América Latina devastada por mortes e infecções recordes por coronavírus

Um crescente coronavírus está devastando partes da América Latina, estabelecendo recordes de casos e mortes na sexta-feira, mesmo quando a marcha da pandemia diminui em grande parte da Europa, Ásia e Estados Unidos.

As duas maiores nações da América Latina – México e Brasil – registraram números recordes de infecções e mortes quase todos os dias nesta semana, alimentando críticas a seus presidentes, que sofreram paralisações lentas na tentativa de limitar os danos econômicos.

O Brasil registrou mais de 330.000 casos confirmados até sexta-feira, atrás apenas dos EUA em termos de número de infecções, de acordo com uma contagem mantida pela Universidade Johns Hopkins.

O Brasil também registrou mais de 21.000 mortes, embora especialistas acreditem que os números verdadeiros sejam maiores.

Especialistas disseram que as mortes crescentes na América Latina mostraram os limites da ação do governo em uma região onde milhões têm empregos informais e muitas forças policiais são fracas ou corruptas e incapazes de impor restrições.

Homens que esculpem protetores faciais passam de bicicleta em Bogotá, Colômbia (Fernando Vergara / AP) “>
Homens que esculpem protetores faciais passam em suas bicicletas em Bogotá, Colômbia (Fernando Vergara / AP)

As infecções também aumentaram e as unidades de terapia intensiva foram inundadas no Peru, Chile e Equador, países elogiados por impor encerramentos e quarentenas de negócios precoces e agressivos.

No entanto, alguns líderes latino-americanos subestimaram a gravidade do vírus.

O presidente brasileiro Jair Bolsonaro recuou contra os governadores estaduais que tentaram impor limites aos movimentos e comércio das pessoas.

Os parlamentares da oposição e outros detratores pediram o impeachment de Bolsonaro e alegaram uma manipulação criminosa da resposta ao vírus.

O presidente mexicano Andrés Manuel López Obrador continuou a viajar pelo país após seu primeiro caso confirmado.

Ele deixou seus consultores de saúde liderarem a crise, mas continuou insistindo nos fortes laços familiares e na ética do trabalho.

O México registrou o maior número de mortos em um dia até agora na sexta-feira, com 479 novas mortes – acima da alta anterior de quarta-feira, de 424.

Também relatou 2.960 novos casos, limitando uma semana em que as infecções diárias confirmadas atingiram perto desse número.

No entanto, o Departamento de Saúde reconhece que o número real é provavelmente várias vezes maior devido à taxa de testes abissalmente baixa do México.

Casos e mortes globais por coronavírus (PA Graphics) “>
Casos e mortes globais por coronavírus (PA Graphics)

O governo mexicano mudou-se para reiniciar a economia, permitindo que a mineração, a construção e as partes da cadeia de suprimentos automotiva da América do Norte voltem a operar esta semana.

Analistas prevêem uma contração massiva em uma economia que já havia entrado em recessão antes da pandemia.

O Ministério da Saúde da Colômbia registrou seus maiores aumentos diários na sexta-feira, com 801 novas infecções confirmadas e 30 mortes.

No Chile, mais de 90% dos leitos de terapia intensiva estavam cheios na semana passada na capital, Santiago.

O governo do Equador instituiu um toque de recolher e outras medidas em março, mas os casos inundaram os serviços médicos e funerários na cidade de Guayaquil e agora na capital, Quito.

As agências de notícias mostraram imagens de pacientes caídos em cadeiras de rodas recebendo oxigênio no Peru, onde existem apenas 2,5 leitos de terapia intensiva por 100.000 pessoas, um quarto do padrão global.

O país tinha quase 109.000 casos confirmados e mais de 3.100 mortos na noite de quinta-feira.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *