Trump foi acusado por razões absurdas


O presidente da Rússia, Vladimir Putin, disse que o presidente dos EUA, Donald Trump, foi impugnado por razões absurdas, chamando a ação dos democratas de uma continuação de sua luta contra o líder republicano.

"O partido que perdeu a eleição (2016), o Partido Democrata, está tentando obter resultados por outros meios", disse Putin em sua entrevista coletiva anual em Moscou.

Ele comparou o impeachment de Trump à investigação anterior dos EUA sobre conluio com a Rússia, que Putin minimizou como infundado.

O ex-conselheiro especial Robert Mueller concluiu no início deste ano que o governo russo interferiu nas eleições presidenciais dos EUA de 2016 de “maneira abrangente e sistemática”.

Observando que os republicanos têm maioria no Senado, onde será conduzido um julgamento de Trump, Putin disse: “É improvável que eles retirem um representante de seu próprio partido do cargo, o que me parece uma razão absurda. . ”

<img src = "https://www.breakingnews.ie/remote/image.assets.pressassociation.io/v2/image/production/110f59c3b6306e17bb93f0dc283c2955Y29udGVudHNlYXJjaCwxNTc2ODM4NDc4/6.413"
O presidente russo Vladimir Putin fala durante sua entrevista coletiva anual em Moscou (Alexei Druzhinin, Sputnik, Kremlin Pool via AP)
"/>
O presidente russo Vladimir Putin fala durante sua entrevista coletiva anual em Moscou (Alexei Druzhinin, Sputnik, Kremlin Pool via AP)

Na noite de quarta-feira, Trump foi impugnado pela Câmara dos Deputados dos EUA, tornando-se o terceiro executivo-chefe americano a ser formalmente acusado sob o remédio final da Constituição para crimes elevados e delitos.

A votação histórica dividiu-se ao longo das linhas partidárias, da mesma forma que dividiu a nação, sobre as acusações de que o 45º presidente abusou do poder de seu gabinete ao recrutar um governo estrangeiro para investigar um rival político antes das eleições de 2020.

Depois de aprovar a acusação de abuso de poder por um voto de 230 a favor e 197 contra, a Câmara aprovou o segundo artigo da resolução de impeachment – que Trump obstruiu o Congresso em sua investigação – por 229 votos a favor e 198.

Os artigos de impeachment, o equivalente político de uma acusação, agora vão ao Senado para julgamento, provavelmente em janeiro.

Espera-se que Trump seja absolvido pela câmara liderada pelos republicanos, mas ainda assim terá que concorrer à reeleição com a marca duradoura de impeachment em sua presidência propositadamente perturbadora.

Os democratas lideraram a votação na noite de quarta-feira, enquadrada no que muitos disseram ser seu dever de proteger a Constituição e defender o sistema de freios e contrapesos do país.

Os republicanos apoiavam o líder de seu partido. Trump chamou todo o caso de "caça às bruxas", "fraude" e "fraude".

<img src = "https://www.breakingnews.ie/remote/image.assets.pressassociation.io/v2/image/production/97aa61934740666fa465df977b1f833eY29udGVudHNlYXJjaCwxNTc2ODA2MjQy/2.49bn&hl=2
A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, anuncia a aprovação do primeiro artigo de impeachment contra o presidente Donald Trump (Congresso TV / AP)
"/>
A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, anuncia a aprovação do primeiro artigo de impeachment contra o presidente Donald Trump (Congresso TV / AP)

Trump começou o dia histórico twittando sua raiva no processo, antes de ir para um comício à noite em Battle Creek, Michigan.

Enquanto a Câmara debateu os artigos do impeachment, os tweets de Trump mudaram para todas as letras maiúsculas: “TAIS MORTAS ATRACIOSAS À ESQUERDA RADICAL, NADA DEMOCRATAM. ESTE É UM ASSALTO NA AMÉRICA E UM ASSALTO NA PARTE REPUBLICANA !!!! ”, escreveu ele.

No comício, Trump desafiou o punho diante de uma multidão entusiasmada, vangloriou-se de "tremendo apoio" no Partido Republicano e disse: "A propósito, não parece que estou sendo acusado".

A presidente da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi, que antes relutava em levar os democratas a um impeachment partidário, agora arrisca sua maioria e o seu alto-falante para responsabilizar o presidente.

O que Pelosi chamou de um momento triste e solene para o país, ocorrendo apenas 11 meses depois que os democratas tomaram o controle da Câmara, na verdade se desenrolou em uma sessão cáustica de um dia que mostrava a divisão do país.

"Hoje estamos aqui para defender a democracia para o povo", disse Pelosi ao abrir o debate.

<img src = "https://www.breakingnews.ie/remote/image.assets.pressassociation.io/v2/image/production/75450df7b49a10f66b105c4622983c18Y29udGVudHNlYXJjaCwxNTc2ODA2MDs_pt_BR4&hl=pt-BR
A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, chega na manhã anterior à votação do impeachment (Andrew Harnik / AP)
"/>
A presidente da Câmara, Nancy Pelosi, chega na manhã anterior à votação do impeachment (Andrew Harnik / AP)

A resolução do impeachment dizia: "O presidente Trump usou os poderes da Presidência de uma maneira que comprometeu a segurança nacional dos Estados Unidos e minou a integridade do processo democrático dos Estados Unidos".

A resolução disse que o presidente "traiu o país abusando de seu alto cargo para alistar uma potência estrangeira na corrupção de eleições democráticas" e que obstruiu a supervisão do Congresso como "nenhum presidente" na história dos EUA.

"O presidente Trump, por essa conduta, demonstrou que continuará sendo uma ameaça à segurança nacional e à Constituição, se for permitido que permaneça no cargo", afirmou.

A resolução de impeachment da Câmara expôs em termos duros os artigos de impeachment contra Trump decorrentes de sua ligação telefônica em julho quando ele pediu um "favor" ao presidente ucraniano – para anunciar que estava investigando democratas, incluindo o potencial rival de 2020 Joe Biden.

Na época, Zelenskiy, novo na política e no governo, estava procurando uma visita cobiçada à Casa Branca para mostrar apoio dos EUA ao enfrentar uma Rússia hostil em sua fronteira.

Ele também contava com 391 milhões de dólares (298 milhões de libras) em ajuda militar já aprovada pelo Congresso. A Casa Branca atrasou os fundos, mas Trump liberou o dinheiro assim que o Congresso interveio.

Os republicanos argumentaram que os democratas estavam acusando Trump porque não podem vencê-lo em 2020.

Mas os democratas alertaram que o país não pode esperar pelas próximas eleições para decidir se Trump deve permanecer no cargo.

"O presidente e seus homens planejam", disse o presidente Adam Schiff, do Comitê de Inteligência que liderou a investigação.

O perigo persiste. O risco é real.

O resultado leva a presidência de Trump a um momento marcante que vem construindo quase desde o momento em que o empresário de Nova York, que virou realidade, apresentador de TV, ganhou inesperadamente a Casa Branca em 2016.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.