Irã rejeita investigação da ONU sobre repressão do governo a protestos: relatório | Noticias do mundo


O Irã rejeitará uma investigação independente da ONU recém-nomeada na repressão do país aos protestos antigovernamentais, disse o Ministério das Relações Exteriores na segunda-feira, enquanto as manifestações não davam sinais de diminuir.

Leia também | Khamenei do Irã elogia forças de Basij por enfrentarem ‘distúrbios’: relatório

“O Irã não terá cooperação com o comitê político formado pelo Conselho de Direitos da ONU”, disse o porta-voz do ministério, Nasser Kanaani.

O Conselho de Direitos da ONU votou na quinta-feira para nomear uma investigação sobre a repressão mortal do Irã aos protestos.

Volker Turk, o comissário de direitos da ONU, havia exigido anteriormente que o Irã encerrasse seu uso “desproporcional” da força para reprimir os protestos que eclodiram após a morte sob custódia da curda Mahsa Amini, de 22 anos, em 16 de setembro.

Leia também | Torcedores da Copa do Mundo da Fifa que apoiam protestos no Irã têm itens apreendidos, diz relatório

A agência de notícias ativista HRANA disse que 450 manifestantes foram mortos em mais de dois meses de agitação nacional até 26 de novembro, incluindo 63 menores. Ele disse que 60 membros das forças de segurança foram mortos e 18.173 manifestantes detidos.

Desafiando a legitimidade da República Islâmica, manifestantes de todas as esferas da vida queimaram fotos de Khamenei e pediram a queda da teocracia muçulmana xiita do Irã.

Os protestos se concentraram particularmente nos direitos das mulheres – Amini foi detida pela polícia de moralidade por trajes considerados inadequados pelo código de vestimenta islâmico do Irã – mas também pediram a queda do líder supremo aiatolá Ali Khamenei.

A agitação representou um dos desafios mais ousados ​​para a elite clerical governante do Irã desde que chegou ao poder na revolução islâmica de 1979, embora as autoridades tenham reprimido rodadas anteriores de grandes protestos.

O Irã culpou inimigos estrangeiros e seus agentes pela agitação.

O Irã tem provas de que nações ocidentais estiveram envolvidas em protestos que varreram o país, disse Kanaani na segunda-feira.

“Temos informações específicas provando que os EUA, países ocidentais e alguns dos aliados americanos tiveram um papel nos protestos”, disse ele, sem dar detalhes.

O Irã não informou o número de mortos pelos manifestantes, mas o vice-ministro das Relações Exteriores, Ali Bagheri Kani, disse que cerca de 50 policiais morreram e centenas ficaram feridos nos distúrbios – o primeiro número oficial de mortes entre as forças de segurança.

Ele não disse se esse número também inclui mortes entre outras forças de segurança, como a Guarda Revolucionária.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *