Protesto anti-lockdown da China chega a Wuhan, onde a Covid começou | 5 pontos | Noticias do mundo


Centenas de pessoas foram às ruas de Wuhan, na China – a cidade onde a pandemia mortal de coronavírus se originou em 2019 – como o protestos de bloqueio anti-Covid ganhou força pelo terceiro dia no domingo. Uma onda de desobediência civil se espalhou por grandes cidades como Pequim e Xangai, à medida que crescia a raiva do público contra as normas linha-dura para cumprir a política de Covid-19 da China.

Vídeos se tornaram virais nas plataformas de mídia social mostrando manifestantes derrubando barricadas de metal, derrubando tendas de teste da Covid e exigindo o fim dos bloqueios enquanto entravam em confronto com autoridades de segurança em Wuhan. O Hindustan Times não pôde verificar os vídeos de forma independente.

Uma rua no centro de Wuhan, rastreada pela agência de notícias AFP, várias transmissões ao vivo – que foram rapidamente censuradas – mostraram grandes multidões caminhando pelas ruas torcendo e filmando em seus telefones. Manifestações semelhantes também eclodiram em Chengdu.

O que sabemos até agora:

  • Os protestos foram desencadeados por um incêndio em um prédio residencial na cidade de Urumqi – capital da região noroeste de Xinjiang – que matou 10 pessoas. Usuários de mídia social compartilharam vídeos do incidente acusando as autoridades chinesas de que o rígido bloqueio foi um fator no número de mortos.
  • No fim de semana, estudantes de vários campi universitários da China se reuniram com folhas em branco para protestar contra os bloqueios. “Nós só queremos nossos direitos humanos básicos. Não podemos sair de casa sem fazer um teste. Foi o acidente em Xinjiang que levou as pessoas longe demais”, disse à AFP um manifestante de 26 anos em Xangai, que pediu para não ser identificado.
  • O que começou com uma vigília à luz de velas em solidariedade às mortes em Urumqi logo se transformou em protestos intensos com slogans como ‘abaixo Xi Jinping’ e ‘levantar o bloqueio’ que foram ouvidos em vídeos dos locais de protesto. Fotos e vídeos também mostraram pichações nas paredes das universidades que já foram cobertas.
  • Enquanto isso, a polícia manteve uma forte presença em Xangai e outras cidades onde as manifestações foram testemunhadas. As autoridades também restringiram a discussão online sobre o protesto, com frases vinculadas removidas da plataforma Weibo, semelhante ao Twitter, assim que surgiram as imagens dos comícios.
  • Enquanto o resto do mundo relaxou os bloqueios para restaurar a normalidade, a China passou quase todos os últimos três anos vivendo com algumas das restrições mais rígidas da Covid. A China tem relatado mais um aumento preocupante nos casos de Covid nos últimos dias, incluindo um recorde de 24 horas de quase 40.000 no sábado – levando as autoridades a impor as restrições.


Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *