Tribunal de apelações rejeita desafio de Trump na corrida da Pensilvânia

A equipe jurídica do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, sofreu mais uma derrota no tribunal na sexta-feira, quando um tribunal federal de apelações da Filadélfia rejeitou totalmente o último esforço da campanha para contestar os resultados das eleições estaduais.

Os advogados de Trump prometeram apelar para a Suprema Corte, apesar da avaliação dos juízes de que “as alegações da campanha não têm mérito”.

“Eleições livres e justas são a força vital da nossa democracia. As acusações de injustiça são graves. Mas chamar uma eleição injusta não significa que seja.

“As acusações exigem alegações específicas e, em seguida, provas. Não temos nenhum aqui ”, escreveu o terceiro juiz de circuito Stephanos Bibas para o painel de três juízes.

O caso foi discutido na semana passada em um tribunal inferior pelo advogado de Trump, Rudy Giuliani, que insistiu durante cinco horas de argumentos orais que a eleição presidencial de 2020 havia sido marcada por fraude generalizada na Pensilvânia.

Porém, G. Giuliani não apresentou qualquer prova tangível disso em tribunal.

O juiz distrital dos Estados Unidos, Matthew Brann, disse que a reclamação cheia de erros da campanha, “como o monstro de Frankenstein, foi costurada a esmo” e negou a Giuliani o direito de alterá-la pela segunda vez.

O terceiro tribunal de apelações dos Estados Unidos considerou essa decisão justificada.

Os três juízes do painel foram todos nomeados por presidentes republicanos. incluindo o Sr. Bibas, um ex-professor de direito da Universidade da Pensilvânia nomeado pelo Sr. Trump.

A irmã de Trump, a juíza Maryanne Trump Barry, esteve no tribunal por 20 anos, aposentando-se em 2019.

“Os eleitores, não os advogados, escolhem o presidente. As cédulas, não os resumos, decidem as eleições ”, disse Bibas no parecer, que também negou o pedido da campanha para impedir o estado de certificar seus resultados, uma demanda que ele chamou de“ empolgante ”.

Na verdade, as autoridades da Pensilvânia certificaram sua contagem de votos na segunda-feira para o presidente eleito Joe Biden, que derrotou Trump por mais de 80.000 votos no estado.

Nacionalmente, Biden e sua companheira de chapa Kamala Harris obtiveram quase 80 milhões de votos, um recorde nas eleições presidenciais dos EUA.

Trump disse que espera que a Suprema Corte intervenha na disputa, como fez em 2000, quando sua decisão de interromper a recontagem na Flórida deu a eleição ao republicano George W. Bush.

Em 5 de novembro, enquanto a contagem de votos continuava, Trump postou um tweet dizendo que “A Suprema Corte dos EUA deve decidir!”

“A máquina judiciária ativista na Pensilvânia continua a encobrir as alegações de fraude em massa”, tuitou a advogada de Trump, Jenna Ellis, após a decisão de sexta-feira. “Vamos para SCOTUS!”




Source link

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *