Tentativa de cessar-fogo na Ucrânia falha em meio a bombardeios russos


O presidente russo, Vladimir Putin, alertou no sábado que o Estado ucraniano está em perigo e comparou as sanções do Ocidente à Rússia a “declarar guerra”, enquanto um cessar-fogo prometido na cidade portuária de Mariupol entrou em colapso em meio a cenas de terror na cidade sitiada.

Com a retórica do Kremlin cada vez mais feroz e um alívio da luta se dissolvendo, as tropas russas continuaram a bombardear cidades cercadas e o número de ucranianos forçados a deixar seu país cresceu para 1,4 milhão.

Mães desoladas choraram crianças mortas, soldados feridos foram equipados com torniquetes e médicos trabalharam à luz de seus telefones celulares enquanto a desolação e o desespero permeavam.

Putin continuou a culpar a liderança ucraniana por tudo isso e atacou sua resistência à invasão.

“Se eles continuarem a fazer o que estão fazendo, estarão questionando o futuro do Estado ucraniano”, disse ele. “E se isso acontecer, será inteiramente da consciência deles.”

Ele também criticou as sanções ocidentais que paralisaram a economia da Rússia e derrubaram o valor de sua moeda.

“Essas sanções que estão sendo impostas são como declarar guerra”, disse ele durante uma reunião televisionada com comissários de bordo da companhia aérea russa Aeroflot.

“Mas, graças a Deus, ainda não chegamos lá.”


Pessoas atravessam em um caminho improvisado sob uma ponte que foi destruída por um ataque aéreo russo, enquanto fugiam da cidade de Irpin (Vadim Ghirda/AP)

Dez dias após a invasão das forças russas, a luta para impor o cessar-fogo temporário em Mariupol e na cidade oriental de Volnovakha mostrou a fragilidade dos esforços para parar os combates na Ucrânia.

Autoridades ucranianas disseram que o fogo da artilharia russa e os ataques aéreos impediram que os moradores saíssem antes que as evacuações acordadas começassem. Putin acusou a Ucrânia de sabotar o esforço.

A terceira rodada de negociações desde a invasão russa acontecerá na segunda-feira, disse Davyd Arakhamia, membro da delegação ucraniana, no sábado.

Ele não deu mais detalhes, incluindo onde eles serão realizados. A última rodada foi realizada na Bielorrússia.

Mais cedo, o Ministério da Defesa russo disse que havia concordado com a Ucrânia sobre rotas de evacuação para fora das duas cidades.

Antes do anúncio, o ataque de dias de duração da Rússia havia causado crescente miséria em Mariupol, onde jornalistas da AP testemunharam médicos fazendo tentativas frustradas de salvar a vida de crianças feridas, farmácias ficaram vazias e centenas de milhares de pessoas enfrentaram escassez de comida e água em clima congelante.

Em comentários transmitidos pela televisão ucraniana, o prefeito de Mariupol, Vadym Boychenko, disse que milhares de moradores se reuniram para deixar a cidade em segurança quando o bombardeio começou no sábado.

“Valorizamos a vida de cada habitante de Mariupol e não podemos arriscar, por isso interrompemos a evacuação”, disse ele.

Nos últimos dias, a Ucrânia instou Moscou a criar corredores humanitários para permitir que crianças, mulheres e idosos fugissem dos combates, chamando-os de “pergunta número um”.

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy destacou a possibilidade de que as negociações com a Rússia possam resultar em um cessar-fogo sustentado, ainda que limitado, no sábado.


Paramédicos ucranianos cobrem com a bandeira nacional o túmulo de sua colega Valentyna Pushych, morta por tropas russas, em um cemitério em Kiev (Efrem Lukatsky/AP)

Em outras partes do país, as forças ucranianas estavam mantendo as principais cidades no centro e sudeste da Ucrânia, enquanto os russos tentavam manter Kharkiv, Mykolaiv, Chernihiv e Sumy cercados, disse ele.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, disse no sábado que a Rússia está pronta para uma terceira rodada de negociações sobre essa e outras questões, mas afirmou que “o lado ucraniano, o lado mais interessado aqui, ao que parece, está constantemente inventando vários pretextos para adiar o início de outra reunião”.

Os esforços diplomáticos continuaram quando o secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, chegou à Polônia para se encontrar com o primeiro-ministro e o ministro das Relações Exteriores, um dia depois de participar de uma reunião da Otan em Bruxelas, na qual a aliança prometeu intensificar o apoio aos membros do flanco oriental.

