Rússia restringirá acesso ao Facebook por ‘censurar’ sua mídia


Rússia restringirá acesso ao Facebook por censurar sua mídia
Moscou disse que estava limitando parcialmente o acesso a Metaplataformas Inc. o Facebookacusando-o de “censurar” a mídia russa, anunciando a medida um dia depois que a Rússia invadiu a Ucrânia e a mais recente de uma série de medidas contra gigantes da mídia social dos EUA.

Moscou também aumentou a pressão sobre a mídia doméstica, ameaçando bloquear reportagens que contenham o que descreve como “informações falsas” sobre sua operação militar na Ucrânia, onde mísseis russos estavam atingindo Kiev e famílias encolhidas em abrigos.


O regulador estatal de comunicações disse que o Facebook ignorou suas exigências para suspender as restrições a quatro meios de comunicação russos em sua plataforma – a agência de notícias RIA, a TV Zvezda do Ministério da Defesa e os sites gazeta.ru e lenta.ru.

MetaO chefe de assuntos globais da empresa, Nick Clegg, disse em um comunicado no Twitter: “Ontem, as autoridades russas nos ordenaram a interromper a verificação independente de fatos e a rotulagem de conteúdo postado no Facebook por quatro organizações de mídia estatais russas. Recusamos. Como resultado, eles anunciaram que restringirão o uso de nossos serviços”.

A Meta, que há muito está sob pressão para combater a desinformação, faz parceria com verificadores de fatos externos, incluindo a Reuters, que avaliam a veracidade de alguns conteúdos. Meta diz que o conteúdo classificado como falso, alterado ou parcialmente falso é mostrado para menos usuários.

Clegg disse que “russos comuns” estavam usando os aplicativos da Meta – que incluem Instagram, WhatsApp e Messenger, além do Facebook – para “se expressar e se organizar para a ação” e que a empresa queria que eles continuassem a fazê-lo.

A Rússia vem tentando exercer um controle mais rígido sobre a internet e as grandes tecnologias há anos, algo que os críticos dizem ameaçar a liberdade individual e corporativa, e é parte de uma repressão mais ampla contra oponentes declarados do Kremlin.

O senador norte-americano Mark Warner disse em uma carta aos executivos-chefes do Facebook, YouTube e outros que as empresas têm o dever de garantir que suas plataformas de mídia social não sejam mal utilizadas pela Rússia e por entidades ligadas à Rússia.

Cada empresa tem “uma responsabilidade clara de garantir que seus produtos não sejam usados ​​para facilitar abusos de direitos humanos, minar respostas humanitárias e de serviços de emergência ou promover desinformação prejudicial”, disse Warner.

O Google, da Alphabet, disse que removeu centenas de canais do YouTube e milhares de vídeos nos últimos dias por violar suas políticas e continua procurando e interrompendo campanhas de desinformação e hackers. O Google também está avaliando o que quaisquer novas sanções e controles de exportação podem significar para a empresa, disse a porta-voz Ivy Choi.

O Twitter disse que os usuários na Rússia e na Ucrânia não veriam mais anúncios – uma tentativa de evitar distrações de mensagens de segurança pública – e que não receberiam tweets recomendados de contas que não seguem em uma tentativa de limitar a disseminação de conteúdo abusivo.

Não ficou imediatamente claro o que as restrições da Rússia ao Facebook envolveriam. No ano passado, Moscou diminuiu a velocidade do Twitter em um movimento punitivo.

“De acordo com a decisão do Ministério Público, a partir de 25 de fevereiro, restrições parciais de acesso estão sendo impostas pelo Roskomnadzor na rede social Facebook”, disse o regulador, Roskomnadzor, em comunicado.

Meta já irritou as autoridades russas. Moscou rotineiramente multa a empresa em pequenas quantias pelo que diz ser uma falha em excluir conteúdo ilegal com rapidez suficiente.

Em dezembro, emitiu uma multa muito maior de 2 bilhões de rublos (US$ 24 milhões) pelo que descreveu como uma falha repetida na exclusão de conteúdo. Também multou Google, Twitter e TikTok.

o FacebookTwitterLinkedin




Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.