Últimas

Turquia vota em eleições decisivas que podem acabar com o governo de 20 anos de Erdogan | Noticias do mundo


Os turcos votarão no domingo em uma das eleições mais importantes nos 100 anos de história da Turquia moderna, que pode derrubar o presidente Tayyip Erdogan após 20 anos no poder e interromper o caminho cada vez mais autoritário de seu governo.

Pessoas se reúnem do lado de fora da Grande Mesquita Hagia Sophia antes das eleições presidenciais e parlamentares, em Istambul, Turquia. (REUTERS)
Pessoas se reúnem do lado de fora da Grande Mesquita Hagia Sophia antes das eleições presidenciais e parlamentares, em Istambul, Turquia. (REUTERS)

A votação decidirá não apenas quem lidera a Turquia, um país membro da OTAN de 85 milhões, mas também como ela é governada, para onde sua economia está indo em meio a uma profunda crise de custo de vida e a forma de sua política externa, que assumiu voltas imprevisíveis.

As pesquisas de opinião dão ao principal adversário de Erdogan, Kemal Kilicdaroglu, que lidera uma aliança de seis partidos de oposição, uma ligeira vantagem, mas se algum deles não conseguir mais de 50% dos votos, haverá um segundo turno em 28 de maio.

A eleição ocorre três meses depois que terremotos no sudeste da Turquia mataram mais de 50.000 pessoas. Muitos nas províncias afetadas expressaram raiva pela lenta resposta inicial do governo, mas há poucas evidências de que a questão tenha mudado a forma como as pessoas votarão.

Os eleitores também elegerão um novo parlamento, provavelmente uma disputa acirrada entre a Aliança do Povo, que compreende o conservador Partido AK (AKP), de raízes islâmicas, de Erdogan, e o nacionalista MHP e outros, e a Aliança da Nação de Kilicdaroglu, formada por seis partidos de oposição, incluindo seu secularista Partido Popular Republicano. (CHP), estabelecido pelo fundador da Turquia, Mustafa Kemal Ataturk.

As urnas serão abertas às 8h (05h00 GMT) e encerradas às 17h00 (14h00 GMT). De acordo com a lei eleitoral turca, a divulgação de qualquer resultado é proibida até as 21h. No final do domingo, pode haver uma boa indicação de que haverá um segundo turno para a presidência.

Os eleitores curdos, que respondem por 15-20% do eleitorado, desempenharão um papel fundamental, sendo improvável que a Nation Alliance alcance uma maioria parlamentar sozinha.

O pró-curdo Partido Democrático do Povo (HDP) não faz parte da principal aliança da oposição, mas se opõe ferozmente a Erdogan após uma repressão a seus membros nos últimos anos.

O HDP declarou seu apoio a Kilicdaroglu na corrida presidencial. Ele está entrando nas eleições parlamentares sob o emblema do pequeno Partido da Esquerda Verde devido a um processo judicial movido por um procurador de alto escalão que busca banir o HDP devido a ligações com militantes curdos, o que o partido nega.

FIM DE UMA ERA?

Erdogan, de 69 anos, é um poderoso orador e mestre de campanha que fez todos os esforços durante a campanha enquanto luta para sobreviver ao seu teste político mais difícil. Ele exige lealdade feroz de turcos piedosos que antes se sentiam privados de direitos na Turquia secular e sua carreira política sobreviveu a uma tentativa de golpe em 2016 e a vários escândalos de corrupção.

No entanto, se os turcos expulsarem Erdogan, será em grande parte porque viram sua prosperidade, igualdade e capacidade de atender às necessidades básicas declinar, com a inflação que atingiu 85% em outubro de 2022 e um colapso na lira.

Kilicdaroglu, um ex-funcionário público de 74 anos, promete que, se vencer, retornará às políticas econômicas ortodoxas da pesada administração de Erdogan.

Kilicdaroglu também diz que tentará devolver o país ao sistema parlamentar de governança, do sistema presidencial executivo de Erdogan aprovado em referendo em 2017. Ele também prometeu restaurar a independência de um judiciário que os críticos dizem que Erdogan usou para reprimir dissidência.

Em seu tempo no poder, Erdogan assumiu o controle rígido da maioria das instituições da Turquia e afastou liberais e críticos. A Human Rights Watch, em seu Relatório Mundial 2022, disse que o governo de Erdogan atrasou o recorde de direitos humanos da Turquia em décadas.

Se vencer, Kilicdaroglu enfrentará desafios para manter unida uma aliança de oposição que inclui nacionalistas, islâmicos, secularistas e liberais.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *