Alemanha confirma planos de fornecer tanques à Ucrânia para combater invasores russos


O governo alemão confirmou que fornecerá à Ucrânia tanques de batalha Leopard 2 e aprovará pedidos de outros países para fazer o mesmo.

O chanceler Olaf Scholz disse na quarta-feira que a Alemanha está “agindo em estreita coordenação” com seus aliados.

Em comunicado, o governo disse que inicialmente fornecerá à Ucrânia uma empresa de tanques Leopard 2 A6, que compreende 14 veículos, de seus próprios estoques.

O objetivo é fornecer à Ucrânia um total de dois batalhões – 88 tanques – juntamente com outros países.


O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, descreveu as intenções alemãs e americanas com os tanques como um “plano bastante desastroso” (Michael Sohn/AP

A tão esperada decisão vem depois que autoridades dos EUA disseram que um acordo preliminar foi fechado para os Estados Unidos enviarem tanques M1 Abrams para ajudar Kyiv a repelir as forças russas entrincheiradas no leste quase um ano desde o início da guerra.

Scholz insistiu que qualquer movimento para fornecer poderosos Leopard 2 à Ucrânia precisaria ser coordenado de perto com os aliados da Alemanha, principalmente os Estados Unidos.

Ao fazer Washington comprometer alguns de seus próprios tanques, Berlim espera espalhar o risco de qualquer reação da Rússia.

Ekkehard Brose, chefe da Academia Federal de Política de Segurança do exército alemão, disse que amarrar os Estados Unidos na decisão é crucial para evitar que a Europa enfrente sozinha uma Rússia com armas nucleares.

Mas ele também observou o significado histórico mais profundo da decisão.

“Os tanques de fabricação alemã enfrentarão os tanques russos na Ucrânia mais uma vez”, disse ele, acrescentando que este “não foi um pensamento fácil” para a Alemanha, que leva a sério sua responsabilidade pelos horrores da Segunda Guerra Mundial.

“E, no entanto, é a decisão certa”, disse Brose, argumentando que cabe às democracias ocidentais ajudar a Ucrânia a deter a campanha militar da Rússia.

O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, descreveu as intenções alemãs e americanas com os tanques como “um plano bastante desastroso”.

“Estou convencido de que muitos especialistas entendem o absurdo dessa ideia”, disse ele a repórteres na quarta-feira.

“Simplesmente por aspectos tecnológicos, este é um plano bastante desastroso. O principal é que esta é uma superestimação completamente óbvia do potencial (o fornecimento de tanques) acrescentaria às forças armadas da Ucrânia. É mais uma falácia, bastante profunda”, disse o funcionário do Kremlin.

O Sr. Peskov previu que “esses tanques vão queimar como todos os outros… Só que eles custam muito, e isso vai cair sobre os ombros dos contribuintes europeus”, acrescentou.

Membros do governo de coalizão de três partidos de Scholz saudaram a notícia antes do anúncio oficial.

“O Leopardo está solto!” disse a política alemã Katrin Goering-Eckardt, um alto membro do Partido Verde.

Marie-Agnes Strack-Zimmermann, membro do Partido Democrático Livre que preside o comitê parlamentar de defesa, disse que a notícia é “um alívio para uma Ucrânia corajosa e maltratada”.

“A decisão de aprovar (os pedidos de outros países) e fornecer o Leopard 2 foi árdua, mas inevitável”, disse ela.

A Sra. Strack-Zimmermann foi uma das vozes mais altas pedindo uma decisão rápida sobre o fornecimento de armas para a Ucrânia.

Dois partidos de oposição menores criticaram a medida, no entanto.

A Alternativa para a Alemanha, de extrema-direita, chamou a decisão de “irresponsável e perigosa”.

“Como resultado, a Alemanha corre o risco de ser arrastada diretamente para a guerra”, disse seu colíder Tino Chrupalla. O partido, conhecido pela sigla AfD, tem laços amistosos com a Rússia.

O partido Esquerda, que também tem vínculos históricos com Moscou, alertou para uma possível escalada do conflito.

“O fornecimento de tanques de batalha Leopard, que põe fim a mais um tabu, potencialmente nos aproxima de uma terceira guerra mundial do que da paz na Europa”, disse o líder parlamentar do partido, Dietmar Bartsch, à agência de notícias alemã dpa.

Pesquisas de opinião recentes mostraram que os eleitores alemães estão divididos sobre a ideia.

A pressão sobre Scholz aumentou esta semana depois que a Polônia pediu formalmente à Alemanha que aprovasse o envio de tanques Leopard 2 de estoques poloneses para a Ucrânia.

O primeiro-ministro da Polônia, Mateusz Morawiecki, acusou a Alemanha de “atrasar, ser evasiva e agir de maneira difícil de entender” quando se tratava de fornecer tanques, e chegou a afirmar que Berlim parecia não querer ajudar a Ucrânia.

“A decisão de enviar Leopardos para a Ucrânia é um grande passo para deter a Rússia”, escreveu Morawiecki no Twitter na quarta-feira. “Juntos somos mais fortes.”

Outras nações européias também indicaram disposição de se desfazer de seus próprios tanques de batalha como parte de uma coalizão maior.

O semanário alemão Der Spiegel disse que Berlim poderia inicialmente aprovar o fornecimento de uma empresa de tanques, compreendendo 14 veículos.

Mas o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, deixou claro na terça-feira que espera receber um número mais substancial de tanques de aliados ocidentais.

“Não se trata de cinco ou 10 ou 15 tanques. A necessidade é maior”, disse.

O governo alemão disse que planeja começar rapidamente a treinar tripulações de tanques ucranianos na Alemanha.

O pacote que está sendo montado também incluirá logística, munição e manutenção.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *