Rússia lança mísseis, mas Ucrânia diz que a maioria foi abatida


A Rússia lançou um “ataque maciço de mísseis” em toda a Ucrânia, atingindo casas e edifícios, matando civis e interrompendo o fornecimento de energia e água.

A Força Aérea da Ucrânia disse que abateu mais de 60 dos 70 mísseis disparados.

O presidente russo, Vladimir Putin, por sua vez, dirigiu um carro através de uma ponte que ligava seu país à Crimeia após a reparação de um caminhão-bomba em outubro que envergonhou Moscou.

A Rússia respondeu ao ataque à ponte disparando ondas de mísseis contra alvos de infraestrutura ucranianos nas semanas seguintes, e o ataque de segunda-feira foi a última rodada de ataques retaliatórios.

A Rússia está tentando desativar o fornecimento de energia e a infraestrutura da Ucrânia à medida que o inverno se aproxima – parte de uma nova estratégia em sua guerra de nove meses.

O ataque violento também ocorreu horas depois que a mídia russa relatou duas explosões em bases aéreas dentro da Rússia.

O Ministério da Defesa russo disse que abateu os drones ucranianos que realizaram o ataque – e que três militares russos foram mortos pelos destroços.

Quatro outros militares russos foram feridos por fragmentos dos drones interceptados nas bases nas regiões de Saratov e Ryazan, disse o Ministério da Defesa em Moscou.

O ministério disse que duas aeronaves russas foram levemente danificadas por fragmentos de drones.

As autoridades da região de Saratov, ao longo do rio Volga, disseram que estavam verificando relatórios sobre uma explosão na área da base aérea de Engels, que abriga bombardeiros estratégicos Tu-95 e Tu-160 capazes de transportar armas nucleares.

A mídia regional relatou sons de uma forte explosão perto da base de Engels, e alguns moradores disseram ter visto um flash de luz vindo da área.

A Ucrânia não comentou a possível causa das explosões nas bases.

Mas, desafiador como sempre, o presidente ucraniano Volodymyr Zelenskiy elogiou suas forças militares e os técnicos que entraram em ação para reparar os danos causados ​​pelos mísseis russos.

“A defesa aérea derrubou a maioria dos mísseis”, disse ele em breves comentários nas redes sociais.

“Os engenheiros de energia já começaram a restaurar a eletricidade. Nosso povo nunca desiste.”

A Força Aérea da Ucrânia disse que as primeiras indicações mostraram que as forças russas dispararam 38 mísseis de cruzeiro de porta-aviões no Mar Cáspio e da região de Rostov, no sul da Rússia.

Outros 22 mísseis de cruzeiro Kalibr foram disparados de sua frota do Mar Negro, e bombardeiros de longo alcance, caças e mísseis guiados também estavam envolvidos, disse.

Um militar ucraniano pilota um drone durante uma operação contra posições russas em um local não revelado na região de Donetsk (Roman Chop/AP)

“No total, mais de 60 mísseis dos invasores foram abatidos!” disse a Força Aérea em seu canal no Telegram.

O fornecedor de eletricidade da Ucrânia, Ukrenergo, criticou a Rússia pelo “oitavo ataque maciço de mísseis por um país terrorista”, dizendo que suas instalações foram atingidas, provocando apagões.

Ele instou os moradores a permanecerem em abrigos enquanto suas equipes tentavam reparar os danos.

Na capital de Kyiv, dezenas de pessoas lotaram rapidamente a estação central de metrô Zoloti Vorota após os avisos e muitos checaram seus telefones em busca de atualizações.

Não há sinais imediatos se a cidade ou a região ao redor foi atingida.

Sirenes de ataque aéreo soaram em todo o país.

A mídia ucraniana relatou explosões em várias partes do país ao sul de Kyiv, incluindo Cherkasy, Kryvyi Rih e Odesa.

Autoridades disseram que água, eletricidade e aquecimento central foram cortados em muitas partes de Odesa.

