Novos tratamentos promissores para a esclerose múltipla

A esclerose múltipla (EM) é uma doença crônica que afeta o sistema nervoso central. Os nervos são revestidos por uma cobertura protetora chamada mielina, que também acelera a transmissão de sinais nervosos. Pessoas com esclerose múltipla experimentam inflamação de áreas da mielina e deterioração progressiva e perda de mielina.

Os nervos podem funcionar anormalmente quando a mielina está danificada. Isso pode causar uma série de sintomas imprevisíveis. Esses incluem:

  • sensações de dor, formigamento ou queimação por todo o corpo
  • perda de visão
  • dificuldades de mobilidade
  • espasmos musculares ou rigidez
  • dificuldade em equilibrar
  • fala arrastada
  • memória prejudicada e função cognitiva

Anos de pesquisas dedicadas levaram a novos tratamentos para a EM. Ainda não há cura para a doença, mas os regimes medicamentosos e a terapia comportamental permitem que as pessoas com EM desfrutem de uma melhor qualidade de vida.

Aprenda sobre as estatísticas da EM, incluindo prevalência, dados demográficos, fatores de risco e muito mais »

Finalidade dos tratamentos

Muitas opções de tratamento podem ajudar a gerenciar o curso e os sintomas desta doença crônica. O tratamento pode ajudar:

  • retardar a progressão da EM
  • minimizar os sintomas durante exacerbações ou crises de esclerose múltipla
  • melhorar a função física e mental

O tratamento na forma de grupos de apoio ou terapia de conversação também pode fornecer o apoio emocional necessário.

Tratamento

Qualquer pessoa diagnosticada com uma forma recorrente de EM provavelmente iniciará o tratamento com um medicamento modificador da doença aprovado pela FDA. Isso inclui indivíduos que experimentam um primeiro evento clínico consistente com a EM. O tratamento com um medicamento modificador da doença deve continuar indefinidamente, a menos que o paciente tenha uma resposta ruim, experimente efeitos colaterais intoleráveis ​​ou não tome o medicamento como deveria. O tratamento também deve mudar se uma opção melhor se tornar disponível.

Gilenya (fingolimod)

Em 2010, Gilenya se tornou o primeiro medicamento oral para tipos recorrentes de MS a ser aprovado pela Food and Drug Administration (FDA). Os relatórios mostram que isso pode reduzir pela metade as recaídas e retardar a progressão da doença.

Teriflunomida (Aubagio)

Um dos principais objetivos do tratamento da EM é retardar a progressão da doença. Os medicamentos que fazem isso são chamados de medicamentos modificadores da doença. Um desses medicamentos é a droga oral teriflunomida (Aubagio). Foi aprovado para uso em pessoas com EM em 2012.

Um estudo publicado no The New England Journal of Medicine descobriu que pessoas com esclerose múltipla recorrente que tomaram teriflunomida uma vez por dia apresentaram taxas de progressão da doença significativamente mais lentas e menos recidivas do que aquelas que tomaram placebo. As pessoas que receberam a dose mais alta de teriflunomida (14 mg vs. 7 mg) apresentaram diminuição da progressão da doença. A teriflunomida foi apenas o segundo medicamento oral modificador da doença aprovado para o tratamento da EM.

Fumarato de dimetilo (Tecfidera)

Um terceiro medicamento oral modificador da doença ficou disponível para pessoas com EM em março de 2013. O fumarato de dimetilo (Tecfidera) era anteriormente conhecido como BG-12. Ele impede que o sistema imunológico se ataque e destrua a mielina. Também pode ter um efeito protetor no corpo, semelhante ao efeito que os antioxidantes têm. O medicamento está disponível em forma de cápsula.

O fumarato de dimetil foi desenvolvido para pessoas que apresentam EM remitente-recorrente (EMR). O RRMS é uma forma da doença na qual uma pessoa normalmente entra em remissão por um período de tempo antes que seus sintomas piorem. Pessoas com esse tipo de EM podem se beneficiar de doses duas vezes ao dia deste medicamento.