Em Moscou, o primeiro-ministro israelense Naftali Bennett estava se encontrando com Putin no Kremlin.

Israel mantém boas relações com a Rússia e a Ucrânia, e Bennett se ofereceu para atuar como intermediário no conflito. Ainda não há detalhes da reunião de sábado.


Um homem é visto através de um buraco de bala de um ônibus metralhado após uma emboscada na cidade de Kiev (Emilio Morenatti/AP)

Após as sanções ocidentais, a Aeroflot, a principal companhia aérea estatal da Rússia, anunciou que planeja interromper todos os voos internacionais. excepto para a Bielorrússia, a partir de terça-feira.

Pelo menos 351 civis foram mortos desde a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, mas o número real é provavelmente muito maior, disse o escritório de direitos humanos da ONU.

Zelensky disse no sábado que 10.000 soldados russos morreram na guerra, uma afirmação que não pode ser verificada de forma independente.

“Estamos infligindo perdas aos ocupantes que eles não puderam ver em seu pior pesadelo”, disse o líder ucraniano.

Os militares russos, que não oferecem atualizações regulares sobre baixas, disseram na quarta-feira que 498 de seus soldados foram mortos.


Casa pega fogo após bombardeio na cidade de Irpin (Oleksandr Ratushniak/AP)

O poderio militar da Ucrânia é amplamente superado pelo da Rússia, mas suas forças militares e voluntárias reagiram com tenacidade feroz desde a invasão. Mesmo nas cidades que caíram nas mãos dos russos, havia sinais de resistência.

Espectadores em Chernihiv aplaudiram enquanto observavam um avião militar russo cair do céu e cair, de acordo com um vídeo divulgado no sábado pelo governo ucraniano.

Em Kherson, centenas de pessoas protestaram contra a invasão, gritando: “Vá para casa”.

Uma vasta coluna blindada russa que ameaçava a capital da Ucrânia permanecia parada nos arredores de Kiev.

O conselheiro presidencial ucraniano, Oleksiy Arestovich, disse que a situação militar estava mais tranquila no sábado e que as forças russas “não tomaram ações ativas desde a manhã”.


Um bloco de apartamentos em Irpin, a oeste de Kiev (Oleksandr Ratushniak/AP)

Embora o bombardeio em Mariupol tenha mostrado a determinação da Rússia em cortar o acesso da Ucrânia ao Mar Negro e ao Mar de Azov, prejudicando ainda mais a economia do país, foi Putin quem esteve mais na ofensiva com seus comentários alertando que uma zona de exclusão aérea seria considerado um ato hostil.

A Otan disse que não tem planos de implementar tal zona de exclusão aérea, que impediria que todas as aeronaves não autorizadas sobrevoassem a Ucrânia. Autoridades ocidentais disseram que a principal razão é o desejo de não ampliar a guerra além da Ucrânia.

Zelenskyy pediu uma zona de exclusão aérea em seu país e atacou a Otan por se recusar a impor uma, alertando que “todas as pessoas que morrerem de hoje em diante também morrerão por sua causa”.

Mas enquanto os Estados Unidos e outros membros da Otan enviam armas para Kiev, o conflito já está chegando a países muito além das fronteiras da Ucrânia.

Enquanto a Rússia reprime as reportagens da mídia independente sobre a guerra, mais grandes meios de comunicação internacionais disseram que estavam pausando seu trabalho lá. Putin disse que nada justifica a imposição da lei marcial neste momento.


Prédios bombardeados em Byshiv, 40 quilômetros a oeste de Kiev (Efrem Lukatsky/AP)

E em um alerta de uma crise de fome ainda por vir, o Programa Mundial de Alimentos da ONU disse que milhões de pessoas na Ucrânia, um importante fornecedor global de trigo, precisarão de ajuda alimentar “imediatamente”.

O Conselho de Segurança da ONU agendou uma reunião aberta para segunda-feira sobre o agravamento da situação humanitária.

As Nações Unidas estimam que 12 milhões de pessoas na Ucrânia e quatro milhões que fogem para países vizinhos nos próximos meses precisarão de ajuda humanitária.

A estação central de trem de Kiev permaneceu lotada de pessoas desesperadas para fugir. “As pessoas só querem viver”, disse uma mulher, Ksenia.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.