O sono permite que as células do sistema imunológico realizem trabalhos de manutenção no cérebro

Estudos mostraram que, durante o sono, o cérebro se reativa, atualizando memórias e limpando “resíduos”. Novas pesquisas em modelos de camundongos sugerem que células imunológicas especializadas mantêm o cérebro em boas condições de funcionamento, mantendo-o durante o sono.

ilustração de conexões neuraisCompartilhar no Pinterest
Novas pesquisas em ratos mostram que as células imunológicas são mais capazes de realizar trabalhos de manutenção no cérebro durante o sono.

Pesquisas realizadas nos últimos anos descobriram evidências de que o cérebro tem a chance de se atualizar e atualizar de várias maneiras durante o sono.

Por exemplo, os cientistas descobriram que o cérebro consolida memórias recém-formadas durante o sono. Eles também descobriram que o sono oferece uma excelente oportunidade para eliminar o “lixo” neural.

Uma equipe de pesquisadores do Centro Médico da Universidade de Rochester, em Nova York, e do Instituto de Tecnologia de Massachusetts, em Cambridge, descobriu mais sobre como a manutenção do cérebro também ocorre durante o sono.

Em seu estudo – cujas descobertas aparecem em Nature Neuroscience – os investigadores trabalharam com ratos para descobrir mais sobre como a microglia, que é a célula imune que “atende” o cérebro, realiza seu trabalho de manutenção durante o sono.

“É amplamente assumido que o movimento dinâmico dos processos microgliais não é sensível ao estado comportamental do animal”, explica a principal autora do estudo, Prof. Ania Majewska.

Esta pesquisa mostra que os sinais em nosso cérebro que modulam o estado de sono e vigília também atuam como um interruptor que liga e desliga o sistema imunológico “.

Ania Majewska

O estado de vigília prejudica o trabalho de reparo

As micróglias são as células imunes que respondem a qualquer sinal de infecção ou dano no cérebro. Segundo o novo estudo do Prof. Majewska e colegas, essas células também são ativas durante o sono, atendendo ao “desgaste” regular.

O novo estudo sugere que a microglia pode funcionar de forma mais eficaz durante o sono do que quando um indivíduo está acordado.

Os pesquisadores observaram ratos acordados versus ratos anestesiados pelos cientistas. Eles descobriram que a microglia parecia menos ativa e eficiente quando os ratos estavam acordados.

Isso permitiu que os pesquisadores se aproximassem da noradrenalina, um mensageiro químico que desempenha um papel de excitação no sistema nervoso central e ajuda a regular os ciclos de sono e vigília. Durante o sono, os níveis de noradrenalina no cérebro são baixos.

Quando os níveis de noradrenalina aumentam, no entanto, o cérebro fica subitamente alerta e o indivíduo acorda.

No presente estudo, os pesquisadores observaram que a noradrenalina atua nos neurônios e no receptor adrenérgico beta2, presente na microglia. Quando os níveis de noradrenalina aumentam, as micróglias aparentemente caem no estado de sono.

Isso significava que, durante os estados de excitação e vigília, as células imunológicas não podiam responder adequadamente e realizar manutenção nas conexões das células cerebrais.

“Este trabalho sugere que a remodelação aprimorada dos circuitos neurais e o reparo de lesões durante o sono podem ser mediados em parte pela capacidade da microglia de interagir dinamicamente com o cérebro”, explica a primeira autora Rianne Stowell, Ph.D.

“No total, esta pesquisa também mostra que as micróglias são extremamente sensíveis a sinais que modulam a função cerebral e que as dinâmicas e funções microgliais são moduladas pelo estado comportamental do animal”, acrescenta Stowell.

As descobertas aumentam a evidência de que os mecanismos relacionados ao sono desempenham um papel essencial para garantir que o cérebro receba os reparos necessários e continue funcionando corretamente.

Além disso, pode ajudar a explicar por que os distúrbios do sono têm ligações com o aparecimento de condições neurodegenerativas progressivas, como demência e doença de Parkinson.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *