Salman Rushdie fora do ventilador e ‘o caminho para a recuperação começou’, diz agente | Noticias do mundo


Salman Rushdie, o aclamado autor que foi hospitalizado na sexta-feira com ferimentos graves após ser repetidamente esfaqueado em uma aparição pública no estado de Nova York, está sem ventilador e sua condição está melhorando, disseram seu agente e um filho no domingo.

“Ele está fora do ventilador, então o caminho para a recuperação começou”, escreveu seu agente, Andrew Wylie, em um e-mail à Reuters. “Será longo; os ferimentos são graves, mas sua condição está indo na direção certa.”

Rushdie, de 75 anos, deveria dar uma palestra sobre liberdade artística no Chautauqua Institution, no oeste de Nova York, quando a polícia disse que um homem de 24 anos invadiu o palco e esfaqueou o escritor indiano, que vivia com uma recompensa por sua cabeça. desde seu romance de 1988 “Os Versos Satânicos” levou o Irã a instar os muçulmanos a matá-lo.

O suspeito, Hadi Matar, de Fairview, Nova Jersey, se declarou inocente das acusações de tentativa de assassinato e agressão em uma audiência no tribunal no sábado, disse à Reuters seu advogado nomeado pelo tribunal, Nathaniel Barone.

Após horas de cirurgia, Rushdie foi colocado em um ventilador e não conseguiu falar na noite de sexta-feira, disse Wylie em uma atualização anterior sobre a condição do romancista, acrescentando que ele provavelmente perderia um olho e teria danos nos nervos do braço e feridas. ao fígado dele.

Um dos filhos de Rushdie disse que seu pai permaneceu em estado crítico, mas conseguiu dizer algumas palavras depois de sair do ventilador.

“Embora seus ferimentos que mudaram sua vida sejam graves, seu senso de humor agressivo e desafiador permanece intacto”, escreveu Zafar Rushdie no Twitter.

O esfaqueamento foi condenado por escritores e políticos de todo o mundo como um atentado à liberdade de expressão. Em uma declaração no sábado, o presidente Joe Biden elogiou os “ideais universais” de verdade, coragem e resiliência incorporados por Rushdie e seu trabalho.

“Estes são os blocos de construção de qualquer sociedade livre e aberta”, disse Biden.

Nem as autoridades locais nem federais ofereceram detalhes adicionais sobre a investigação, incluindo um possível motivo.

Uma análise inicial das contas de mídia social de Matar mostrou que ele era simpático ao extremismo xiita e ao Corpo da Guarda Revolucionária Islâmica do Irã (IRGC), embora nenhum vínculo definitivo tenha sido encontrado, segundo a NBC New York.

O IRGC é uma facção poderosa que controla um império empresarial, bem como forças armadas e de inteligência de elite que Washington acusa de realizar uma campanha extremista global.

As autoridades iranianas não fizeram comentários públicos sobre o ataque, embora os meios de comunicação estatais linha-dura o tenham comemorado com manchetes como “Satanás foi cegado” e alguns iranianos manifestaram apoio online ao esfaqueamento.

Muitos outros iranianos expressaram suas simpatias por Rushdie, no entanto, postando nas mídias sociais sobre sua raiva pelos governantes clericais da República Islâmica por emitirem a fatwa de 1989, ou decreto religioso, que ordenava aos muçulmanos que matassem o autor.

RECOMPENSA NO VALOR DE MILHÕES

Rushdie, que nasceu em uma família muçulmana da Caxemira em Bombaim, agora Mumbai, antes de se mudar para a Grã-Bretanha, há muito enfrenta ameaças de morte por “Os Versos Satânicos”, vistos por alguns muçulmanos como contendo passagens blasfemas. O livro foi proibido em muitos países com grandes populações muçulmanas.

Organizações iranianas, algumas ligadas ao governo, levantaram uma recompensa de milhões de dólares pelo assassinato de Rushdie. A fatwa foi emitida há 33 anos pelo aiatolá Ruhollah Khomeini, então líder supremo do Irã. Seu sucessor, o aiatolá Ali Khamenei, disse em 2019 que o decreto permanecia “irrevogável”.

Matar nasceu na Califórnia e se mudou recentemente para Nova Jersey, disse a reportagem da NBC New York, acrescentando que ele tinha uma carteira de motorista falsa.

Testemunhas disseram que ele não falou quando atacou o autor. Ele foi preso no local por um policial estadual depois de ser jogado no chão por membros da platéia.

Rushdie foi esfaqueado 10 vezes, disseram os promotores durante a acusação de Matar, segundo o New York Times.

Os promotores disseram no tribunal que Matar viajou de ônibus para a Chautauqua Institution, um retiro educacional a cerca de 19 km das margens do Lago Erie, e comprou um passe que o admitia na palestra de Rushdie, informou o Times. Os participantes disseram que não houve verificações de segurança óbvias.

Matar era filho de um homem de Yaroun, no sul do Líbano, segundo Ali Tehfe, prefeito da cidade. Os pais de Matar emigraram para os Estados Unidos, onde ele nasceu e foi criado, disse o prefeito à Reuters, acrescentando que não tinha informações sobre suas opiniões políticas.

O grupo armado Hezbollah, apoiado pelo Irã, tem influência significativa em Yaroun, onde pôsteres de Khomeini e do comandante morto do IRGC Qassem Soleimani, que foi morto por um ataque de drone dos EUA em 2020, adornavam paredes no fim de semana.

Um funcionário do Hezbollah disse à Reuters no sábado que o grupo não tinha informações adicionais sobre o ataque a Rushdie.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.