‘Sem bloqueios… queremos liberdade’: problemas para Xi enquanto protestos se intensificam em toda a China | Noticias do mundo


Centenas de pessoas foram às ruas em Pequim e Xangai no domingo para protestar contra a política de Covid zero da China, em uma rara manifestação de raiva pública contra o estado.

A estratégia de vírus linha dura da China está alimentando a frustração do público, com muitos ficando cansados ​​de bloqueios instantâneos, quarentenas prolongadas e campanhas de testes em massa.

Um incêndio mortal na quinta-feira em Urumqi, capital da região de Xinjiang, no noroeste da China, tornou-se um novo catalisador para a raiva do público, com muitos culpando os longos bloqueios da Covid por dificultar os esforços de resgate. As autoridades negam as alegações.

Centenas se reuniram na elite da Universidade Tsinghua de Pequim para protestar contra os bloqueios no domingo, disse à AFP uma testemunha que deseja permanecer anônima.

Leia também | China vê protestos sem precedentes contra restrições de Covid à medida que casos aumentam

“Às 11h30 os alunos começaram a segurar cartazes na entrada da cantina, depois foram se juntando cada vez mais pessoas. Agora são 200 a 300 pessoas”, disseram.

Os participantes cantaram o hino nacional e “a Internacional” – um padrão do movimento comunista internacional – e gritaram “a liberdade prevalecerá” e “não aos bloqueios, queremos liberdade”, disseram eles.

Eles descreveram estudantes segurando pedaços de papel em branco, um protesto simbólico contra a censura.

Um vídeo que parecia ter sido feito no mesmo local mostrava estudantes gritando: “Democracia e Estado de Direito, liberdade de expressão”, e foi rapidamente retirado.

Assistir | Protestos de Covid na China: folhas em branco são o último símbolo, estudantes se juntam à agitação

Centenas de pessoas se reuniram no centro de Xangai na tarde de domingo para realizar o que parecia ser um protesto silencioso perto de onde uma manifestação havia eclodido poucas horas antes, disse uma testemunha ocular à AFP.

Manifestantes segurando pedaços de papel em branco e flores brancas ficaram em silêncio em vários cruzamentos, disse a pessoa sob condição de anonimato.

Vídeos da área divulgados nas redes sociais que pareciam ter sido feitos no final da tarde mostravam uma multidão cantando.

Imagens de vários ângulos diferentes mostraram um homem segurando um buquê de flores amarelas sendo arrastado para um carro da polícia em um cruzamento enquanto os espectadores gritavam.

No final da noite, um repórter da AFP viu uma forte presença de segurança.

Dezenas de policiais com coletes amarelos de alta visibilidade formaram uma fila espessa, isolando as ruas onde ocorreram os protestos, enquanto seus colegas pediam às pessoas que deixassem a área.

– Protestos durante a noite –

Multidões se reuniram horas antes na rua Wulumuqi próxima – batizada com o nome de Urumqi em mandarim – com um vídeo mostrando manifestantes gritando “Xi Jinping, desista! PCCh, desista!” em uma rara demonstração de oposição pública à liderança do Partido Comunista Chinês. O vídeo foi amplamente compartilhado nas redes sociais e geolocalizado pela AFP.

Uma pessoa que participou dos protestos em Xangai, mas pediu para não ser identificada, disse à AFP que a primeira manifestação estava em pleno andamento às 2h00 (18h00 GMT), com um grupo de luto pelas 10 pessoas mortas no incêndio de Urumqi enquanto outro grupo entoava slogans.

O vídeo feito por uma testemunha ocular mostrou uma grande multidão gritando e levantando pedaços de papel em branco enquanto enfrentavam várias linhas de policiais.

O participante disse que houve confrontos menores, mas que no geral a polícia foi “civilizada”.

“É chocante saber que, nas circunstâncias de hoje, ainda existem muitas pessoas corajosas se destacando”, disseram.

Várias testemunhas disseram que várias pessoas foram levadas pela polícia.

A polícia de Xangai não respondeu ao pedido de comentário da AFP.

As autoridades foram rápidas em conter a discussão online sobre o protesto, com frases relacionadas apagadas da plataforma Weibo, semelhante ao Twitter, quase imediatamente após o surgimento das imagens dos comícios.

– Vigílias universitárias –

Outras vigílias ocorreram durante a noite em universidades de toda a China, incluindo uma na vizinha Universidade de Pequim de Tsinghua, disse à AFP um participante da graduação.

Falando anonimamente por medo de repercussões, ele disse que alguns slogans anti-Covid foram pintados em uma parede da universidade.

Algumas das palavras ecoaram uma faixa pendurada em uma ponte de Pequim pouco antes do Congresso do Partido Comunista em outubro.

“Quando eu cheguei… acho que tinha pelo menos 100 pessoas, talvez 200”, disse o estudante.

“Ouvi pessoas gritando: ‘Não aos testes de Covid, sim à liberdade!’”, disse ele.

Fotos e vídeos que ele mostrou à AFP corroboraram sua conta.

Vídeos nas mídias sociais também mostraram uma vigília em massa no Instituto de Comunicações de Nanjing, com pessoas segurando luzes e folhas de papel brancas.

As hashtags relacionadas ao protesto foram censuradas no Weibo, e as filmagens das plataformas de vídeo Duoyin e Kuaishou foram eliminadas.

Vídeos de Xi’an, Guangzhou e Wuhan mostrando pequenos protestos semelhantes também se espalharam nas redes sociais. A AFP não conseguiu verificar as imagens de forma independente.

– ‘Levante os bloqueios!’ –

A China registrou 39.506 casos domésticos de Covid-19 no domingo, um recorde, mas pequeno em comparação com o número de casos no Ocidente no auge da pandemia.

Os protestos ocorrem em um cenário de crescente frustração pública com a abordagem de tolerância zero da China ao vírus e seguem-se a manifestações esporádicas em outras cidades.

Vários casos de destaque em que os serviços de emergência foram supostamente desacelerados pelos bloqueios da Covid, levando a mortes, catalisaram a oposição pública.

Centenas de pessoas se aglomeraram do lado de fora dos escritórios do governo de Urumqi após o incêndio mortal, gritando: “Limpem os bloqueios!”, mostra a filmagem parcialmente verificada pela AFP.

A AFP verificou o vídeo geolocalizando pontos de referência locais, mas não conseguiu especificar exatamente quando os protestos ocorreram.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *