Dezenas de presos em Bruxelas protestam pela morte de negro sob custódia policial

Quatro pessoas, incluindo dois menores, permanecem sob custódia depois que dezenas de pessoas foram presas durante uma manifestação em Bruxelas sobre a morte de um jovem negro que havia sido detido pela polícia.

Um porta-voz da promotoria disse que três eram suspeitos de incêndio criminoso. O quarto foi acusado de rebelião após a manifestação de quarta-feira, quando a polícia fez mais de 100 prisões.

Oficiais disseram que a maior parte da violência ocorreu após uma manifestação pacífica na quarta-feira de cerca de 500 manifestantes – alguns segurando cartazes de Black Lives Matter – terminaram no centro de Bruxelas.

“Um grupo de manifestantes (50-100 pessoas) permaneceu no local e causou vários incidentes e degradações”, disse a polícia, acrescentando que vários policiais ficaram feridos nos confrontos.

Pessoas gritam slogans na capital belga (Francisco Seco / AP)

Segundo comunicado da polícia, os manifestantes lançaram projéteis, incendiaram, danificaram móveis urbanos e veículos da polícia. Eles também quebraram uma janela e uma porta de uma delegacia de polícia.

Ao todo, 116 pessoas foram presas, incluindo 30 menores, e um manifestante foi atendido por serviços de ambulância, disse a polícia.

“A justiça deve levar aos tribunais aqueles que vandalizaram e feriram cinco policiais, incluindo uma policial que está hospitalizada”, disse o capitão da polícia federal, Marc de Mesmaeker, à emissora RTBF na quinta-feira.

“Isso deve ser feito com cuidado, assim como o outro aspecto do evento, a trágica morte de Ibrahima, deve ser tratado com cuidado.”

Os promotores solicitaram que um juiz investigativo seja nomeado após a morte de um homem negro de 23 anos identificado pelas autoridades apenas como IB.

Manifestantes são bloqueados pela polícia (Francisco Seco / AP)

A promotoria disse que ele foi preso em 9 de janeiro após supostamente ter tentado fugir da polícia que estava verificando as pessoas reunidas no centro da cidade, apesar das restrições da Covid-19 às reuniões sociais.

Ele foi levado para uma delegacia de polícia onde desmaiou e, em seguida, transferido para um hospital, onde foi declarado morto, disse o escritório.

O gabinete do promotor disse que o Comite P da Bélgica, um órgão independente que supervisiona os serviços policiais, está investigando e um legista foi nomeado para realizar uma autópsia e também testes de toxicologia.

A mídia belga informou que o homem começou a gravar a polícia com seu telefone no sábado, quando os policiais decidiram verificar sua identidade.

A promotoria informou que apreendeu imagens de videovigilância da delegacia e do local de sua prisão.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *