Ai Weiwei adverte que a China é ‘o maior desafio que o Ocidente já enfrentou’

O artista Ai Weiwei disse que “a China representa o maior desafio que o Ocidente já enfrentou” e pediu aos governos que ajam com urgência.

O artista chinês, que agora mora no Reino Unido, falou em w webinar para marcar o lançamento de seu mais recente documentário, Barata, sobre os protestos antigovernamentais que varreram Hong Kong em 2019.

O MP Liberal Democrata Alistair Carmichael (Yui Mok / PA)

O homem de 63 anos disse que “o resultado de Hong Kong será triste e sem esperança”.

Ele acrescentou: “Esta não é apenas uma luta entre Hong Kong e a China. É uma luta entre a liberdade e um estado sectário. Hong Kong representa um valor que todos devemos proteger. ”

O artista multidisciplinar, famoso por sua instalação de 100 milhões de “sementes de girassol” na Tate Modern de Londres, disse que muitos países hesitam em apoiar Hong Kong porque fazem negócios com a China.

Ele disse: “Vamos ver o que vai acontecer quando não houver voz para lugares como Hong Kong.

“Então o mundo será dominado pelo controle sectário da China. Não podemos apenas reagir, devemos mostrar que estamos determinados a estar do lado certo da história.

“Pequim tem uma estratégia clara. Ele se tornará o poder final e mais dominante do mundo. Humanidade e liberdade de expressão. Cabe ao Ocidente protegê-los. ”

A sessão também contou com a presença de um porta-voz anônimo do grupo de campanha pró-democracia Stand With Hong Kong, chamado Sam.

Ele disse: “O Estado de Direito é uma dádiva. Ele protege nossa liberdade e estabilidade. Sem o Estado de Direito, Hong Kong não seria a cidade internacional que é hoje.

“Após a introdução da NSL (Lei de Segurança Nacional), o estado de direito desmoronou totalmente. Existe mal em um espectador. ”

Carmichael, vice-presidente do APPG de Hong Kong, disse: “Isso é sobre direitos humanos. O problema dos direitos humanos é que eles devem ser universais, ou não têm sentido.

“Temos a obrigação de apoiar Hong Kong … Fazer campanha muitas vezes parece que você está empurrando água morro acima até que, de repente, a mudança acontece.”

Weiwei é um crítico ferrenho do histórico de direitos humanos da China e deixou o país em 2015 antes de se mudar para Berlim e depois para o Reino Unido.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *