‘Antes da hora do almoço, ou…’: aliado de Putin prevê vitória de Mariupol na quinta-feira | Noticias do mundo


As forças russas disseram que vão tomar na quinta-feira a usina siderúrgica Mariupol, que é o último reduto principal da resistência na cidade sitiada, depois que a Ucrânia propôs negociações sobre a retirada de tropas e civis de lá.

Mariupol seria a maior cidade a ser tomada pela Rússia desde que invadiu a Ucrânia há oito semanas em um ataque que levou mais tempo do que alguns analistas militares esperavam, visto mais de cinco milhões de pessoas fugindo para o exterior e transformando cidades em escombros.

“Antes da hora do almoço, ou depois do almoço, Azovstal estará completamente sob o controle das forças da Federação Russa”, disse Ramzan Kadyrov, chefe da república russa da Chechênia, cujas forças estão lutando na Ucrânia, sobre a siderúrgica.

O Ministério da Defesa da Ucrânia não estava imediatamente disponível para comentar.

Algumas dezenas de civis conseguiram deixar o porto estrategicamente importante do sudeste na quarta-feira em um pequeno comboio de ônibus, segundo testemunhas da Reuters, escapando da batalha mais feroz da guerra.

Um comandante da marinha ucraniana, Serhiy Volny, disse na quarta-feira que os combatentes da siderúrgica podem não conseguir resistir por muito mais tempo. O presidente Volodymyr Zelenskiy disse que cerca de 1.000 civis também estão abrigados lá.

A Ucrânia está pronta para uma “rodada especial de negociações” sem condições “para salvar nossos caras, (a extrema direita) Azov (batalhão), militares, civis, crianças, vivos e feridos”, twittou o negociador Mykhailo Podolyak.

Os combatentes permanecem escondidos na fábrica e ignoraram um ultimato da Rússia para se render. David Arakhamia, um segundo negociador, disse em um post online que ele e Podolyak estavam em contato constante com as forças ucranianas na cidade.

“Hoje, em conversa com os defensores da cidade, foi apresentada uma proposta para a realização de negociações diretas, in loco, sobre a evacuação de nossa guarnição militar”, disse. “De nossa parte, estamos prontos para chegar a essas negociações a qualquer momento assim que recebermos a confirmação do lado russo”.

Menos civis do que o esperado saíram na quarta-feira, de acordo com as autoridades.

A Ucrânia disse que até agora impediu um ataque de milhares de tropas russas que tentavam avançar no que Kiev chama de Batalha do Donbas, uma nova campanha para tomar duas províncias do leste que Moscou reivindica em nome dos separatistas.

As forças da Rússia realizaram ataques a dezenas de instalações militares no leste da Ucrânia e derrubaram um helicóptero ucraniano Mi-8 perto da vila de Koroviy Yar, disse o Ministério da Defesa.

Na quarta-feira, a Rússia realizou um primeiro teste de lançamento de seu míssil balístico intercontinental Sarmat, uma nova e esperada adição ao seu arsenal nuclear.

“Esta arma verdadeiramente única irá… fornecer o que pensar para aqueles que, no calor da retórica agressiva frenética, tentam ameaçar nosso país”, disse o presidente Vladimir Putin.

A Rússia chama sua incursão de “operação militar especial” para desmilitarizar e “desnazificar” a Ucrânia. Kiev e seus aliados ocidentais rejeitam isso como um falso pretexto.

O Ocidente respondeu com uma série de sanções.

Os Estados Unidos impuseram na quarta-feira restrições a dezenas de pessoas e entidades, incluindo um banco comercial e uma empresa de mineração de moeda virtual, visando a evasão das regras existentes.

NUVENS DE FUMAÇA

Mariupol, que já foi uma próspera cidade de 400.000 habitantes, agora é um terreno baldio onde cadáveres jazem nas ruas e a Rússia estava atacando a siderúrgica Azovstal com bombas destruidoras de bunkers, disse o governo de Kiev.

Grandes nuvens negras de fumaça subiram de lá na quarta-feira, enquanto os evacuados faziam fila para entrar nos ônibus.

A aposentada Tamara, de 64 anos, disse que ficaria com a irmã em Zaporizhzhia. Ela estava saindo da cidade com o marido, a filha, o genro e o neto.

“É um prazer… partir depois deste pesadelo. Vivemos em porões por 30 dias”, disse ela em lágrimas.

A vice-primeira-ministra da Ucrânia, Iryna Vereshchuk, acusou as forças russas de não cumprirem um acordo de cessar-fogo local por tempo suficiente para permitir a saída de um grande número de pessoas.

A Rússia não respondeu imediatamente à alegação.

Ele nega ter como alvo civis e culpou a Ucrânia pelo fracasso de tentativas anteriores de organizar corredores humanitários a partir de Mariupol.

O vice-comandante do Regimento Azov em Mariupol, Svyatoslav Kalamar, disse que vários bunkers sob a usina ainda abrigam cerca de 80 a 100 civis cada.

Apenas cinco pessoas em Mariupol se renderam após o ultimato de Moscou de se render ou morrer às 14h (horário de Brasília), disseram separatistas apoiados pela Rússia.

A Ucrânia propôs a troca de prisioneiros de guerra russos em troca de passagem segura para civis e soldados presos.

Se a Rússia capturasse Mariupol, ligaria o território ocupado por separatistas pró-Rússia no leste com a região da Crimeia que Moscou anexou em 2014.

Moscou foi forçada a se retirar do norte da Ucrânia depois que um ataque a Kiev foi repelido no mês passado, mas enviou tropas de volta para um ataque ao leste que começou nesta semana.

Putin diz que a Ucrânia maltratou os falantes de russo no Donbas, uma acusação que Kiev descarta como falsa.

A Rússia estava se concentrando em avançar em direção à estrategicamente importante cidade de Donbass, Sloviansk, mas “até agora eles não estão conseguindo”, disse o assessor presidencial ucraniano Oleksiy Arestovych.

Enquanto isso, as negociações de paz estão paralisadas.

O Kremlin acusou Kiev na quarta-feira de atrasar as negociações e mudar suas posições. Kiev acusa Moscou de bloquear as negociações ao recusar cessar-fogo humanitário.

(Reportagem de jornalistas da Reuters; Redação de Costas Pitas; Edição de Grant McCool)



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.