Tribunal russo rejeita recurso de Alexei Navalny contra prisão

Um tribunal russo rejeitou o apelo do líder da oposição Alexei Navalny contra sua prisão, enquanto as autoridades detiveram vários de seus aliados depois que dezenas de milhares invadiram as ruas em mais de 100 cidades russas no fim de semana passado exigindo sua libertação.

Falando ao tribunal por meio de um link de vídeo da prisão, Navalny denunciou o processo criminal contra ele como parte dos esforços do governo para intimidar a oposição.

“Você não conseguirá assustar dezenas de milhões de pessoas que foram roubadas por aquele governo”, disse ele.

O crítico mais conhecido do governo do presidente Vladimir Putin, de 44 anos, foi preso em 17 de janeiro ao retornar da Alemanha, onde passou cinco meses se recuperando de uma intoxicação por agente nervoso que atribui ao Kremlin.

As autoridades russas rejeitaram as acusações.

Uma van da polícia russa está estacionada no prédio de apartamentos de Alexei Navalny em Moscou (Pavel Golovkin / AP)

Navalny foi preso por 30 dias a pedido do serviço penitenciário da Rússia, que acusou ele de ter violado os termos de liberdade condicional de uma sentença suspensa em uma condenação por lavagem de dinheiro de 2014, que ele rejeitou como política.

Ele agora também enfrenta acusações em duas investigações criminais separadas.

O Tribunal Regional de Moscou rejeitou na quinta-feira seu recurso contra a prisão.

Durante a audiência, a defesa do Sr. Navalny alegou que ele se encontrava em reabilitação na Alemanha e, portanto, não podia se registrar junto às autoridades, conforme exigido pelos termos de liberdade condicional durante o período.

Seus advogados também contestaram sua prisão, alegando que o devido processo legal foi repetidamente violado.

Polícia confronto com manifestantes em São Petersburgo (Dmitri Lovetsky / AP)

A detenção do irmão de Navalny, Oleg, de seu principal aliado Lyubov Sobol, da Dra. Anastasia Vasilyeva, da Alliance of Doctors, e de Maria Alyokhina, do coletivo punk Pussy Riot, ocorre em um momento em que as autoridades tentam conter outra onda de protestos marcada para domingo.

Todos os quatro foram detidos por 48 horas como parte de uma investigação criminal sobre supostas violações dos regulamentos do coronavírus durante os protestos do fim de semana.

As detenções noturnas dos aliados de Navalny aconteceram depois de mais de uma dúzia de buscas em apartamentos e escritórios de sua família, associados e simpatizantes em conexão com a investigação em andamento sobre violações das restrições ao coronavírus durante os protestos de fim de semana.

Esses sites incluíam o apartamento do Sr. Navalny, onde a polícia deteve seu irmão, e um apartamento alugado onde a esposa do Sr. Navalny, Yulia, vive.

O porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, disse que as buscas e detenções eram uma parte legítima dos esforços da polícia para investigar as supostas violações durante os comícios de sábado.

“As agências de aplicação da lei estão fazendo seu trabalho”, disse Peskov em uma teleconferência com repórteres. “Houve inúmeras violações das leis russas e as agências de aplicação da lei estão trabalhando”.

O líder da oposição russa Alexei Navalny aparece em uma tela de TV durante uma sessão ao vivo com o tribunal durante a audiência de seu recurso, em Moscou (Pavel Golovkin / AP)

Na quinta-feira, promotores russos também emitiram avisos para Facebook, Google, Twitter, TikTok e redes sociais russas exigindo que eles bloqueiem chamadas para mais protestos.

“O estado não quer que as redes sociais se tornem uma plataforma para promover essas ações ilegais”, disse Peskov.

Questionado se a recusa em remover tal conteúdo poderia levar as autoridades russas a bloqueá-lo, Peskov respondeu que caberia às agências governamentais relevantes considerar uma resposta.

“Todos os prós e contras serão pesados ​​e, se necessário, serão tomadas as medidas previstas em lei”, afirmou.

No início desta semana, o vigilante de comunicações do estado da Rússia, Roskomnadzor, disse que multaria o Facebook, Instagram, Twitter, TikTok, YouTube e duas redes sociais russas por não bloquearem as chamadas de menores para se juntarem aos protestos de sábado.

Também na quinta-feira, o Comitê Investigativo da Rússia disse que abriu uma investigação criminal contra o principal estrategista de Navalny, Leonid Volkov, acusando-o de encorajar menores a participarem de comícios não autorizados.

Volkov, que atualmente está no exterior, rejeitou as acusações.

Em um desafio a Putin, dois dias após a prisão de Navalny, sua organização divulgou uma extensa reportagem em vídeo sobre um complexo palaciano à beira-mar supostamente construído para o presidente. Já foi visto mais de 98 milhões de vezes, aumentando ainda mais o descontentamento.

Manifestações pedindo a libertação de Navalny ocorreram em mais de 100 cidades em todo o país no último sábado, uma forte demonstração de raiva crescente contra o Kremlin.

Quase 4.000 pessoas foram detidas nesses protestos e algumas receberam multas e penas de prisão.

Navalny entrou em coma a bordo de um vôo doméstico da Sibéria para Moscou em 20 de agosto.

Ele foi transferido de um hospital na Sibéria para um hospital de Berlim dois dias depois.

Laboratórios na Alemanha, França e Suécia, e testes da Organização para a Proibição de Armas Químicas, estabeleceram que ele foi exposto ao agente nervoso Novichok da era soviética.

As autoridades russas se recusaram a abrir um inquérito criminal completo, alegando falta de evidências de que Navalny foi envenenado.

A prisão de Navalny e as duras ações policiais nos protestos geraram muitas críticas do Ocidente e pediram sua libertação.


Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *