Transportadoras chinesas são as que mais sofrem com o surto de Covid-19 que atinge o mercado de aviação

O surto do novo vírus Covid-19 ameaça apagar 29 bilhões de dólares (22,5 bilhões de dólares) da receita deste ano para as companhias aéreas globais, principalmente para as transportadoras chinesas, enquanto as viagens caem em todo o mundo, de acordo com a Associação Internacional de Transporte Aéreo.

O grupo de companhias aéreas globais disse na quinta-feira que o vírus causador do Covid-19 tem o potencial de causar um declínio de 13% na demanda por transportadoras asiáticas este ano.

A contração ocorre no momento em que as vendas das companhias aéreas asiáticas estavam crescendo, disse o grupo.

O tráfego aéreo global será reduzido em 4,7% no ano, marcando o primeiro declínio geral dessa demanda desde a crise financeira de 2008 e 2009, afirmou Iata em comunicado. Ainda não está claro como os lucros serão afetados, afirmou.

Uma criança chora enquanto espera na fila para embarcar em um avião para Pequim no aeroporto de Hong Kong (Ng Han Guan / AP)

As estimativas prevêem um cenário em que o Covid-19 tenha um impacto em forma de V, semelhante ao que ocorreu durante o surto do vírus Sars em 2003, com um mergulho acentuado seguido de uma rápida recuperação, de acordo com Iata.

O vírus, que começou na China no final do ano passado, adoeceu mais de 75.000 pessoas na China, onde cerca de 2.000 pessoas morreram.

Mais de 1.000 casos foram encontrados fora da China continental.

(Gráficos PA)

Companhias aéreas internacionais, incluindo British Airways, Lufthansa da Alemanha, Qantas da Austrália e as três maiores companhias aéreas dos EUA suspenderam voos para a China, em alguns casos até o final de abril ou maio.

A Cathay Pacific pediu aos funcionários que tirassem três semanas de férias não remuneradas para ajudar a enfrentar a crise.

As restrições de viagem na China e o medo da doença devastaram a demanda por voos domésticos no mercado chinês em rápido crescimento.

Muitas nações estão avisando as pessoas para não viajarem para a China, ou impedindo viajantes da China, especialmente da região de Wuhan, no centro do surto.

Aeromoça mede a temperatura de um passageiro em um voo da Air China (Andy Wong / AP)

Pessoas em todo o mundo também estão voluntariamente diminuindo as viagens, enquanto alguns governos e especialistas em saúde estão incentivando as pessoas a ficarem em ambientes fechados não apenas na China, mas também na Coréia do Sul e no Japão para evitar serem infectados.

“Estes são tempos desafiadores para a indústria global de transporte aéreo.

“Parar a disseminação do vírus é a principal prioridade”, disse Alexandre de Juniac, diretor geral e executivo-chefe da Iata.

“Este será um ano muito difícil para as companhias aéreas”.

Analistas da Cowen, um banco de investimento dos EUA e uma empresa de serviços financeiros, observaram que Iata pode estar subestimando o impacto nas viagens para a Ásia fora da China, observando os recentes relatórios de dezenas de casos na Coréia do Sul.

“Embora ainda seja relativamente pequeno e muito cedo para saber se ele se espalhará mais, vemos isso como um ponto negativo relevante sobre a contenção global do vírus”, disse o relatório Cowen.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *