Por que Giorgia Meloni e a extrema direita estão prontas para a vitória


A Itália vota no domingo em uma eleição nacional que pode anunciar seu governo mais de direita desde a Segunda Guerra Mundial, liderado por sua primeira mulher como primeira-ministra.

A votação foi convocada depois que as lutas internas derrubaram o governo de unidade nacional do primeiro-ministro Mario Draghi em julho.

Quem ganhará?

As pesquisas não são publicadas nas duas semanas anteriores à votação. Antes disso, eles haviam mostrado consistentemente que uma coalizão de direita liderada pelo partido nacionalista Irmãos da Itália e envolvendo também o partido Liga e o Forza Itália estava a caminho de uma vitória clara.

A líder dos irmãos da Itália, Giorgia Meloni, seria a escolha provável para primeiro-ministro como chefe do principal partido da coalizão.

Houve especulações durante o apagão da votação de que a Liga recuou enquanto o apoio ao Movimento 5 Estrelas de esquerda aumentou.

O que será decisivo?

A Brothers of Italy viu um aumento em seu apoio depois que permaneceu fora do governo de Draghi. A Liga, liderada por Matteo Salvini, e o Forza Italia, de Silvio Berlusconi, faziam parte do governo e seu apoio caiu.

A direita foi ajudada por divisões no centro-esquerda, onde as tentativas do principal Partido Democrata (PD) de formar uma ampla aliança eleitoral fracassaram.

Isso deixou três grupos principais no centro ou centro-esquerda lutando por votos – o PD e seus aliados; o partido centrista Azione e seu parceiro Italia Viva; e finalmente 5 estrelas.

O sistema eleitoral da Itália favorece grupos capazes de formar alianças amplas, provavelmente ampliando a vitória do bloco de direita.

Matteo Salvini, Silvio Berlusconi e Giorgia Meloni no palco no final de um comício conjunto em Roma dos partidos de direita da Itália. Foto: Andreas Solaro/AFP via Getty

Quais são os principais problemas para os eleitores?

Como em outros países europeus, a crise do custo de vida ofuscou outras preocupações, como imigração, pensões e serviços públicos.

A aliança conservadora pediu cortes de impostos em geral para ajudar os italianos a lidar com o aumento dos preços, enquanto o PD quer que as reduções de impostos sejam direcionadas para grupos de baixa renda.

O 5-Star defendeu um esquema popular de alívio da pobreza “salário dos cidadãos” que introduziu enquanto estava no governo.

Meloni expressou seu apoio à política ocidental contra a Rússia depois que ela invadiu a Ucrânia. Salvini pediu à União Europeia que proteja os italianos dos efeitos colaterais econômicos das sanções impostas à Rússia pela invasão.

Berlusconi provocou polêmica na sexta-feira quando defendeu Putin, dizendo que foi “empurrado” para a guerra contra a Ucrânia e só queria instalar um governo de “pessoas decentes” em Kyiv.

Quem são os jogadores-chave?

Giorgia Meloni (45)

Irmãos da Itália líder do partido Giorgia Meloni. Foto: Alberto Pizzoli/AFP via Getty

Ex-ministra da Juventude, ela energizou seu partido, que tem raízes pós-fascistas e deve ver sua parcela dos votos saltar para cerca de 25%, de apenas 4% na última eleição em 2018.

Matteo Salvini (49)

Líder da Lega, Matteo Salvini. Foto: Alberto Pizzoli/AFP via Getty

Um ex-ministro do Interior abrasivo, que adota uma linha dura em relação à imigração, mas cometeu uma série de erros políticos nos últimos três anos e foi eclipsado por Meloni.

Silvio Berlusconi (85)

Silvio Berlusconi, líder do Forza Itália. Foto: Andreas Solaro/AFP via Getty

Um ex-primeiro-ministro ignorou problemas de saúde e escândalos para continuar sendo um importante participante da aliança direitista, mesmo que seu Forza Italia seja o parceiro júnior agora entre seus três principais partidos.

Enrico Letta (56)

Enrico Letta, líder do Partido Democrático Italiano (PD). Foto: Vincenzo Pinto/AFP via Getty

líder do PD e outro ex-primeiro-ministro. Seu fracasso em construir uma coalizão estável de partidos de centro-esquerda o deixou diante de uma derrota política.

Giuseppe Conte (58)

Giuseppe Conte, líder do Movimento 5 Estrelas. Foto: Andreas Solaro/AFP via Getty

Líder do Movimento 5 Estrelas. Primeiro-ministro de 2018 a 21, ele provocou raiva quando seu partido retirou o apoio ao governo de Draghi em julho, provocando divisões que levaram à eleição antecipada.

Quando é a votação?

As urnas estão abertas das 7h às 23h, horário local (6h às 22h, horário irlandês).

Quase 51 milhões de italianos podem votar, dos quais 4,7 milhões vivem no exterior.

Os eleitores vão eleger um parlamento enxuto, com o número de assentos na Câmara reduzido de 630 para 400, enquanto o Senado vai para 200 assentos de 315.

O que observar?

O primeiro obstáculo para a aliança direitista será obter a maioria nas duas casas. Isso parecia ser uma quase certeza quando as últimas pesquisas foram realizadas, mas uma recuperação do apoio ao Movimento 5 Estrelas no sul poderia tornar mais difícil de alcançar na câmara alta, o Senado.

Mundo

Envelhecido ‘gigante’ Berlusconi busca papel de liderança na Itália

Uma maioria de mais de dois terços abriria caminho para o parlamento fazer mudanças na constituição sem colocá-los em um referendo.

Parlamentares eleitos em círculos eleitorais estrangeiros podem balançar a balança em uma disputa acirrada – há oito cadeiras em disputa na Câmara e quatro no Senado.

O que acontece depois?

A formação de coalizões na Itália é notoriamente lenta, mas a perspectiva de um resultado mais claro significa que é improvável que haja uma repetição de 2018, quando levou quase três meses.

O novo parlamento se reunirá em 13 de outubro. Após essa data, o presidente Sergio Mattarella pode iniciar consultas com lideranças partidárias para discutir o novo governo.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.