Dalfampridina (Ampyra)

A destruição da mielina induzida pela MS afeta a maneira como os nervos enviam e recebem sinais. Isso pode afetar o movimento e a mobilidade. Os canais de potássio são como poros na superfície das fibras nervosas. O bloqueio dos canais pode melhorar a condução nervosa nos nervos afetados.

Dalfampridina (Ampyra) é um bloqueador de canais de potássio. Estudos publicados em The Lancet descobriram que a dalfampridina (anteriormente denominada fampridina) aumentou a velocidade de caminhada em pessoas com EM. O estudo original testou a velocidade da caminhada durante uma caminhada de 7 metros. Não mostrou que a dalfampridina é benéfica. No entanto, a análise pós-estudo revelou que os participantes mostraram maior velocidade de caminhada durante um teste de seis minutos ao tomar 10 mg da medicação diariamente. Os participantes que experimentaram aumento da velocidade de caminhada também demonstraram melhora na força muscular das pernas.

Alemtuzumabe (Lemtrada)

O alemtuzumabe (Lemtrada) é um anticorpo monoclonal humanizado (proteína produzida em laboratório que destrói células cancerígenas). É outro agente modificador da doença aprovado para tratar formas recorrentes de EM. Ele tem como alvo uma proteína chamada CD52 que é encontrada na superfície das células imunológicas. Embora não se saiba exatamente como o alemtuzumab funciona, acredita-se que ele se ligue ao CD52 nos linfócitos T e B (glóbulos brancos) e cause lise (quebra da célula). O medicamento foi aprovado pela primeira vez para tratar leucemia em doses muito mais altas.

Lemtrada teve dificuldade em obter a aprovação do FDA nos Estados Unidos. O FDA rejeitou o pedido de aprovação de Lemtrada no início de 2014. Eles citaram a necessidade de mais ensaios clínicos mostrando que o benefício supera o risco de efeitos colaterais graves. O Lemtrada foi posteriormente aprovado pelo FDA em novembro de 2014, mas vem com um aviso sobre condições auto-imunes graves, reações à infusão e aumento do risco de doenças malignas como melanoma e outros tipos de câncer. Foi comparado ao medicamento MS EMD Serono, Rebif, em dois ensaios de fase III. Os estudos descobriram que era melhor reduzir a taxa de recaídas e o agravamento da incapacidade ao longo de dois anos.

Devido ao seu perfil de segurança, o FDA recomenda que ele seja prescrito apenas para pacientes que tiveram uma resposta inadequada a dois ou mais outros tratamentos de EM.

Técnica de memória de história modificada

A EM também afeta a função cognitiva. Pode afetar negativamente a memória, a concentração e as funções executivas, como organização e planejamento.

Pesquisadores do Centro de Pesquisa da Fundação Kessler descobriram que uma técnica de memória de história modificada (mSMT) pode ser eficaz para pessoas que experimentam efeitos cognitivos da EM. As áreas de aprendizado e memória do cérebro mostraram mais ativação nas ressonâncias magnéticas após as sessões de mSMT. Este método de tratamento promissor ajuda as pessoas a reter novas memórias. Também ajuda as pessoas a recuperar informações mais antigas usando uma associação baseada em histórias entre imagens e contexto. A técnica de memória de história modificada pode ajudar alguém com EM a lembrar vários itens de uma lista de compras, por exemplo.

Peptídeos de mielina

A mielina se torna irreversivelmente danificada em pessoas com esclerose múltipla. Testes preliminares relatados no JAMA Neurology sugerem que uma possível nova terapia é promissora. Um pequeno grupo de indivíduos recebeu peptídeos de mielina (fragmentos de proteína) através de um adesivo usado na pele durante um período de um ano. Outro pequeno grupo recebeu um placebo. As pessoas que receberam os peptídeos de mielina experimentaram significativamente menos lesões e recidivas do que as pessoas que receberam o placebo. Os pacientes toleraram bem o tratamento e não houve eventos adversos graves.

O futuro dos tratamentos para esclerose múltipla

Os tratamentos eficazes da EM variam de pessoa para pessoa. O que funciona bem para uma pessoa não necessariamente funciona para outra. A comunidade médica continua a aprender mais sobre a doença e como melhor tratá-la. Pesquisa combinada com tentativa e erro são essenciais para encontrar uma cura.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *