Rússia veta resolução da ONU que considera seus referendos ilegais


A Rússia vetou uma resolução da ONU que condenaria seus referendos em quatro regiões ucranianas como ilegais, declarou que eles são inválidos e instou todos os países a não reconhecer qualquer anexação do território reivindicado por Moscou.

A votação no Conselho de Segurança de 15 membros foi 10-1 com a abstenção de China, Índia, Brasil e Gabão.

A resolução também exigiria a suspensão imediata da “invasão ilegal em larga escala da Ucrânia” pela Rússia e a retirada imediata e incondicional de todas as suas forças militares da Ucrânia.

A embaixadora dos EUA, Linda Thomas-Greenfield, disse antes da votação que, no caso de um veto russo, os EUA e a Albânia, que patrocinaram a resolução, a levarão à Assembleia Geral de 193 membros, onde não há vetos, “e mostrarão que o mundo está ainda do lado da soberania e da proteção da integridade territorial”.

É provável que isso aconteça na próxima semana.

A embaixadora da Grã-Bretanha na ONU, Barbara Woodward, ecoou a declaração do secretário-geral Antonio Guterres de que as ações da Rússia violam a Carta da ONU e devem ser condenadas.

“A área que a Rússia alega anexar é de mais de 90.000 quilômetros quadrados”, disse ela. “Esta é a maior anexação forçada de território desde a Segunda Guerra Mundial. Não há meio-termo nisso”.

A votação do conselho ocorreu horas depois de uma cerimônia pródiga no Kremlin, onde o presidente Vladimir Putin assinou tratados para anexar as regiões ucranianas ocupadas pelos russos de Luhansk, Donetsk, Kherson e Zaporizhzhia, dizendo que agora faziam parte da Rússia e seriam defendidas por Moscou.

A Sra. Thomas-Greenfield disse que os resultados dos referendos “falsos” sobre se as regiões querem se juntar à Rússia foram “pré-determinados em Moscou, e todo mundo sabe disso”.

“Eles foram mantidos atrás do cano das armas russas”, disse ela.

Acrescentando que “os princípios sagrados de soberania e integridade territorial” no coração da Carta da ONU devem ser defendidos, ela disse: “Todos nós entendemos as implicações para nossas próprias fronteiras, nossas próprias economias e nossos próprios países se esses princípios forem jogado de lado.

“Putin calculou mal a determinação dos ucranianos. O povo ucraniano demonstrou alto e bom som: eles nunca aceitarão ser subjugados ao domínio russo”.

O embaixador russo Vassily Nebenzia defendeu os referendos, alegando que mais de 100 observadores internacionais da Itália, Alemanha, Venezuela e Letônia que observaram a votação reconheceram os resultados como legítimos.

“Os resultados dos referendos falam por si. Os moradores dessas regiões não querem voltar para a Ucrânia. Eles fizeram uma escolha informada e livre em favor do nosso país”, disse.

Nebenzia acrescentou: “Não haverá como voltar atrás, como o projeto de resolução de hoje tentaria impor”.

Ele acusou as nações ocidentais no conselho de “ações abertamente hostis”, dizendo que atingiram “um novo nível baixo” ao apresentar uma resolução condenando um membro do conselho e forçando um veto russo para que possam “se tornar líricos”.

Sob uma resolução adotada no início deste ano, a Rússia deve defender seu veto perante a Assembleia Geral nas próximas semanas.

O embaixador chinês Zhang Jun disse que “a soberania e a integridade territorial de todos os países devem ser salvaguardadas”. Mas a China se absteve, disse ele, porque acredita que o Conselho de Segurança deveria tentar acalmar a crise “em vez de intensificar os conflitos e exacerbar o confronto”.

O embaixador do Brasil, Ronaldo Costa Filho, disse que os referendos “não podem ser percebidos como legítimos” e seu país defende o princípio da integridade territorial dos estados soberanos.

Mas se absteve porque a resolução não contribuiu para diminuir as tensões e encontrar “uma solução para o conflito na Ucrânia”.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.