12 Perguntas frequentes sobre segurança, limites, monogamia e muito mais

A ligação fluida refere-se à decisão de parar de usar a proteção de barreira durante o sexo e trocar fluidos corporais com seu parceiro.

Durante o sexo seguro, alguns métodos de barreira, como preservativo ou barragem dental, reduza a chance de você e seu parceiro compartilharem fluidos. Isso inclui sêmen, saliva, sangue e ejaculação.

Se você evitar o compartilhamento de líquidos, reduz o risco de infecções sexualmente transmissíveis (IST) ou gravidez.

Por causa do risco envolvido, a ligação de fluidos é mais intencional do que uma escolha imediata para pular um preservativo ou renunciar a uma represa dental.

Aqui está o que você precisa saber para garantir que a ligação fluida seja a escolha certa para você e seu parceiro.

Toda atividade sexual traz riscos. Isso é verdade, independentemente de você estar em um relacionamento, usando proteção por barreira ou controle de natalidade.

Com a ligação de fluidos, você ainda pode contratar uma IST. E se você tiver relações sexuais pênis-vaginal, a gravidez ainda é possível.

Se você decidir estabelecer uma ligação fluida com um parceiro, poderá executar algumas ações para reduzir alguns desses riscos:

Seja honesto. Não esconda detalhes de sua história sexual, tanto no passado quanto no presente. Dessa forma, você pode fazer a melhor escolha para o seu relacionamento.

Faça o teste. Se você não conhece seu status atual, faça o teste. Rastreios básicos pode não testar todas as DSTs; portanto, converse com um médico sobre sua história sexual. Isso garante que seu provedor selecione as opções de triagem apropriadas. Por exemplo, cotonetes na garganta podem ser necessários se você tiver realizado sexo oral.

Use proteção seletiva de barreira. Algumas DSTs não são compartilhadas facilmente por meio de contato fluido. O HIV, por exemplo, não é transmitido via beijo, mas o vírus do papiloma humano (HPV) e a vírus herpes simplex (HSV) pode ser transmitido através do contato pele a pele.

Se você ou seu parceiro já testaram positivo para uma DST, saiba como ela é transmitida e use métodos de barreira nas atividades em que a contração é mais provável.

Escolha uma nova forma de contracepção. Se você parar de usar barreira contracepção, você precisa encontrar outra opção. O controle da natalidade hormonal, como a pílula ou o DIU, pode ser benéfico.

Algumas pessoas acreditam que o sexo sem um método de barreira é mais agradável, mas reservam sexo sem proteção para relacionamentos comprometidos ou monogâmicos.

Para eles, a escolha do vínculo fluido pode ser um sinal de que estão confiantes na direção do relacionamento e querem que as coisas sejam mais íntimo.

Para outros, a ligação fluida pode não ter um significado emocional especial. Em vez disso, pode ser uma maneira de parar de usar métodos de barreira em um relacionamento, mas de maneira ponderada e intencional.

Para alguns casais, a escolha de se tornar um vínculo fluido é um ato emocional de confiança.

Pode indicar um ao outro que você está falando sério e caminhando juntos em uma direção comum.

Para alguns indivíduos, isso pode levar a um maior senso de intimidade e a um sentimento de uma conexão física mais profunda.

Por outro lado, a escolha de ter uma ligação fluida pode simplesmente nascer do entendimento de que cada pessoa foi testada para DSTs e está ciente de seu status.

Dessa forma, você pode se envolver em sexo desprotegido sem se preocupar.

A ligação fluida geralmente se refere a qualquer secreção ou fluido produzido durante o sexo, seja oral, anal ou vaginal.

Esses fluidos podem incluir ejaculação, fluido vaginal, sêmen e secreções anais.

Mas outros fluidos também podem ser trocados durante o sexo, incluindo saliva e sangue.

A urina geralmente não é considerada parte da ligação de fluidos. Os chuveiros de ouro são uma torção sexual popular, mas a decisão de realizar esse ato não é considerada parte da escolha da ligação de fluidos.

Quase qualquer tipo de contato sexual pode levar à transmissão de DST.

Isso significa que a ligação de fluidos deve ser considerada para cada tipo, seja oral, anal, PIV (pênis na vagina) ou até mesmo toque físico.

Você também pode transmitir DSTs compartilhando um brinquedo sexual que tem uma superfície porosa e não é fácil de limpar.

A maioria dos brinquedos sexuais é fabricada com superfícies não porosas duráveis ​​para proteger você e seu parceiro, mas alguns podem transportar vírus ou bactérias por horas ou até dias.

A ligação de fluidos também pode ser uma opção para parar de usar métodos de barreira nesses brinquedos.

Não, nem todo sexo desprotegido é uma ligação fluida.

A decisão de se tornar uma ligação fluida é intencional e requer o consentimento de todas as pessoas envolvidas.

A menos que essa conversa tenha ocorrido, um encontro único sem camisinha geralmente não é considerado vínculo fluido.

Sim, tecnicamente você cria laços fluidos – o sexo desprotegido o expõe aos fluidos de seu parceiro – mas provavelmente não fazia parte de um diálogo aberto e honesto sobre sua saúde e escolhas sexuais.

Os primeiros meses de um relacionamento geralmente são casuais e divertidos, quando vocês dois se conhecem.

Sexo neste momento provável envolve métodos de barreira. Isso protege contra as duas maiores preocupações – DSTs e gravidez.

Mais tarde, vocês dois podem parar de usar um método de barreira. Neste ponto, você pode discutir se deseja uma ligação fluida.

Como parte dessa discussão, você deve falar sobre seu status de DST e decidir se fará o teste sozinho ou em conjunto.

Com os resultados dos testes em mãos, você pode decidir se está pronto para cumprir regras monogâmicas para se protegerem contra possíveis DSTs.

A escolha de duas pessoas que estão dormindo com outras pessoas para se tornar um par de ligações fluidas é uma escolha que ondula através de um grupo poliamoroso.

Em outras palavras, essa escolha não afeta vocês dois isoladamente.

Mesmo se você estiver pensando em se relacionar com alguém com quem mantém um relacionamento por um longo período de tempo, a troca de fluidos aumenta o risco para outras pessoas no grupo.

Você precisará do consentimento de todos em seu círculo antes de poder realizar uma ligação fluida com um parceiro.

A ligação fluida é construída em um sistema de confiança: confie em que você foi testado e manterá testes regulares de DST, e confie em que você não sairá do vínculo de um relacionamento e colocará seus parceiros em risco.

Se você não foi testado, não aceite a idéia de ligação de fluidos até você e seu parceiro realizarem uma triagem extensiva de DST.

Por mais que você fique tentado a confiar em seu parceiro, não aceite a palavra deles. Peça para fazer o teste juntos ou peça para ver os resultados do último teste.

Você ainda deve ser testado regularmente depois de se tornar ligado a fluidos.

A cada seis meses é ideal, mas uma vez por ano pode ser suficiente. O seu médico pode ajudá-lo a determinar a frequência certa para você.

Lembre-se de que nem todas as DSTs aparecerão imediatamente após a exposição. Algumas DSTs nem sequer produzem sintomas.

Por esse motivo, você deve esperar pelo menos duas a três semanas para a maioria dos testes de DST. Outros, como a sífilis, podem não mostrar um resultado positivo por pelo menos seis semanas após a exposição potencial.

É por isso que testes regulares e de rotina são necessários.

Se você receber um resultado positivo, converse com seu médico sobre os próximos passos.

Então, converse com seu parceiro imediatamente. Esse novo resultado pode alterar a ligação do fluido.

As DSTs não são o único risco associado à ligação de fluidos. Se você está tendo relações pênis-vaginal, a gravidez também é possível.

Um método de barreira, como um preservativo interno ou externo, pode impedir a gravidez até 82% do tempo.

Não usar um método de barreira ou outra forma de controle de natalidade aumenta drasticamente esse risco.

Se a gravidez é algo que você gostaria de evitar, é necessário considerar outra forma de contracepção.

Você também deve aproveitar esta oportunidade para falar sobre o que faria no caso de uma gravidez não planejada.

Por exemplo, se você ou seu parceiro engravidassem, manteria a gravidez ou encerre-o?

É melhor estar na mesma página antes de entrar nesta fase do seu relacionamento.

Antes de você e seu parceiro fazerem a escolha de se tornarem fluidos, faça as seguintes perguntas:

  • Quem precisa consentir com essa escolha? Em um relacionamento monogâmico, a resposta é clara. Em um caso poliamoroso, talvez você precise pensar nos outros e em seus sentimentos sobre a ligação fluida.
  • Com que frequência você testará? O teste regular de IST é importante, mesmo em um relacionamento monogâmico. Estabeleça as regras básicas antes da colagem.
  • Em que ponto a ligação do fluido termina? Uma vez colado, nem sempre colado. A infidelidade ou a introdução de um novo parceiro faria você querer terminar o vínculo? Você pode determinar quando vocês dois gostariam de usar os métodos de barreira novamente.
  • E quanto à contracepção? Se a gravidez é uma preocupação, descubra como você a evitará sem um método de barreira. Discuta também o que acontece no caso de uma gravidez não planejada.

A ligação fluida é frequentemente usada como uma forma de intimidade, quando na verdade deveria ser um elemento para aprofundar a intimidade e a confiança.

Não permita que a escolha de se tornar uma ligação fluida seja a palavra final sobre o assunto.

Mantenha linhas de comunicação abertas e esteja disposto a reavaliar seus limites como seu relacionamento muda com o tempo.

Se você ou seu parceiro decidirem que a ligação de fluidos não é mais apropriada, é importante que escolha seja respeitada. Afinal, a intimidade exige respeito, confiança e honestidade.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *