Zelensky ucraniano pede provas sobre novos avisos de invasão


O presidente da Ucrânia minimizou os alertas intensificados de uma possível invasão russa nos próximos dias, dizendo que ainda não viu evidências convincentes.

Os comentários de Volodymyr Zelensky vieram mesmo quando os EUA alertaram sobre mais tropas russas se aproximando das fronteiras da Ucrânia e algumas companhias aéreas cancelaram ou desviaram voos para o país.

O presidente dos EUA, Joe Biden, falou por cerca de 50 minutos no domingo com o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky e renovou promessas do que o Ocidente diz que serão duras sanções econômicas contra Moscou e um aumento da Otan no caso de “qualquer agressão russa” contra a Ucrânia. disse a Casa Branca.


Um instrutor em Kiev mostra a uma mulher como usar um fuzil de assalto Kalashnikov (Efrem Lukatsky/AP)

Eles concordaram em buscar tanto a dissuasão quanto a diplomacia na crise, acrescentou.

Os EUA atualizaram sua estimativa de quantas forças russas estavam agora posicionadas perto das fronteiras da Ucrânia para mais de 130.000, acima dos 100.000 que os EUA citaram publicamente nas semanas anteriores.

As repetidas declarações do líder ucraniano pedindo calma entre seu povo – enquanto as forças russas cercam seu país por três lados no que a Rússia insiste serem exercícios militares – cresceram neste fim de semana, com Zelensky questionando advertências estridentes de autoridades americanas nos últimos dias de que a Rússia poderia estar planejando invadir logo no meio da próxima semana.

Embora Zelensky tenha feito um apelo contra o pânico que ele teme que possa minar a economia da Ucrânia, ele e seus líderes civis e militares também estão preparando defesas, solicitando e recebendo um fluxo de armas dos EUA e de outros membros da Otan.

Zelensky usava roupas militares cor de azeitona em um treinamento com tanques e helicópteros perto da fronteira da Ucrânia com a Crimeia, anexada à Rússia, neste fim de semana.


Valentyna Konstantynovska, 79, segura uma arma durante treinamento básico de combate para civis, organizado pela Guarda Nacional da Ucrânia na região de Donetsk (Vadim Ghirda/AP)

Na cidade vizinha de Kalanchak, alguns expressaram descrença de que o presidente russo, Vladimir Putin, realmente enviaria as tropas posicionadas ao longo das fronteiras da Ucrânia para o país.

“Não acredito que a Rússia nos atacará”, disse o morador Boris Cherepenko.

“Tenho amigos em Sakhalin, em Krasnodar”, acrescentou, citando locais russos. “Eu não acredito.”

Os EUA obtiveram informações de que a Rússia estava considerando a quarta-feira como uma data-alvo, de acordo com uma autoridade dos Estados Unidos familiarizada com as descobertas.

“Não vamos dar à Rússia a oportunidade de fazer uma surpresa aqui, de lançar algo sobre a Ucrânia ou o mundo”, disse Jake Sullivan, o conselheiro de segurança nacional dos EUA, à CNN no domingo, sobre as advertências dos Estados Unidos.

“Vamos nos certificar de que estamos apresentando ao mundo o que vemos da forma mais transparente e clara possível”, disse ele.

Os EUA em grande parte não tornaram públicas as evidências que dizem estar subjacentes às suas advertências mais específicas sobre um possível planejamento ou cronograma russo.

Os russos enviaram forças de mísseis, aéreas, navais e de operações especiais, bem como suprimentos para sustentar uma invasão.

Esta semana, a Rússia moveu seis navios de assalto anfíbio para o Mar Negro, aumentando sua capacidade de pousar na costa.

Os comentários de Zelensky neste fim de semana indicaram frustração com as advertências de Washington, enquanto ele tentava minimizar os danos à economia da Ucrânia durante a crise.

“Entendemos todos os riscos, entendemos que existem riscos”, disse ele em uma transmissão ao vivo.

“Se você, ou qualquer outra pessoa, tiver informações adicionais sobre uma invasão 100% russa a partir do dia 16, por favor, encaminhe essas informações para nós.”

Em uma ligação de uma hora no sábado com Putin, Biden disse que uma invasão da Ucrânia causaria “sofrimento humano generalizado” e que o Ocidente estava comprometido com a diplomacia para acabar com a crise, mas “igualmente preparado para outros cenários”, a Casa Branca disse.


O presidente dos EUA, Joe Biden, conversou com o presidente russo, Vladimir Putin, no sábado (A Casa Branca via AP)

Não ofereceu nenhuma sugestão de que o telefonema havia diminuído a ameaça de uma guerra iminente na Europa.

Refletindo as preocupações do Ocidente, a companhia aérea holandesa KLM cancelou voos para a Ucrânia até novo aviso, disse a empresa.

E a companhia aérea charter ucraniana SkyUp disse no domingo que seu voo da Madeira, Portugal, para Kiev foi desviado para a capital da Moldávia, Chisinau, depois que o arrendador irlandês do avião disse que estava proibindo voos no espaço aéreo ucraniano.

O porta-voz presidencial ucraniano Serhii Nykyforov disse à Associated Press que a Ucrânia não fechou seu espaço aéreo.

Mas a agência de segurança de tráfego aéreo da Ucrânia, Ukraerorukh, emitiu um comunicado declarando que o espaço aéreo sobre o Mar Negro é uma “zona de perigo potencial” e recomendou que os aviões evitem voar sobre o mar entre 14 e 19 de fevereiro.

A conversa Putin/Biden, após uma ligação entre Putin e o presidente francês Emmanuel Macron no início do dia, ocorreu em um momento crítico para o que se tornou a maior crise de segurança entre a Rússia e o Ocidente desde a Guerra Fria.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.