(Gráficos PA)

“O inimigo está novamente atacando o território da Ucrânia com mísseis!” Kyrylo Tymoshenko, vice-chefe do gabinete do presidente ucraniano, escreveu no Telegram.

Tymoshenko disse que duas pessoas morreram e outras três ficaram feridas – incluindo uma criança de 22 meses – na vila de Novosofiyivka, na região sul de Zaporizhzhya.

Na vizinha Moldávia, o Ministério do Interior disse em sua página no Facebook que oficiais da patrulha de fronteira encontraram um foguete em um pomar perto da cidade de Briceni, no norte, perto da Ucrânia.

Serviços de emergência, incluindo um esquadrão antibomba, foram enviados ao local.

Os controles nas proximidades também foram reforçados, disse o ministério.

Não ficou imediatamente claro quando o foguete pode ter caído ou quem o disparou.

A primeira-ministra da Moldávia, Natalia Gavrilita, não chegou a dizer quando o míssil pode ter caído, mas disse que “uma nova onda de ataques com mísseis está ocorrendo na Ucrânia, o que tem consequências diretas para o nosso país”. Ela disse que a Moldávia pode sofrer mais interrupções de energia nos novos ataques russos.

A passagem de Putin pela ponte sobre o Estreito de Kerch foi um sinal importante de que a Rússia conseguiu se recuperar de contratempos e consertar o vão rapidamente após o caminhão-bomba de 8 de outubro, que cortou uma importante ligação entre a Crimeia e o continente.

Pessoas descansam em uma estação de metrô sendo usada como abrigo antiaéreo durante um ataque de foguete em Kyiv, na Ucrânia, na segunda-feira, 5 de dezembro de 2022 (Andrew Kravchenko/AP)

Ele também conversou com os trabalhadores e discutiu os reparos com um alto funcionário do governo responsável pelo projeto.

Putin inaugurou a ponte em um movimento altamente simbólico após a anexação da Crimeia em 2014.

O escritório de Zelenskiy disse que três ataques com foguetes atingiram sua cidade natal, Kryvyi Rih, no centro-sul da Ucrânia, matando um operário e ferindo outros três.

Na região nordeste de Kharkiv, uma pessoa foi morta em ataques de mísseis S-300 contra infraestrutura civil na cidade de Kupyansk, disse.

A guerra, que começou com a invasão da Ucrânia pela Rússia em 24 de fevereiro, deslocou milhões de suas casas, matou e feriu dezenas de milhares de pessoas e abalou a economia mundial – notadamente pelas consequências dos preços e disponibilidade de alimentos, fertilizantes e combustível , que são as principais exportações da Ucrânia e da Rússia.

Os países ocidentais impuseram na segunda-feira um teto de preço de US$ 60 por barril e a proibição de alguns tipos de petróleo russo, parte de novas medidas destinadas a aumentar a pressão sobre Moscou durante a guerra.

A medida gerou uma rejeição do Kremlin e também críticas de Zelenskiy – cujo governo quer que o limite seja reduzido pela metade.

O vice-primeiro-ministro russo, Alexander Novak, encarregado de questões energéticas, alertou em comentários televisionados no domingo que a Rússia não venderá seu petróleo a países que tentam aplicar o limite.

“Só venderemos petróleo e derivados para os países que trabalharão conosco em termos de mercado, mesmo que tenhamos que reduzir a produção até certo ponto”, disse Novak horas antes de o teto de preço entrar em vigor.

O bloco europeu de 27 países também impôs um embargo ao petróleo russo enviado por via marítima.

A Rússia, a segunda maior produtora de petróleo do mundo, depende do petróleo e do gás para sustentar sua economia, que já está sob amplas sanções internacionais por causa da guerra.

Nas últimas semanas, a Rússia tem atacado a infraestrutura ucraniana – incluindo usinas de energia – com ataques militares e mantendo uma ofensiva no leste, principalmente dentro e ao redor da cidade de Bakhmut.

As forças russas também estão cavando perto da cidade de Kherson, no sul, que foi recapturada pelas forças ucranianas no mês passado, após uma ocupação de oito meses.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *