Chefe de inteligência interino para falar sobre a denúncia secreta de Donald Trump


O diretor interino de inteligência nacional Joseph Maguire deve falar publicamente pela primeira vez sobre uma denúncia secreta de denúncias envolvendo o presidente dos EUA, Donald Trump.

Democratas na Câmara dos Deputados que leram o documento disseram que é "profundamente perturbador".

Os democratas da Câmara que agora estão ponderando o impeachment de Trump esperam que Maguire explique por que ele reteve a queixa do denunciante da comunidade de inteligência do Congresso por semanas.

Maguire então passará a portas fechadas para falar com o painel de inteligência do Senado.

Havia sinais de que o documento, agora no centro de uma tempestade sobre o manuseio de Trump pela Ucrânia, poderia ser tornado público logo na quinta-feira.

Pouco antes da meia-noite da quarta-feira, o representante de Utah, Chris Stewart, um membro republicano do comitê de inteligência da Câmara, twittou: “BREAKING NEWS: A denúncia de denunciantes foi desclassificada. Encorajo todos a lerem.

O representante de Nova York, Hakeem Jeffries, membro da liderança democrata, disse na quarta-feira à noite que espera que a denúncia seja divulgada "mais cedo ou mais tarde".

O documento foi disponibilizado aos membros dos comitês de inteligência da Câmara e do Senado na quarta-feira, depois que Maguire determinou inicialmente que não o viam.

A queixa está pelo menos em parte relacionada a um telefonema de julho entre Trump e o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy, no qual Trump incitou Zelenskiy a investigar o rival político democrata Joe Biden.

<img src = "https://www.breakingnews.ie/remote/image.assets.pressassociation.io/v2/image/production/f1b774721d526cd29785211a65979058Y29udGVudHNlYXJjaCwxNTY5NTc4NjMj-53/5.45585685"
Volodymyr Zelenskiy com Donald Trump no hotel InterContinental Barclay New York durante a Assembléia Geral da ONU (Evan Vucci / AP)
"/>
Volodymyr Zelenskiy com Donald Trump no hotel InterContinental Barclay New York durante a Assembléia Geral da ONU (Evan Vucci / AP)

A Casa Branca divulgou uma transcrição aproximada dessa ligação na quarta-feira de manhã.

Os democratas da Câmara que saem de uma sala segura não divulgam detalhes do documento classificado, mas o descrevem como perturbador e urgente.

O presidente do comitê de inteligência da Câmara, Adam Schiff, disse que "expôs graves irregularidades" e "certamente fornece informações para que o comitê acompanhe outras pessoas".

A denúncia mostrou que o denunciante soube detalhes da ligação por funcionários da Casa Branca, de acordo com uma pessoa familiarizada com a queixa e que obteve anonimato para discuti-la.

Outra pessoa disse que os políticos não descobriram a identidade do denunciante.

A presidente da Câmara, Nancy Pelosi – que na terça-feira endossou totalmente uma investigação de impeachment à luz das revelações na Ucrânia – e o líder democrata do Senado, Chuck Schumer, também viu a denúncia.

Schumer disse que estava ainda mais "preocupado" agora do que estava antes de lê-lo e "há um grande número de fatos clamando por investigação".

Apoio totalmente a transparência nas chamadas informações sobre denunciantes

Trump, cujo governo havia rejeitado a denúncia, disse na quarta-feira à tarde que "eu apoio totalmente a transparência nas chamadas informações sobre denúncias" e que ele comunicou essa posição ao líder da minoria da Câmara, Kevin McCarthy.

A transcrição divulgada pela Casa Branca na quarta-feira mostrou que Trump incentivou Zelenskiy a trabalhar com o procurador-geral dos EUA e com o advogado pessoal de Trump, Rudy Giuliani, para investigar Biden.

Zelenskiy disse que seus comentários na conversa com Trump não deveriam ter sido divulgados publicamente, e ele minimizou a investigação da Ucrânia sobre Biden, um ex-vice-presidente que agora é candidato à presidência em 2020.

Os políticos disseram que precisavam ver a denúncia, não apenas o memorando sobre a ligação, enquanto investigavam o presidente e se suas ações eram inadequadas.

Pelosi disse na terça-feira que se Trump abusar de seus poderes presidenciais, isso marcaria uma "traição de seu juramento de poder".

<img src = "https://www.breakingnews.ie/remote/image.assets.pressassociation.io/v2/image/production/0321dc4c0badae89de39e0b974ccac07Y29udGVudHNlYXJjaCwxNTY5NTc5NTM5/5pg5w5?hl=pt
Nancy Pelosi (Susan Walsh / AP)
"/>
Nancy Pelosi (Susan Walsh / AP)

O denunciante não identificado primeiro apresentou uma queixa a Michael Atkinson, inspetor geral de inteligência do governo dos EUA, em agosto.

Maguire então bloqueou a liberação da queixa ao Congresso, citando questões de privilégio presidencial e dizendo que a queixa não tratava de uma "preocupação urgente".

Atkinson discordou, mas disse que suas mãos estavam atadas.

Atkinson, que se encontrou em particular com os políticos da Câmara na semana passada, conversará a portas fechadas para o painel de inteligência do Senado na quinta-feira.

As comissões da Câmara e do Senado também convidaram o denunciante a prestar depoimento, mas não se sabe se a pessoa aparecerá ou se sua identidade poderá ser adequadamente protegida sem a benção de Maguire.

O denunciante está preparado para falar em particular perante os comitês de inteligência do Senado e da Câmara, mas os advogados da pessoa querem primeiro garantir que tenham as autorizações de segurança apropriadas para que possam estar presentes em qualquer reunião, de acordo com a correspondência revisada pela Associated Press.

– Associação de Imprensa



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *