Autoridades dizem que Ucrânia não está mais no controle de Chernobyl


A Ucrânia perdeu o controle da central nuclear de Chernobyl, onde as forças travaram uma batalha feroz com as tropas russas, disse um assessor presidencial.

Myhailo Podolyak disse à Associated Press que as autoridades ucranianas não conheciam a condição atual das instalações de Chernobyl, local do pior desastre nuclear do mundo.

“Após o ataque absolutamente sem sentido dos russos nessa direção, é impossível dizer que a usina nuclear de Chernobyl está segura”, disse ele.


Militares ucranianos sentam-se em cima de veículos blindados (Vadim Ghirda/AP)

O presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy havia anunciado várias horas antes que as forças russas estavam tentando tomar a usina nuclear de Chernobyl.

Um reator nuclear na usina 80 milhas ao norte da capital da Ucrânia, Kiev, explodiu em abril de 1986, expelindo lixo radioativo em toda a Europa.

O reator explodido foi coberto por um abrigo protetor há vários anos para evitar vazamentos de radiação.

Uma autoridade ucraniana disse que o bombardeio russo atingiu um depósito de lixo radioativo e um aumento nos níveis de radiação foi relatado.

O funcionário falou sob condição de anonimato para discutir o assunto delicado.

Não foi imediatamente possível para os especialistas acessarem o repositório para avaliar os danos antes que as forças russas alcançassem o local.

A Agência Internacional de Energia Atômica disse que está acompanhando a situação na Ucrânia “com grande preocupação” e apelou à contenção máxima para evitar qualquer ação que possa colocar em risco as instalações nucleares da Ucrânia.

Rafael Mariano Grossi, diretor-geral da AIEA, disse que a Ucrânia informou à agência com sede em Viena que “forças armadas não identificadas” assumiram o controle de todas as instalações da fábrica e que não houve vítimas ou destruição no local industrial.

Grossi disse que é “de vital importância que as operações seguras e protegidas das instalações nucleares naquela zona não sejam afetadas ou interrompidas de forma alguma”.

Edwin Lyman, diretor de segurança de energia nuclear da União de Cientistas Preocupados em Washington, disse: “Não consigo imaginar como seria do interesse da Rússia permitir que quaisquer instalações em Chernobyl fossem danificadas”.

Em uma entrevista, Lyman disse que está mais preocupado com o combustível usado armazenado no local, que não está ativo desde 2000. Se a energia das bombas de resfriamento for interrompida ou os tanques de armazenamento de combustível forem danificados, os resultados podem ser catastróficos. disse.

O reator número quatro da usina explodiu e pegou fogo na noite de 26 de abril de 1986, destruindo o prédio e expelindo material radioativo para o céu.

As autoridades soviéticas tornaram a catástrofe ainda pior ao não contar ao público o que havia acontecido, enfurecendo os governos europeus e o povo soviético.

Os dois milhões de moradores de Kiev não foram informados, apesar do perigo de precipitação, e o mundo só soube do desastre depois que o aumento da radiação foi detectado na Suécia.

O prédio que continha o reator explodido foi coberto em 2017 por um enorme abrigo destinado a conter a radiação que ainda vazava do acidente. Robôs dentro do abrigo trabalham para desmontar o reator destruído e recolher o lixo radioativo.

Espera-se que leve até 2064 para terminar o desmantelamento dos reatores. A Ucrânia decidiu usar a zona deserta como local para sua instalação centralizada de armazenamento de combustível irradiado das outras usinas nucleares remanescentes do país.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.