Brasil recorre a bloqueios e toques de recolher para conter o aumento da Covid-19


O governador da capital do Brasil, Brasília, decretou um bloqueio de 24 horas para todos os serviços, exceto os essenciais, na sexta-feira para conter o agravamento de um surto de Covid-19 que encheu suas enfermarias de terapia intensiva até a borda.

Uma dúzia de estados está ficando sem leitos para pacientes trancados em suas principais cidades, e alguns declararam toque de recolher noturno para tentar impedir a disseminação de novos coronavírus, à medida que os casos atingiram seu pior nível desde o pico da pandemia em julho.

As medidas drásticas ocorreram quando o presidente de direita Jair Bolsonaro, que repetidamente minimizou a gravidade da pandemia que matou 250 mil brasileiros, renovou os ataques a governadores por destruir empregos com fechamentos.

“As pessoas não podem mais ficar em casa. O que mais querem é trabalhar”, disse ele em visita ao Nordeste do Brasil na sexta-feira, um dia depois que o Brasil registrou o segundo pior número diário de mortos, 1.541. Ele ameaçou cortar a assistência federal de emergência à pandemia aos estados que recorressem a bloqueios.

Leia também: Petrobras compartilha queda enquanto Bolsonaro do Brasil dobra com intervenção

“De agora em diante, os governadores que fecharem seus estados terão que providenciar sua própria ajuda emergencial”, disse Bolsonaro.

Em Brasília, onde mora e trabalha o presidente, o governador Ibaneis Rocha decretou o bloqueio a partir da madrugada deste domingo.

Lojas, farmácias, postos de gasolina, igrejas e casas funerárias continuarão abertos, disse o assessor, mas tudo o mais fechará, principalmente bares e restaurantes, que foram responsabilizados pelo aumento da disseminação no final do ano passado e no carnaval.

As enfermarias de terapia intensiva em Brasília, a terceira maior cidade do Brasil, estão mais de 80% ocupadas, disse o departamento de saúde.

A situação nas capitais de 17 dos 26 estados brasileiros atingiu nesta semana o nível mais crítico desde o pico do ano passado, segundo relatório do centro biomédico Fiocruz.

O Brasil relatou 65.169 novos casos de Covid-19 nas últimas 24 horas e 1.337 mortes, disse o Ministério da Saúde na sexta-feira.

O país sul-americano já registrou 10.455.630 casos desde o início da pandemia, enquanto o número oficial de mortos subiu para 252.835, de acordo com dados do ministério, no terceiro pior surto do mundo fora dos Estados Unidos e Índia e o segundo mais letal do mundo.

Bolsonaro, que chamou o Covid-19 de “pequena gripe” e disse que não tomará nenhuma vacina, enfrenta críticas crescentes por não conseguir garantir o fornecimento de vacinas em tempo hábil. Até agora, apenas 3% da população foi vacinada.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *