Rússia impõe proibição de viagem a Kamala Harris, Mark Zuckerberg; Canadenses também acertaram | Noticias do mundo


A Rússia impôs nesta quinta-feira uma proibição de viagem à vice-presidente dos Estados Unidos, Kamala Harris, e ao CEO do Facebook, Mark Zuckerberg, em resposta às sanções impostas pelas “operações militares” do Kremlin na Ucrânia. A proibição de viagem também abrange 27 outros americanos proeminentes, informou a agência de notícias AFP. O Ministério das Relações Exteriores da Rússia disse que a proibição de viajar – que inclui altos funcionários do Pentágono, líderes empresariais dos EUA e jornalistas – permanecerá em vigor “perpetuamente”.

Entre outros, a lista dos EUA inclui o apresentador de televisão da ABC News, George Stephanopoulos, o colunista do Washington Post, David Ignatius, e o editor do site de notícias Meduza, focado na Rússia, Kevin Rothrock. Autoridades de defesa dos EUA, incluindo o porta-voz do Pentágono, John Kirby, e a vice-secretária de Defesa, Kathleen Hicks, também estão na lista, acrescentou a AFP.

A Rússia já havia banido o Facebook e o Instagram – parte do império Meta de Zuckerberg –, chamando-os de organizações “extremistas”.

A Rússia também atingiu 61 cidadãos canadenses – incluindo vários funcionários e jornalistas – com a proibição de viagem “indefinida”. O Ministério das Relações Exteriores disse que a lista inclui aqueles “diretamente envolvidos no desenvolvimento, fundamentação e implementação do curso russofóbico do regime dominante no Canadá”.

A proibição de viagens da Rússia ocorreu depois que vários países, incluindo Estados Unidos e União Europeia, impuseram novas sanções para impedir Moscou de sua guerra contra a Ucrânia, que entrou no dia 57 na quinta-feira.

A Grã-Bretanha estabeleceu na quinta-feira 26 novas sanções contra generais militares russos responsáveis ​​pelo que chamou de atrocidades na Ucrânia, bem como indivíduos e empresas que apoiam as forças armadas russas. “A nova onda de sanções de hoje atinge os generais e as empresas de defesa que têm sangue nas mãos”, disse a ministra das Relações Exteriores, Liz Truss, em comunicado.

A Rússia havia anunciado no início desta semana a segunda fase da guerra no leste da Ucrânia com a “Batalha de Donbas” depois de não conseguir capturar a capital Kiev e ser forçada a se retirar do norte.

A Rússia chama sua incursão de “operação militar especial” para desmilitarizar e “desnazificar” a Ucrânia. Kiev e seus aliados ocidentais rejeitam isso como um falso pretexto para uma guerra ilegal de agressão.

(Com entradas da agência)



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.