Síndrome de Einstein: características, diagnóstico e tratamento


É compreensível que os pais fiquem nervosos quando seus filhos não alcançam marcos importantes do desenvolvimento ao mesmo tempo que seus colegas. Há um marco em particular que deixa muitos pais nervosos: aprender a falar.

A maioria dos especialistas recomenda o uso de cronogramas de desenvolvimento como um guia geral em vez de evidências concretas de atrasos no desenvolvimento. Ainda assim, como pai ou mãe, é difícil não se preocupar se você acha que seu filho não está falando como os outros filhos da idade deles.

Se seu filho tiver dificuldade em falar, pode ser considerado um atraso na fala. Dependendo da gravidade, os atrasos na fala podem variar de não falar, a dificuldade em pronunciar palavras ou até a dificuldade em formar frases.

A maioria das pessoas supõe que um atraso no idioma ou um distúrbio da fala terão um impacto a longo prazo na capacidade de uma criança se destacar na escola e além dela. Mas uma condição menos conhecida chamada síndrome de Einstein prova que esse nem sempre é o caso.

A síndrome de Einstein é uma condição em que a criança experimenta o início tardio da linguagem ou o surgimento tardio da linguagem, mas demonstra superdotação em outras áreas do pensamento analítico. Uma criança com síndrome de Einstein acaba falando sem problemas, mas permanece à frente da curva em outras áreas.

Como você deve ter adivinhado, a síndrome de Einstein tem o nome de Albert Einstein, um gênio certificado e – de acordo com alguns biógrafos – um falador tardio que não falava frases completas antes dos 5 anos de idade. Considere o impacto que Einstein teve no mundo científico : se ele era um falador tardio, certamente não era uma pedra de tropeço para ele.

O conceito de síndrome de Einstein foi cunhado pelo economista americano Thomas Sowell e posteriormente apoiado pelo Dr. Stephen Camarata – um respeitado médico praticante e professor do Departamento de Audição e Fala da Vanderbilt University School of Medicine.

Sowell observou que, embora falar tarde possa ser um sinal de autismo ou outras condições de desenvolvimento, há uma porcentagem significativa de crianças que falam mais tarde, mas mais tarde prosperam, provando ser pensadores produtivos e altamente analíticos.

A verdade é que não há pesquisas suficientes sobre a síndrome de Einstein. É um termo descritivo sem definição ou critério médico acordado, o que dificulta a pesquisa. Realmente não sabemos o quão difundida é essa condição, seja ela genética ou ambiental, ou se aparece com outras condições, como o autismo, que causam atrasos na linguagem e na fala.

Acredita-se que um segmento de crianças diagnosticadas como faladoras tardias supera esse atraso no desenvolvimento e provam ser talentosas e excepcionalmente brilhantes. Essas crianças se qualificariam como candidatas a ter a síndrome de Einstein.

Em uma entrevista à imprensa do MIT, Camarata afirmou que o discurso tardio é freqüentemente aceito como prova conclusiva no diagnóstico do autismo. Na realidade, há uma ampla gama de razões pelas quais uma criança pode conversar mais tarde, desde o trabalho em um estágio de desenvolvimento no seu próprio ritmo até problemas físicos, como perda auditiva.

Estudos populacionais provaram que apenas uma pequena porcentagem de crianças que falam mais tarde têm transtorno do espectro do autismo (TEA). A pesquisa de Camarata sugere que 1 em cada 9 ou 10 crianças na população em geral são falantes tardios, enquanto 1 em cada 50 ou 60 crianças apresenta um sintoma de TEA.

Camarata adverte que, muitas vezes, os médicos que tentam diagnosticar uma criança que fala tarde demais podem procurar sintomas de autismo em vez de tentar descartá-lo.

Ele acha que essa prática é problemática porque muitos dos sinais de desenvolvimento normal em crianças pequenas podem ser confundidos com sintomas de autismo. Ele chama isso de diagnóstico “confirmatório”, em vez de diagnóstico diferencial.

Camarata sugere que se seu filho falante for diagnosticado com TEA, você deve perguntar ao seu médico o que mais, além do atraso na linguagem, informou esse diagnóstico.

Para uma criança de fala tardia que não tem outras condições subjacentes, um diagnóstico de TEA seria impreciso, o rótulo poderia ser prejudicial e as terapias recomendadas não seriam produtivas.

Hiperlexia é quando uma criança pode ler muito mais cedo do que seus colegas, mas sem entender muito do que está lendo. A síndrome de Einstein e a hiperlexia são condições que podem levar ao diagnóstico errôneo de crianças com TEA.

Uma criança com síndrome de Einstein acaba por falar sem problemas. Uma criança com hiperlexia pode não ser necessariamente diagnosticada com TEA, mas estudos mostram que há uma forte correlação. Cerca de 84% das crianças com hiperlexia são posteriormente diagnosticadas com TEA.

Pode ser útil pensar de maneira mais ampla ao examinar a ligação entre TEA, hiperlexia e síndrome de Einstein. Um atraso de linguagem é muito comum em crianças com TEA, mas não é o único marcador para o diagnóstico.

Então, como você pode saber se seu filho tem Síndrome de Einstein? Bem, a primeira pista é que eles não estão falando. Eles provavelmente estão atrasados ​​no cumprimento dos marcos da fala, de acordo com as diretrizes recomendadas para a idade.

Além disso, o livro de Thomas Sowell, de 1997, “Late-Talking Children”, descreve as características gerais que ele descreve em crianças com síndrome de Einstein:

  • habilidades analíticas ou musicais extraordinárias e precoces
  • memórias excelentes
  • comportamento obstinado
  • interesses muito seletivos
  • treinamento potty atrasado
  • capacidade específica de ler ou usar números ou um computador
  • parentes próximos com carreiras analíticas ou musicais
  • extrema concentração em qualquer tarefa que esteja ocupando seu tempo

Mas, novamente, a síndrome de Einstein não está bem definida e é difícil dizer quão comum é. Comportamento de força de vontade e interesses seletivos podem descrever muitas crianças – mesmo aquelas que não falam mais tarde.

Há muitas evidências que mostram que falar tarde nem sempre é um sinal revelador de deficiência mental ou intelecto diminuído. Também não há arma de fumar indicando que toda criança que pode ter síndrome de Einstein é excepcionalmente dotada, com um QI acima de 130.

De fato, dos estudos de caso destacados como histórias de sucesso de quem falava mais tarde no livro de Sowell em 1997, a maioria das crianças tinha QI médio em torno de 100 e muito poucas tiveram QI acima de 130.

A coisa mais importante a fazer se você está preocupado com o fato de seu filho ser um falador tardio é fazer uma avaliação. Como mencionado anteriormente, se você tem certeza de que seu filho é brilhante e está envolvido com o mundo ao seu redor, mas apenas fala mais tarde, precisa garantir que seu médico esteja usando uma abordagem holística para determinar um diagnóstico.

Basear-se apenas na fala pode levar a um diagnóstico incorreto. Um diagnóstico incorreto pode levar a tratamentos incorretos e, inadvertidamente, pode retardar a progressão da fala do seu filho.

Especificamente, você deseja que um médico que esteja atento a dicas não verbais veja que seu filho está ouvindo e envolvido na avaliação.

Não tenha medo de questionar o diagnóstico ou solicitar uma segunda ou terceira opinião. No entanto, se você decidir que seu filho seja avaliado por outro clínico, opte por alguém que não esteja no mesmo círculo profissional que o clínico inicial para evitar mais viés de confirmação.

Vale a pena notar que o diagnóstico incorreto pode ser nos dois sentidos. Também existe o risco de uma criança receber um diagnóstico precoce de TEA porque acredita-se que ele seja apenas um falador tardio. É por isso que uma abordagem holística do diagnóstico que examina outros fatores além da fala, como sinais auditivos e não verbais, é tão importante.

Quem você deveria ver?

Se você está preocupado com o fato de seu filho ter um atraso na fala por ter falado mais tarde, convém encontrar o médico do seu filho. Eles podem realizar uma avaliação médica completa e encaminhá-lo a um fonoaudiólogo e outros especialistas, se necessário.

A maioria dos especialistas recomenda que a intervenção precoce seja melhor. Portanto, assim que começar a suspeitar que seu filho não está atingindo os marcos de fala, marque uma consulta para uma avaliação.

Quando você se encontra com um fonoaudiólogo, entenda que pode levar várias sessões antes de formar um diagnóstico e criar um plano de terapia.

Meu filho será diagnosticado com síndrome de Einstein?

Como não existe uma definição médica aceita da síndrome de Einstein e ela não aparece no Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (DSM-5), não espere receber um diagnóstico formal.

Da mesma forma, não tenha medo de adiar um diagnóstico que considere impreciso. Se você sabe que seu filho responde à sua conversa e se envolve no mundo ao seu redor, um diagnóstico de TEA pode ser impreciso.

Outras medidas, como verificar a audição de seu filho, também são críticas para garantir que não haja comprometimentos físicos que impeçam seu filho de falar.

Independentemente de seu filho ter Síndrome de Einstein ou apenas uma forma de atraso na fala, você deve iniciar a terapia para melhorar a condição. Além das sessões de terapia com um profissional licenciado, também existem atividades que você pode praticar em casa para ajudar seu filho que fala tarde a dominar novas e mais palavras.

A terapia recomendada será personalizada para os atrasos que seu filho apresentar na avaliação. Por exemplo, seu filho pode ter um atraso expressivo no idioma, onde luta para falar, mas entende o que está sendo dito e responde. Nesse caso, você pode receber uma lista de atividades recomendadas em casa, juntamente com a terapia formal da fala.

Atrasos expressivos e receptivos na linguagem (lutando para falar e entender o que está sendo dito) podem exigir avaliação adicional e terapia mais intensiva.

A síndrome de Einstein é uma idéia convincente que pode explicar o modo como muitas crianças que falam tarde alcançam um sucesso notável e vivem uma vida feliz e normal.

Não é um diagnóstico formal adotado por patologistas da fala. Mas a teoria por trás de Einstein mostra a importância de uma avaliação completa antes de diagnosticar uma criança que fala tarde como tendo TEA.

Enquanto isso, explore novas maneiras de se comunicar com seu filho. Você pode apenas descobrir seus dons únicos.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *