Turquia inicia ofensiva contra combatentes curdos na Síria

A Turquia lançou ataques aéreos, disparou artilharia e iniciou uma ofensiva terrestre contra combatentes curdos no norte da Síria, depois que as tropas americanas se afastaram da área.

O presidente turco, Recep Tayyip Erdogan, anunciou o início da campanha, que seguiu a decisão abrupta no domingo pelo presidente dos EUA Donald Trump de abandonar essencialmente os combatentes curdos sírios, deixando-os vulneráveis ​​a uma ofensiva turca que foi amplamente condenada em todo o mundo.

A decisão foi uma grande mudança na política dos EUA e atraiu oposição de todos os lados.

Também marcou uma grande mudança na retórica de Trump, que durante uma conferência de imprensa em Nova York no ano passado prometeu apoiar os curdos, que foram os únicos aliados dos EUA na Síria lutando contra o chamado Estado Islâmico (IS).

Trump disse na época que os curdos "brigaram conosco" e "morreram conosco" e insistiram que os EUA nunca esqueceriam.

<img src = "https://www.breakingnews.ie/remote/image.assets.pressassociation.io/v2/image/production/ea74dd377a945315eadc6d8a581decf9Y29udGVudHNlYXJjaCwxNTcwNzc2-416 = 402"
Sírios fogem de bombardeios pelas forças turcas em Ras al Ayn, nordeste da Síria (AP)
"/>
Sírios fogem de bombardeios pelas forças turcas em Ras al Ayn, nordeste da Síria (AP)

Depois que Erdogan anunciou a ofensiva, Trump chamou a operação de "uma péssima idéia" e depois disse que não queria se envolver em "guerras sem fim e sem sentido".

No norte da Síria, os moradores das áreas de fronteira entraram em pânico e saíram a pé, de carro e de riquexós empilhados com colchões e alguns pertences.

Era um cenário familiar para muitos que, apenas alguns anos atrás, haviam fugido dos avanços em suas cidades e vilas pelo EI.

Plumas de fumaça podiam ser vistas subindo perto da cidade de Qamishli e os confrontos continuavam em meio a bombardeios intensos, quando a Turquia atingiu pelo menos seis cidades fronteiriças diferentes ao longo de um trecho de 480 km.

Pelo menos sete civis e três membros da força liderada pelos curdos, conhecidos como Forças Democráticas da Síria (SDF), foram mortos no bombardeio turco, disseram ativistas curdos e um monitor de guerra na Síria.

A campanha da Turquia – na qual o membro da Otan choveu bombas em uma área onde centenas de tropas americanas estavam estacionadas – atraiu críticas imediatas e pede restrições da Europa.

Em sua declaração, Trump enfatizou que não há soldados americanos na área imediata sob ataque.

"Nossa missão é impedir a criação de um corredor de terror através da nossa fronteira sul e trazer paz à área", disse Erdogan em um tweet anunciando o que chamou de Operação Paz Primavera.

Ele disse que as forças turcas, com combatentes sírios apoiados em Ancara, conhecidos como Exército Nacional Sírio, começaram a erradicar o que ele chamou de "ameaça de terror" contra a Turquia.

Mustafa Bali, porta-voz do SDF apoiado pelos EUA, disse que os aviões de guerra turcos estavam mirando "áreas civis" no norte da Síria e que as bombas também caíram perto de uma prisão guardada pelos curdos e que detinha alguns dos mais perigosos militantes do EI.

Em Washington, autoridades disseram que dois militantes britânicos que acreditavam ser parte de um grupo do EI que decapitou reféns e era conhecido como The Beatles foram removidos de um centro de detenção na Síria e estavam sob custódia dos EUA.

Antes do ataque da Turquia, as forças curdas sírias que controlam quase 30% do território da Síria alertaram para uma "catástrofe humanitária".

Mais de dois milhões de pessoas vivem na área afetada pelos ataques, segundo grupos de ajuda.

O Observatório Sírio para os Direitos Humanos da Grã-Bretanha disse que os mortos nos bombardeios turcos incluem dois assírios cristãos em Qamishli, um casal e seu filho, um homem em uma vila nos arredores da cidade de Tal Abyad e uma criança em uma vila a oeste de Qamishli.

A operação turca destinada a criar uma “zona segura” traz ganhos e riscos potenciais para a Turquia, envolvendo suas forças ainda mais profundamente na guerra na Síria.

Também acende novos combates na guerra de oito anos da Síria, potencialmente deslocando centenas de milhares.

Há muito que a Turquia ameaça atacar os combatentes curdos que Ancara considera terroristas aliados a uma insurgência curda na Turquia.

As expectativas de uma invasão aumentaram após o anúncio de Trump no domingo, apesar de ele também ameaçar "destruir e obliterar" totalmente a economia da Turquia se o impulso turco for longe demais.

Críticos dos EUA disseram que ele estava sacrificando um aliado, as forças curdas da Síria e minando a credibilidade de Washington.

O secretário-geral da Otan, Jens Stoltenberg, ao observar que a Turquia "tem preocupações legítimas de segurança" depois de sofrer "terríveis ataques terroristas" e receber milhares de refugiados, disse que o país não deve "desestabilizar ainda mais a região" com sua ação militar na Síria.

A operação também foi criticada pelo presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker.

<img src = "https://www.breakingnews.ie/remote/image.assets.pressassociation.io/v2/image/production/c243978695d17657a057048185aee609Y29udGVudHNlYXJjaCwxNTcwNzc2Nw2" / 4
O ministro da Defesa da Turquia, Hulusi Akar, no centro, em uma sala de operações na sede do exército em Ancara (Ministério da Defesa da Turquia via AP)
"/>
O ministro da Defesa da Turquia, Hulusi Akar, no centro, em uma sala de operações na sede do exército em Ancara (Ministério da Defesa da Turquia via AP)

A UE está pagando à Turquia seis bilhões de euros (5,4 bilhões de libras) para ajudar o país a lidar com quase quatro milhões de refugiados sírios em seu território em troca da interrupção da saída dos migrantes para a Europa.

Erdogan discutiu a incursão por telefone com o presidente russo Vladimir Putin.

O gabinete de Erdogan disse que disse a Putin que a ação militar "contribuirá para a paz e a estabilidade" e permitirá um processo político na Síria.

O Ministério das Relações Exteriores da Síria condenou o ataque militar da Turquia, chamando-o de "violação flagrante" do direito internacional e prometendo repelir a incursão.

O ministro das Relações Exteriores da Rússia, Sergey Lavrov, acusou Washington de jogar "jogos muito perigosos" com os curdos sírios, dizendo que os EUA primeiro apoiaram o "quase estado" curdo na Síria e agora estão retirando seu apoio.

"Essa atitude imprudente em relação a esse assunto altamente sensível pode incendiar toda a região, e temos que evitá-la a qualquer custo", disse ele.




Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *