Vítimas de ‘confissão forçada’ pedem proibição de canais de TV chineses


Treze pessoas que se autodenominam “vítimas de confissões forçadas transmitidas pela televisão chinesa” estão pedindo à operadora de satélite europeia Eutelsat que reconsidere a transmissão dos canais chineses CGTN e CCTV4.

A carta publicada pelo órgão de defesa dos direitos humanos Safeguard Defenders detalha uma lista de violações que os signatários dizem que a China é culpada de usar para extorquir confissões deles e “recusar o direito a um julgamento justo”.

“Estamos pedindo a você … que determine se os provedores de televisão em sociedades democráticas devem continuar a ser moralmente cúmplices na transmissão de informações intencionalmente distorcidas e obtidas por meio de tortura”, disse o grupo.

“Somos apenas uma dúzia de vítimas capazes de falar … Muitas outras vítimas estão na prisão. Algumas foram executadas.

“As vítimas não têm como exigir reparações. A única maneira de impedir isso é os reguladores da televisão investigarem e tomarem medidas”, acrescentou o grupo.

A carta observa que a emissora pública australiana SBS parou de usar conteúdo da televisão estatal chinesa em março, enquanto se aguarda uma revisão das questões de direitos humanos.

O Reino Unido também multou a CGTN por parcialidade e violação de privacidade e a removeu das ondas do ar, uma proibição que levou o canal a se estabelecer na França.

O regulador audiovisual francês CSA determinou em março que a CGTN atendia aos critérios técnicos necessários para a transmissão, mas apenas esta semana a Safeguard Defenders apresentou duas queixas contra o canal.

Um citou uma entrevista supostamente coagida com uma criança uigur e o outro foi uma reclamação de difamação do pesquisador alemão Adrian Zenz, cujos relatórios sobre o tratamento dado aos uigures na região de Xinjiang, oeste da China, foram repreendidos por Pequim.

Os signatários são da China e de outros países, incluindo os advogados chineses de direitos humanos Bao Longjun e Jiang Tianyong, que foram alvos de autoridades em seu país.

Simon Cheng, ex-funcionário do consulado britânico em Hong Kong, a quem foi concedido asilo no Reino Unido depois de supostamente ter sido torturado pela polícia secreta chinesa, também assinou a carta.

Também dando apoio está o ativista sueco e cofundador da Safeguard Defenders, Peter Dahlin, que passou três semanas na prisão em 2016 antes de ser expulso do país como uma ameaça à segurança nacional.

Angela Gui, filha de Gui Minhai que publicou em Hong Kong até ser condenado a 10 anos de prisão em 2020, assinado em nome de seu pai.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.