Temores de vazamento de radiação aumentam perto de usina nuclear ucraniana


As autoridades começaram a distribuir pastilhas de iodo para moradores perto da usina nuclear de Zaporizhzhia, na Ucrânia, em caso de vazamento de radiação, em meio a temores crescentes de que os combates ao redor do complexo possam desencadear uma catástrofe.

A mudança ocorreu um dia depois que a usina foi temporariamente desativada por causa do que as autoridades disseram ter sido danos causados ​​​​pelo incêndio em uma linha de transmissão.

O incidente aumentou o medo de um desastre nuclear em um país ainda assombrado pela explosão de 1986 em Chernobyl.

O bombardeio contínuo foi relatado na área durante a noite, e imagens de satélite do Planet Labs mostraram incêndios queimando ao redor do complexo – a maior usina nuclear da Europa – nos últimos dias.


Pessoas recebem comprimidos contendo iodo em um ponto de distribuição em Zaporizhzhia, Ucrânia (Andriy Andriyenko/AP)

Comprimidos de iodo, que ajudam a bloquear a absorção de iodo radioativo pela glândula tireóide em um acidente nuclear, foram emitidos na cidade de Zaporizhzhia, que fica a cerca de 45 quilômetros da usina e permanece sob controle ucraniano.

Uma mulher e sua filha pequena estavam entre os que receberam as pílulas.

A agência de energia atômica da ONU vem tentando enviar uma equipe para inspecionar e ajudar a proteger a usina.

Autoridades disseram que os preparativos para a viagem estão em andamento, mas ainda não está claro quando ela pode acontecer.

A fábrica de Zaporizhzhia foi ocupada por forças russas e administrada por trabalhadores ucranianos desde os primeiros dias da guerra de seis meses.

Os dois lados se acusaram repetidamente de bombardear o local.

No incidente de quinta-feira, a Ucrânia e a Rússia culparam uma à outra pelos danos na linha de transmissão que derrubou a usina da rede elétrica.

Exatamente o que deu errado não ficou claro, mas o presidente ucraniano Volodymr Zelensky disse que os geradores a diesel de emergência da usina tiveram que ser ativados para fornecer eletricidade para operar o complexo.


Um soldado russo guarda uma área da usina nuclear de Zaporizhzhia em território sob controle militar russo no sudeste da Ucrânia (AP)

A usina requer energia para operar os sistemas vitais de resfriamento dos reatores.

Uma perda de resfriamento pode levar a um colapso nuclear.

A Ukrenergo, operadora do sistema de transmissão da Ucrânia, informou na sexta-feira que duas linhas principais danificadas que abastecem a usina com eletricidade retomaram a operação, garantindo um fornecimento de energia estável.

A agência de energia nuclear do país, Energoatom, disse que a usina foi reconectada à rede e estava produzindo eletricidade “para as necessidades da Ucrânia”.

“Os trabalhadores nucleares da usina de Zaporizhzhia são verdadeiros heróis! Eles sustentam incansavelmente e com firmeza a segurança nuclear e radiológica da Ucrânia e de toda a Europa em seus ombros”, disse a agência em comunicado.

Autoridades instaladas pela Rússia na região de Zaporizhzhia, no entanto, disseram que a usina estava fornecendo eletricidade apenas para áreas do país controladas pela Rússia e não para o resto da Ucrânia.

As preocupações com o site repercutiram em toda a Europa.

O presidente francês, Emmanuel Macron, disse que uma visita da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) da ONU deve ser permitida “muito rapidamente”, alertando: “A energia nuclear civil não deve ser um instrumento de guerra”.


Dominik, de três anos, é segurado por sua avó Ivanna enquanto acendem uma vela em uma igreja em Lviv, Ucrânia (Emilio Morenatti/AP)

Lana Zerkal, conselheira do ministro da Energia da Ucrânia, disse à mídia ucraniana que a logística para uma visita da AIEA ainda está sendo elaborada.

A Sra. Zerkal acusou a Rússia de tentar sabotar a visita.

A Ucrânia acusou a Rússia de usar a usina como escudo, armazenando armas lá e lançando ataques ao seu redor.

Moscou, por sua vez, acusa a Ucrânia de disparar imprudentemente contra o local.

Os reatores de Zaporizhzhia são protegidos por grossas cúpulas de contenção de concreto armado que, segundo especialistas, podem resistir a um projétil de artilharia errante.

Muitos dos temores se concentram em uma possível perda do sistema de resfriamento, e também no risco de que um ataque às lagoas de resfriamento onde são mantidas as barras de combustível usado possa espalhar radiação.

O contínuo bombardeio russo de Nikopol, uma cidade do outro lado do rio Dnieper a partir da usina Zaporizhzhia, danificou 10 casas, uma escola e uma unidade de saúde, mas não causou feridos, disse o governador de Dnipropetrovsk, Valentyn Reznichenko.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.