China reafirma ameaça de força militar para assumir o controle de Taiwan


A China reafirmou sua ameaça de usar a força militar para colocar Taiwan sob seu controle.

Um comunicado divulgado na quarta-feira pelo Gabinete de Assuntos de Taiwan do Gabinete e seu departamento de notícias veio após quase uma semana de disparos de mísseis e incursões em águas e espaço aéreo de Taiwan por navios de guerra chineses e aviões da Força Aérea.

As ações interromperam voos e remessas em uma região crucial para as cadeias de suprimentos globais, provocando forte condenação dos EUA, Japão e outros.


Militares de Taiwan realizam exercícios de artilharia no município de Fangshan, Pingtung, sul de Taiwan (Johnson Lai/AP)

Uma versão em inglês do comunicado chinês disse que Pequim “trabalhará com a maior sinceridade e exercerá nossos maiores esforços para alcançar a reunificação pacífica”.

“Mas não renunciaremos ao uso da força e nos reservamos a opção de tomar todas as medidas necessárias. Isso é para se proteger contra interferências externas e todas as atividades separatistas”, disse o comunicado.

“Estaremos sempre prontos para responder com o uso da força ou outros meios necessários à interferência de forças externas ou ação radical de elementos separatistas. Nosso objetivo final é garantir as perspectivas de reunificação pacífica da China e avançar nesse processo”.


O ministro das Relações Exteriores de Taiwan, Joseph Wu (Ministério das Relações Exteriores de Taiwan via AP)

A China diz que as medidas ameaçadoras foram motivadas por uma visita a Taiwan na semana passada da presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, mas Taiwan diz que essas visitas são rotineiras e que a China usou isso apenas como um pretexto para aumentar suas ameaças.

Em uma resposta adicional à visita de Pelosi, a China disse que está cortando o diálogo sobre questões de segurança marítima a mudanças climáticas com os EUA, o principal apoiador militar e político de Taiwan.

O ministro das Relações Exteriores de Taiwan alertou na terça-feira que os exercícios militares chineses refletem as ambições de controlar grandes áreas do Pacífico ocidental, enquanto Taipei conduziu seus próprios exercícios para destacar sua prontidão para se defender.

Taiwan se separou do continente em meio à guerra civil em 1949 e os 23 milhões de habitantes da ilha se opõem de forma esmagadora à unificação política com a China, preferindo manter laços econômicos estreitos e o status quo de independência de fato.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.