Rússia intensifica ataques à Ucrânia | Noticias do mundo


A Ucrânia evacuou mais civis de uma usina de aço de Mariupol sitiada no sábado, enquanto as forças russas lançavam novos bombardeios em todo o país antes das festividades do Dia da Vitória em Moscou.

A siderúrgica Azovstal é o último bolsão de resistência ucraniana na cidade portuária devastada e seu destino assumiu um valor simbólico na batalha mais ampla desde a invasão da Rússia.

Os combates continuam em muitas frentes, e o Ministério da Defesa da Ucrânia disse que destruiu outro navio russo – uma embarcação de desembarque da classe Serna – no Mar Negro. “O tradicional desfile da frota russa do Mar Negro em 9 de maio deste ano será realizado perto da Ilha da Cobra – no fundo do mar”, acrescentou o ministério.

Na segunda-feira, o presidente russo, Vladimir Putin, celebrará a vitória soviética na Segunda Guerra Mundial sobre a Alemanha nazista com um tradicional desfile do Dia da Vitória.

À medida que se aproximava o feriado de segunda-feira da Rússia, comemorando a derrota da Alemanha nazista na Segunda Guerra Mundial, cidades em toda a Ucrânia se preparavam para um aumento esperado de ataques russos. O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, pediu aos moradores entorpecidos por mais de 10 semanas de guerra que prestem atenção aos alertas de ataque aéreo.

O serviço de resgate ucraniano disse que um míssil atingiu uma escola técnica em Kostiantynivka, na região leste de Donetsk, causando um incêndio e pelo menos duas mortes. O governador regional de Donetsk, Pavlo Kyrylenko, disse que houve “bombardeios maciços” ao longo da linha de frente.

Também foram registrados ataques no norte da Ucrânia, perto da cidade de Kharkiv, e na cidade de Mikoleyev, no sul, um importante alvo russo.

Contra-ofensiva

As forças ucranianas lançaram uma contra-ofensiva própria. De acordo com o Ministério da Defesa, as tropas russas foram forçadas a demolir três pontes rodoviárias perto de Tsyrkuny e Ruski Tyshky, nos arredores de Kharkiv, para retardar o avanço ucraniano.

“O conflito na Ucrânia está afetando pesadamente algumas das unidades mais capazes e capacidades mais avançadas da Rússia”, disse a Inteligência de Defesa do Reino Unido.

Enquanto isso, o Ocidente está intensificando as entregas de armas aos defensores da Ucrânia.

Na sexta-feira, o presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou outro pacote de assistência militar no valor de US$ 150 milhões, incluindo radares para detectar a origem do fogo de artilharia inimiga.

Isso eleva o valor total do armamento dos EUA enviado para a Ucrânia desde o início da invasão russa para US$ 3,8 bilhões.

E a esposa de Biden, a primeira-dama dos EUA, Jill Biden, estava na Romênia se encontrando com refugiados ucranianos.

“Você é incrivelmente forte”, disse Biden em Bucareste depois de ouvir mães e crianças contarem como fugiram da invasão russa de seu país.

“Estamos com você, espero que saiba disso.”

Evacuação Azovstal

O Ministério da Defesa da Ucrânia havia dito anteriormente que as forças russas retomaram seu ataque ao local de Azovstal, apesar das conversas sobre uma trégua para permitir a fuga de civis presos. “Todas as mulheres, crianças e idosos foram evacuados de Azovstal”, disse a vice-primeira-ministra Iryna Vereshchuk no sábado.

“Esta parte da operação humanitária Mariupol acabou”, escreveu Vereshchuk no serviço de mensagens Telegram.

Putin pode ‘dobrar’

O diretor da Agência Central de Inteligência dos EUA (CIA), William Burns, disse no sábado que o presidente russo acredita que dobrar o conflito militar na Ucrânia melhorará seu resultado na guerra. “Ele está em um estado de espírito em que não acredita que possa se dar ao luxo de perder”, disse Burns, que falava em um evento do Financial Times em Washington.

“Acho que ele está convencido agora de que dobrar ainda permitirá que ele progrida.”

O chefe da CIA também não vê indicações de que a Rússia esteja se preparando para implantar armas nucleares táticas na guerra da Ucrânia.

“Nós não vemos, como uma comunidade de inteligência, evidências práticas neste momento do planejamento russo para a implantação ou mesmo uso potencial de armas nucleares táticas”, disse Burns.

“Dado o tipo de barulho de sabre que… ouvimos da liderança russa, não podemos menosprezar essas possibilidades”, disse Burns.

“Então, como serviço de inteligência, mantemos o foco muito nítido… nessas impossibilidades em um momento em que os riscos são muito altos para a Rússia”, disse ele.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.