormes desafios. Estamos vendo o clima mudando e impactando enormemente nossas sociedades”, disse o chefe da IUCN, Bruno Oberle, em um discurso antes da abertura do congresso.

“Estamos vendo a biodiversidade desaparecendo e a pandemia atingindo nossas economias, nossas famílias, nossa saúde”.

A reunião, atrasada em 2020 pela pandemia, ocorre antes das cúpulas cruciais da ONU sobre clima, sistemas alimentares e biodiversidade que podem moldar o futuro previsível do planeta.

Os congressos anteriores da IUCN abriram caminho para tratados globais sobre a biodiversidade e o comércio internacional de espécies ameaçadas de extinção.

Mas os esforços para conter o declínio extensivo no número e na diversidade de animais e plantas, até agora, não conseguiram retardar a destruição.

Em 2019, os especialistas em biodiversidade da ONU alertaram que um milhão de espécies estão à beira da extinção – levantando o espectro de que o planeta está à beira de seu sexto evento de extinção em massa em 500 milhões de anos.

Manifestantes em Marselha, com faixas que dizem “A natureza não está à venda!” e “Mude o sistema, não o clima!”, pediu uma ação mais urgente.

“É difícil ler as manchetes: inundações, incêndios, fomes, pragas e dizer a seus filhos que está tudo bem”, disse o ator Harrison Ford, que se tornou um ativista ambientalista, na cerimônia de abertura.

“Não está tudo bem. Droga, não está tudo bem!”

‘Nosso direito de existir’

A reunião de nove dias da IUCN incluirá uma atualização de sua Lista Vermelha de Espécies Ameaçadas, medindo o quão perto as espécies animais e vegetais estão de desaparecer para sempre.

Os especialistas avaliaram cerca de 135.000 espécies ao longo do último meio século e quase 28 por cento estão atualmente em risco de extinção, com a perda de habitat, a superexploração e o comércio ilegal levando à perda.

Os grandes felinos, por exemplo, perderam mais de 90 por cento de sua extensão histórica e população, com apenas 20.000 leões, 7.000 chitas, 4.000 tigres e algumas dezenas de leopardos de Amur restantes na natureza.

A IUCN também irá, pela primeira vez em sua história de sete décadas, dar as boas-vindas aos povos indígenas para compartilhar seus conhecimentos sobre a melhor forma de curar o mundo natural como membros votantes.

Oberle agradeceu aos grupos indígenas por se juntarem à IUCN e trazer uma “rica experiência” sobre como ter um relacionamento diferente com o planeta.

Pesquisas recentes alertaram que o desmatamento desenfreado e as mudanças climáticas estão empurrando a Amazônia para um desastroso “ponto de inflexão”, que veria as florestas tropicais darem lugar a paisagens semelhantes às das savanas.

As taxas de perda de árvores caem drasticamente nas florestas onde vivem os povos nativos, especialmente se eles detêm algum grau de título – legal ou consuetudinário – da terra.

“Estamos exigindo do mundo nosso direito de existir como povos, de viver com dignidade em nossos territórios”, disse José Gregorio Diaz Mirabal, coordenador principal da COICA, que representa grupos indígenas em nove nações da bacia amazônica.

As moções em discussão incluem a proteção de 80% da Amazônia até 2025, o combate ao plástico nos oceanos, o combate aos crimes contra a vida selvagem e a prevenção de pandemias.

Macron disse que a conferência deve lançar as “bases” para uma estratégia global de biodiversidade que será o foco das deliberações da ONU na China em abril do próximo ano.

A comunidade internacional está tentando definir metas provisórias para esta década, bem como metas de longo prazo para 2050.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.