Trabalhadores e instalações de saúde afegãs atacaram deliberadamente, diz ONU


Um relatório especial das Nações Unidas recém-divulgado manifesta preocupação com o que chama de “ataques deliberados” contra profissionais de saúde e instalações no Afeganistão durante a pandemia de Covid-19.

A Missão de Assistência das Nações Unidas no Afeganistão, ou UNAMA, disse que documentou 12 incidentes de atos deliberados de violência entre 11 de março e 23 de maio.

O relatório afirma que oito dos incidentes foram realizados por insurgentes do Taliban, enquanto três foram atribuídos às forças de segurança afegãs.

Um oficial de segurança carrega um bebê depois que homens armados atacaram uma maternidade em Cabul (Rahmat Gul / AP) “>
Um oficial de segurança carrega um bebê depois que homens armados atacaram uma maternidade em Cabul (Rahmat Gul / AP)

Um ataque a uma maternidade no mês passado em um hospital de Cabul que matou 24 pessoas continua sem solução.

“No momento em que uma resposta humanitária urgente era necessária para proteger todas as vidas do Afeganistão, as forças de segurança nacional do Taliban e do Afeganistão realizavam atos deliberados de violência que minavam as operações de assistência médica”, Deborah Lyons, representante especial do secretário-geral no Afeganistão, e chefe da UNAMA, disse.

“Não há desculpa para tais ações; a segurança e o bem-estar da população civil devem ser uma prioridade. ”

O Afeganistão tem 28.833 casos confirmados de coronavírus e 581 mortes. Porém, organizações internacionais de ajuda que monitoram a propagação da pandemia no país dizem que os números são muito maiores devido à falta de acesso e capacidade de teste.

Após o ataque à maternidade de Cabul, os Médicos Sem Fronteiras decidiram na semana passada encerrar suas operações em Cabul.

A instituição de caridade internacional, também conhecida por sua sigla francesa MSF, disse que manteria outros programas no Afeganistão em funcionamento, mas não entrou em detalhes.

Mãe e bebê após serem resgatados do ataque (Rahmat Gul / AP) “>
Mãe e bebê após serem resgatados do ataque (Rahmat Gul / AP)

O ataque na maternidade provocou uma batalha armada com a polícia afegã que durou horas e deixou mais de uma dúzia de pessoas feridas.

O hospital em Dashti Barchi, um bairro majoritariamente xiita, foi o único projeto do grupo sediado em Genebra na capital afegã.

O Taliban negou envolvimento no ataque de 12 de maio, cujas vítimas incluíram dois bebês, enfermeiras e várias mães jovens.

Os Estados Unidos disseram ter todas as características da afiliada do grupo Estado Islâmico no Afeganistão e que o ataque atingiu a minoria xiita do país em um bairro de Cabul que militantes do EI atacaram repetidamente no passado.

O relatório da ONU enfatizou que atos deliberados de violência contra estabelecimentos de saúde, incluindo hospitais e pessoal relacionado, eram proibidos pelo Direito Internacional Humanitário e constituíam crimes de guerra.

“A prática de ataques direcionados aos cuidados de saúde durante a pandemia de Covid-19, um momento em que os recursos de saúde já estão esgotados e de importância crítica para a população civil, é particularmente repreensível”, disse Fiona Frazer, chefe de direitos humanos da UNAMA.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.