Talibã pede que afegãos deixem o aeroporto de Cabul após dias de caos mortal | Noticias do mundo


O Taleban pediu na quinta-feira que multidões de afegãos esperassem do lado de fora do aeroporto de Cabul na esperança de fugir do país e voltar para casa, dizendo que não queriam machucar ninguém, um dia depois que combatentes do Taleban atiraram contra os manifestantes, matando três, disseram testemunhas.

Os Estados Unidos e outras potências ocidentais pressionaram com a evacuação de seus cidadãos e alguns de seus funcionários afegãos do aeroporto no Dia da Independência do Afeganistão, o que poderia desencadear mais protestos contra os islâmicos.

Embora Cabul esteja geralmente calma desde que as forças do Taleban entraram no país, no domingo, após uma semana de avanços impressionantes em todo o país, o aeroporto está um caos enquanto as pessoas correm em busca de uma saída da capital afegã.

Doze pessoas foram mortas dentro e ao redor do aeroporto desde domingo, disse uma autoridade da Otan e do Taleban. As mortes foram causadas por tiros ou por debandada, disse o oficial do Taleban.

Ele pediu às pessoas que não têm o direito legal de viajar que voltem para casa. “Não queremos machucar ninguém no aeroporto”, disse o funcionário do Taleban, que não quis se identificar.

Cerca de 8.000 pessoas fugiram desde domingo, disse um oficial de segurança ocidental. Os militares dos EUA estão encarregados do aeroporto, enquanto os combatentes do Taleban patrulham fora de seu perímetro murado e cercado.

Na quarta-feira, testemunhas disseram que homens armados do Taleban impediram as pessoas de entrar no complexo do aeroporto.

“É um desastre completo. O Taleban estava atirando para o alto, empurrando as pessoas, batendo nelas com fuzis AK-47”, disse uma pessoa que tentava escapar na quarta-feira.

Um oficial do Taleban disse que comandantes e soldados atiraram para o ar para dispersar a multidão. A situação estava mais calma na quinta-feira, disseram testemunhas.

Sob um pacto negociado no ano passado pelo governo do ex-presidente Donald Trump, os Estados Unidos concordaram em retirar suas forças em troca de uma garantia do Taleban de que não permitiriam que o Afeganistão fosse usado para lançar ataques terroristas.

O Taleban também concordou em não atacar as forças estrangeiras quando elas partissem.

O presidente Joe Biden disse que as forças dos EUA permaneceriam até que a evacuação dos americanos fosse concluída, mesmo que isso significasse ficar além do prazo de 31 de agosto para a retirada dos EUA.

O Taleban tem feito uma cara moderada, dizendo que mudou desde seu governo de 1996-2001, quando restringiu severamente as mulheres, encenou execuções públicas e explodiu estátuas budistas antigas.

Eles agora dizem que querem paz dentro da estrutura da lei islâmica.

Mas há sérias dúvidas sobre suas garantias.

‘Minha bandeira’

As manifestações na cidade oriental de Jalalabad na quarta-feira marcaram a primeira grande demonstração de desafio coletivo à aquisição do Taleban.

Em tempos normais, o país celebraria a independência do Afeganistão em 1919 do controle britânico em 19 de agosto, mas as cenas em Jalalabad levantaram a perspectiva de que as pessoas poderiam usar a ocasião patriótica para protestar.

Duas testemunhas e um ex-policial disseram à Reuters que combatentes do Taleban abriram fogo quando manifestantes em Jalalabad tentaram içar a bandeira nacional, matando três e ferindo mais de uma dúzia.

Imagens de vídeo postadas online e transmitidas pela mídia mostraram centenas de pessoas em Jalalabad com as bandeiras tricolor preta, vermelha e verde voando dos telhados e carregadas por alguns manifestantes. A mídia informou que derrubou a bandeira branca do Taleban.

“Vou sacrificar minha vida por esta bandeira. Esta é a minha bandeira. Meu governo logo estará de volta, se Deus quiser”, disse um manifestante embrulhado no tricolor em uma reportagem da Sky News.

O centro da oposição ao Talibã é o Vale Panjshir, um reduto da etnia tadjique a nordeste de Cabul.

Em um artigo de opinião para o Washington Post, Amad Massoud, o líder Panjshiri da Frente de Resistência Nacional do Afeganistão pediu apoio ocidental para lutar contra o Taleban.

“Escrevo do Vale do Panjshir hoje, pronto para seguir os passos de meu pai, com lutadores mujahideen que estão preparados para enfrentar o Talibã mais uma vez”, escreveu Massoud, filho de Amhad Shah Massoud, um veterano líder guerrilheiro assassinado por supostos al Terrorista da Qaeda em nome do Talibã em 2001.

Outros ex-líderes afegãos, incluindo o ex-presidente Hamid Karzai, têm conversado com o Taleban enquanto eles formam um novo governo.

O governo do Taleban pode assumir a forma de um conselho governante com o líder supremo Haibatullah Akhundzada no comando geral, disse Waheedullah Hashimi, um membro sênior do grupo.

O Afeganistão não seria uma democracia. “É a lei da sharia e é isso”, disse ele à Reuters.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.