Tribunal europeu diz que caso do clima dos jovens será examinado por painel de primeira linha


O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos disse que uma queixa contra 33 países apresentada por seis jovens ativistas climáticos portugueses será analisada pelo painel de juízes do tribunal, uma medida que reflete o significado jurídico do caso.

Os ativistas, três dos quais são menores de idade, recorreram ao tribunal há quase dois anos em um esforço para responsabilizar os governos europeus por seus esforços supostamente inadequados para reduzir as emissões de gases de efeito estufa.

Os países mencionados na denúncia incluem os 27 países membros da União Europeia, além do Reino Unido, Suíça, Noruega, Rússia, Turquia e Ucrânia.

O tribunal sediado em Estrasburgo disse que o caso, que já havia recebido status de prioridade, seria transferido para a Grande Câmara de 17 membros.

O tribunal observou que o painel examina casos que apresentam “uma questão séria” que afeta a interpretação da Convenção Europeia de Direitos Humanos, ou protocolos adicionais, ou “onde a resolução de uma questão perante a Câmara pode ter um resultado inconsistente com um julgamento anteriormente proferida pelo tribunal”.

Uma das queixosas, Sofia Oliveira, de 17 anos, disse que a decisão de ter o caso julgado pela Grande Câmara foi encorajadora.

“Agora esperamos que esses juízes ouçam nosso caso o mais rápido possível e que façam com que os governos europeus tomem as medidas urgentes necessárias para nos proteger”, disse ela.

Os ativistas são apoiados pela Global Legal Action Network, uma organização internacional sem fins lucrativos que desafia as violações dos direitos humanos.

Seu diretor, Gearoid O Cuinn, observou que dos 22 casos pendentes na Grande Câmara, três estão agora relacionados às mudanças climáticas.

“O fato de o tribunal ter encaminhado este caso, juntamente com outros dois casos climáticos, para a Grande Câmara é um desenvolvimento extremamente significativo que mostra o quão sério é uma questão de direitos humanos que considera a mudança climática”, disse O Cuinn.

“Até o final do ano, espero que todos os principais emissores da Europa sejam julgados por não agirem adequadamente na crise climática no que será uma audiência de escala e consequências sem precedentes.”



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.