China denuncia tribunal popular na Grã-Bretanha sobre supostos abusos de Xinjiang


A China denunciou na terça-feira os planos de um tribunal popular na Grã-Bretanha por acusações de genocídio contra uigures e outros muçulmanos turcos na região chinesa de Xinjiang.

O porta-voz do governo da região noroeste, Xu Guixiang, disse que a China “condenou e desprezou” as audiências, que devem atrair dezenas de testemunhas quando começarem no início de junho.

O tribunal, que não tem apoio do governo, será presidido pelo proeminente advogado Geoffrey Nice, que liderou o processo contra o ex-presidente sérvio Slobodan Milosevic e trabalhou com o Tribunal Penal Internacional.

“Esta é uma violação total da lei e da ordem internacional, uma grave profanação das vítimas de genocídio real e uma séria provocação aos 25 milhões de pessoas de todos os grupos étnicos em Xinjiang”, disse Xu a repórteres no mais tardar em uma série de briefings em Pequim pretendia conter as crescentes críticas às políticas da China em Xinjiang.

A região se tornou uma grande dor de cabeça da política externa para a China, que é acusada de prender mais de um milhão de uigures, cazaques e membros de outros grupos minoritários em campos de reeducação, onde são forçados a denunciar sua cultura tradicional e jurar fidelidade aos chineses. governante do Partido Comunista e seu líder, Xi Jinping.

Mulheres da região também testemunharam que foram forçadas a se submeter a medidas anticoncepcionais, crianças foram tiradas de seus pais encarcerados e reclamações de trabalho forçado levaram empresas multinacionais a cortar relações com a indústria de algodão de Xinjiang.

A China diz que tem fornecido apenas treinamento profissional e aconselhamento para desradicalizar aqueles influenciados pela propaganda jihadista após anos de violentas explosões contra o domínio chinês na região.

Embora a decisão do tribunal não seja vinculativa para nenhum governo, os organizadores esperam que o processo de apresentação de provas publicamente compele uma ação internacional para enfrentar os supostos abusos em Xinjiang.

O ex-secretário de Estado dos EUA Mike Pompeo declarou antes de deixar o cargo que as políticas da China contra os muçulmanos de Xinjiang e as minorias étnicas constituíam crimes contra a humanidade e genocídio. Seu sucessor, Antony Blinken, reiterou a declaração em seu primeiro dia de mandato.

A Associated Press relatou no ano passado que o governo chinês estava sistematicamente forçando a esterilização e o aborto de uigures e outras mulheres muçulmanas, e enviou muitas para campos simplesmente por terem muitos filhos.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.