Finlândia está pronta para lutar contra a Rússia se for atacada


A Finlândia se preparou por décadas para um ataque russo e ofereceria forte resistência caso ocorra, disse o chefe das Forças Armadas.

O país nórdico construiu um arsenal substancial. Mas, além do equipamento militar, disse o general Timo Kivinen, um fator crucial é que os finlandeses estariam motivados para lutar.

“A linha de defesa mais importante está entre os ouvidos, como a guerra na Ucrânia prova no momento”, disse Kivinen em entrevista.

A Finlândia travou duas guerras na década de 1940 contra seu vizinho oriental, com o qual compartilha uma fronteira de 1.300 km.

Outrora um país não alinhado, agora está se candidatando para se juntar à aliança militar da Otan devido a preocupações de que a Rússia possa invadir como fez a Ucrânia em 24 de fevereiro.

Desde a Segunda Guerra Mundial, Helsinque manteve um alto nível de preparação militar.

A Ucrânia tem sido uma mordida difícil de mastigar (para a Rússia) e assim seria a Finlândia.

“Desenvolvemos sistematicamente nossa defesa militar precisamente para esse tipo de guerra que está sendo travada lá (na Ucrânia), com um uso maciço de poder de fogo, forças blindadas e também forças aéreas”, disse Kivinen.

“A Ucrânia tem sido uma mordida difícil de mastigar (para a Rússia) e a Finlândia também”.

Cerca de 100.000 finlandeses foram mortos durante as duas guerras que a Finlândia lutou contra a União Soviética e perdeu um décimo de seu território.

A nação de 5,5 milhões de pessoas tem uma força de tropas em tempo de guerra de cerca de 280.000 com 870.000 treinados como reservistas. Não aboliu o recrutamento militar para homens, como fizeram muitas outras nações ocidentais após o fim da Guerra Fria.

Também construiu uma das artilharias mais fortes da Europa e estocou mísseis de cruzeiro com alcance de até 370 km. Ele gasta 2% de seu PIB em defesa, um nível mais alto do que muitos países da Otan.

Está encomendando quatro novos navios de guerra, bem como 64 caças F-35 da gigante de defesa americana Lockheed Martin.

Ela planeja encomendar até 2.000 drones, seu próprio equipamento antiaéreo de alta altitude e está construindo barreiras em sua fronteira com a Rússia.

defesa Nacional

Cerca de 82% dos entrevistados em uma pesquisa realizada em 18 de maio pelo Ministério da Defesa disseram que estariam dispostos a participar da defesa nacional se a Finlândia fosse atacada.

Ainda assim, Kivinen saudou a decisão da Finlândia de se candidatar à adesão à Otan. A Finlândia e a Suécia, país nórdico, estão em conversações com a Turquia para discutir a oposição deste último às suas candidaturas.

Ancara está irritada com o que diz ser o apoio de Helsinque e Estocolmo a militantes curdos e embargos de armas à Turquia.

A adesão à Otan permitiria à Finlândia aumentar sua capacidade de alerta precoce ao fazer parte do controle conjunto do espaço aéreo da aliança, disse Kivinen.

A Finlândia também se beneficiaria da dissuasão de fazer parte de uma aliança na qual um ataque a um membro é um ataque a todos os seus membros, disse ele.

No entanto, disse ele, “a principal responsabilidade pela defesa da Finlândia ainda será da Finlândia”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.