Com Arati Prabhakar, a força dos indianos-americanos na Casa Branca está em ascensão | Noticias do mundo


Quando o presidente Joe Biden nomeou Arati Prabhakar como diretora do Escritório de Políticas Científicas e Tecnológicas e assistente do presidente em ciência e tecnologia – que a tornará a principal conselheira de Biden no domínio e membro do gabinete – na terça-feira, foi mais um sinal do papel, influência e domínio dos indianos-americanos na Casa Branca.

Não é apenas a presença da vice-presidente Kamala Harris, a primeira indiana-americana a ocupar o cargo, que torna a Casa Branca de Biden única. O secretário de equipe do presidente dos EUA, o principal redator de discursos, o principal coordenador do Covid-19 e o chefe de nomeações de pessoal são todos indianos-americanos. E esta é apenas uma amostra da representação da comunidade no mais alto cargo executivo da terra.

Prabhakar já atuou como diretor da Agência de Projetos de Pesquisa Avançada de Defesa (DARPA), um importante centro inovador de novas tecnologias, e liderou o Instituto Nacional de Padrões e Tecnologia.

Um comunicado de imprensa da Casa Branca, anunciando sua nomeação, disse que na DARPA, Prabhakar supervisionou equipes “que prototiparam um sistema para detectar materiais nucleares e radiológicos antes que um terrorista pudesse construir uma bomba, que desenvolveu ferramentas para encontrar redes de tráfico humano nas profundezas e na escuridão. web, e isso permitiu que sistemas militares complexos trabalhassem juntos mesmo quando não foram originalmente projetados para isso”.

Foi também sob sua liderança que a DARPA iniciou o desenvolvimento de uma plataforma de vacina de mRNA de resposta rápida. Biden chamou Prabhakar de “um engenheiro brilhante e altamente respeitado e físico aplicado”, com quem compartilhava a crença de que os Estados Unidos tinham a máquina de inovação mais poderosa que o mundo já viu.

Ela se juntará a uma lista de outros ilustres indianos-americanos para exercer um tremendo poder no governo Biden.

Leia também: Biden nomeia o indiano-americano Arati Prabhakar como principal conselheiro científico

Aqui estão quatro outros exemplos:

Como secretária da Casa Branca, Neera Tanden – que também atua como conselheira sênior do presidente – decide qual papelada chega à mesa de Biden. Tanden foi um veterano do Partido Democrata, um assessor próximo de Hillary Clinton e um alto funcionário do governo de Barack Obama, e é considerado um dos arquitetos de sua legislação de saúde. Ela foi a primeira escolha de Biden para liderar o escritório de Administração e Orçamento, mas diante da forte oposição no Senado devido a seus tweets politicamente controversos e agressivos contra os republicanos, Tanden retirou sua indicação. Biden então a nomeou como conselheira sênior e secretária de equipe – o que a coloca entre os assessores mais próximos do presidente e lhe dá acesso a informações e processos de tomada de decisão nos níveis mais altos. Os pais de Tanden imigraram da Índia e ela nasceu nos EUA.

Como coordenador do Covid-19 da Casa Branca, Ashish K Jha molda a batalha do governo Biden contra a pandemia do Covid-19. Jha, que nasceu na Índia e mais tarde estudou e lecionou nas universidades de Harvard e Brown, é um médico e acadêmico que ganhou destaque com sua comunicação pública baseada na ciência, mas acessível na mídia americana quando a pandemia ocorreu. Ao indicá-lo em março, Biden disse: “O Dr. Jha é um dos principais especialistas em saúde pública dos Estados Unidos e uma figura bem conhecida por muitos americanos por sua presença pública sábia e calmante. E à medida que entramos em um novo momento da pandemia – executando meu plano nacional de preparação para o Covid-19 e gerenciando o risco contínuo do Covid-19 – o Dr. Jha é a pessoa perfeita para o trabalho.”

Como diretor de redação de discursos da Casa Branca, Vinay Reddy tem, sem dúvida, a maior influência nas mensagens e na comunicação de Biden com seus diferentes públicos – os cidadãos americanos em geral, grupos específicos baseados em identidade, empresas e trabalhadores, colegas políticos, comunidade internacional – tecendo insumos de uma variedade de fontes. Reddy atuou como redator-chefe de discursos de Biden durante seu segundo mandato como vice-presidente entre 2012 e 2016, e depois passou a moldar as comunicações estratégicas para a National Basketball Association. Reddy então retornou à política como o principal redator de discursos de Biden durante sua campanha presidencial. Ele nasceu de pais imigrantes indianos nos EUA.

Como diretor do Gabinete de Pessoal Presidencial da Casa Branca, Gautam Raghavan é responsável por examinar todos os 4.000 cargos de nomeação política no governo – desde buscas a recomendações de triagem, de avaliações de candidatos a entrevistas, de segurança a resolução de conflitos de interesse. Raghavan atuou no governo Obama como o principal elo de ligação com a comunidade LGBTQ+ e as comunidades asiático-americana e das ilhas do Pacífico, e também como chefe de gabinete da congressista Pramila Jayapal. Ele também trabalhou com a Impact – uma organização de tendência democrata que ajuda a criar a infraestrutura para apoiar a ascensão política dos índios-americanos. Ele nasceu na Índia.

E depois há os indianos-americanos no Conselho de Segurança Nacional. Se Daleep Singh (que desde então deixou o governo) projetou o regime de sanções do governo contra a Rússia como vice-conselheiro de segurança nacional para economia internacional, Amit Mital atua como assistente especial do presidente e diretor sênior de estratégia e política de segurança cibernética. Se Sumona Guha atua como diretor sênior para o Sul da Ásia no NSC, Tarun Chhabra é o diretor sênior de tecnologia e segurança nacional.

Isto não é uma lista exaustiva. Não abrange todos os indianos-americanos na Casa Branca, nem ninguém da comunidade – e há dezenas – em outras posições de liderança em todo o governo, inclusive no Departamento de Estado dos EUA. Também não inclui os quatro representantes do Congresso Indiano-Americano na Câmara (Ami Bera, Pramila Jayapal, Ro Khanna e Raja Krishnamoorthi), ou os funcionários do Congresso que são da comunidade.

Mas apenas o fato de que o presidente dos EUA hoje confia nos índios-americanos para aconselhamento sobre sua papelada e nomeações de pessoal – dois papéis críticos na política; para aconselhamento sobre ciência e política Covid-19 – dois dos desafios mais prementes que o governo enfrenta; e sobre como se comunicar com o mundo – a tarefa mais importante para qualquer político – dá um vislumbre da ascensão dos indianos-americanos, todos democratas, no governo Biden.

Uma influente figura política indiana-americana com laços estreitos com a Casa Branca, que desejava falar sob condições de anonimato, disse: “Isso reflete o verdadeiro compromisso do governo com a causa da diversidade. Reflete a competência e as habilidades políticas dos membros da comunidade indiana-americana, que se sentem à vontade com a democracia e seu funcionamento e se sentem à vontade com ela”.

A pessoa também destacou as importantes linhas de tendência refletidas na ascensão política da comunidade. “Muitos daqueles que se levantaram são indianos-americanos de segunda geração – eles têm orgulho de sua herança indígena, mas são americanos e investem em questões e batalhas aqui. Além disso, eles são liberais comprometidos, democratas e progressistas. E isso mostra que, apesar de algumas mudanças, a filiação natural da comunidade é com o Partido Democrata.”

  • SOBRE O AUTOR

    Prashant Jha é o correspondente americano do Hindustan Times em Washington DC. Ele também é o editor do HT Premium. Jha já atuou como editor-vista e editor político nacional/chefe de escritório do jornal. Ele é o autor de How the BJP Wins: Inside India’s Greatest Election Machine e Battles of the New Republic: A Contemporary History of Nepal.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.