Revisão Lightyear: uma aventura cósmica absorvente que voa para o infinito e além


Se há uma palavra que resume o conceito de Ano-luz da Pixar quando foi anunciado pela primeira vez, é confusão. O 26º filme de animação da subsidiária da Disney pode ser enquadrado de várias maneiras: é um spin-off de Toy Story, mas que não apresenta os brinquedos icônicos; é também uma espécie de semi-prequela, sendo o filme que inspirou a linha de brinquedos de Buzz Lightyear na franquia Toy Story; e para complicar ainda mais as coisas, é um filme da Pixar no universo – um totalmente adorado por Andy, o protagonista humano de Toy Story – subsequentemente e distintamente meta em sua abordagem.

Informações chave

– Lançamento nos cinemas na sexta-feira, 17 de junho
– Longa-metragem de animação da 26ª Pixar
– Concentra-se na história de origem de Buzz Lightyear
– Buzz dublado pelo ex-estrela da Marvel Chris Evans
– Direção de Angus MacLane; produzido por Galyn Susman

Nenhuma das opções acima, porém, é prejudicial para a alegre brincadeira intergaláctica que Lightyear é. O mais recente projeto de longa-metragem da Pixar é um filme de ação e aventura cósmico que é tanto uma celebração da ficção científica clássica quanto da série Toy Story. É um pouco formulado na ocasião, mas a ação, o humor e o coração emocionantes de Lightyear o ajudam a brilhar como uma das estrelas mais brilhantes do céu da Pixar.

Ao infinito…

Buzz e sua nova equipe saem para encontrar um novo navio no filme Lightyear da Pixar

Lightyear é um filme da Pixar no universo que inspirou o personagem de Toy Story. (Crédito da imagem: Disney/Pixar)

Lightyear conta a história de Buzz Lightyear (dublado por Chris Evans), um Space Ranger que lidera a jornada exploratória da humanidade através do universo antes de se tornar a figura lendária que o público o conhece. Quando uma missão em particular dá errado, porém, Buzz inadvertidamente abandona a si mesmo, sua comandante Alisha Hawthorne (Udo Azuba) e a tripulação de 1.200 pessoas de sua nave em um mundo hostil a 4,2 milhões de anos-luz da Terra.

Com o cristal de hipervelocidade da nave – a célula de combustível que permite viagens intergalácticas – destruído após a nave Buzz colidir com a nave no planeta infestado de alienígenas, ele promete fazer as pazes. Contando com a ajuda dos cientistas da tripulação e seu fiel companheiro de IA, Sox (Peter Sohn), Buzz cria um novo cristal de hipervelocidade experimental com o objetivo de levar todos para casa em segurança.

No entanto, quando Buzz e Sox embarcam em um voo de teste para testar a estabilidade do cristal, eles involuntariamente viajam para o mesmo planeta em que estão abandonados, mas décadas no futuro. Desesperados para voltar ao presente, Buzz e Sox unem forças com uma equipe ambiciosa, mas inexperiente, liderada por Izzy (Keke Palmer), a neta de Alisha Hawthorne, para ajudar em sua busca. Mas, com o ameaçador suserano robô Zurg (James Brolin) liderando uma revolta contra os descendentes de seu antigo esquadrão, um Buzz em conflito deve escolher entre viajar de volta ao passado ou ficar e lutar ao lado de seus novos amigos.

Buzz e Sox vão ao espaço no filme Lightyear da Pixar

Buzz e Sox formam uma ótima dupla de comédia. (Crédito da imagem: Disney Pixar)

Para uma história sobre um personagem sendo lançado em um futuro distante, o elenco do ex- filme da Marvel estrela Chris Evans como o herói titular parece um ajuste natural. Evans não é estranho em interpretar um homem fora do tempo – afinal, ele interpretou Steve Rogers/Capitão América, um personagem nascido em 1918 que foi lançado no século 21 no final do primeiro filme solo de Cap. Dado o furor inicial sobre seu elenco – os fãs ficaram chateados porque Tim Allen, o dublador original de Buzz, não foi escolhido para dublar a encarnação ‘live-action’ do personagem (no contexto do filme) – havia muitos que não o fizeram. acho que Evans era a pessoa certa para o trabalho.

Os fãs com quaisquer preocupações persistentes não precisam se preocupar. Evans oferece uma performance não apenas tão cômica e melodramática quanto a de Allen, mas que também presta homenagem à maneira como o último originalmente deu vida ao Buzz. Evans encontra um equilíbrio delicado entre honrar o retrato de Allen por meio de sua escolha de estilo oratório, bem como trazer um toque novo e diferenciado ao icônico Space Ranger. Este é um Buzz tão estóico e intransigente quanto a versão de Toy Story, mas cuja humanidade é explorada em maior profundidade graças à performance emotiva de Evan.

Por mais maravilhoso que o Buzz de Evans seja, o personagem é surpreendentemente ofuscado pelo Sox de Sohn. O companheiro felino robótico de Buzz é a estrela do show, fornecendo as maiores risadas do filme e encantando seu caminho através de seus 100 minutos de duração. O relacionamento que Sox tem com Buzz parece natural e é distinto como a amizade agora icônica deste com Woddy na franquia Toy Story. Com base em sua exibição de roubo de cena, espere que Sox seja um dos brinquedos obrigatórios no próximo Natal.

Caindo com estilo

Buzz luta contra o Imperador Zurg no filme Lightyear da Pixar

Zurg está de volta e está em busca de Buzz. (Crédito da imagem: Disney/Pixar)

Lightyear é muito mais do que seu protagonista e companheiro adorável, no entanto. No verdadeiro estilo da Pixar, é um filme visualmente impressionante; um caleidoscópio cósmico de cores, um estilo de animação robusto e cinematográfico e sequências deslumbrantes de viagens espaciais. A decisão de lançar Lightyear em formato IMAX – o primeiro longa-metragem de animação na história do cinema a receber tal honra – só aumenta sua estética inspiradora. As sequências de velocidade da luz de Lightyear são uma beneficiária particular de sua proporção de aspecto 1:43:1 aumentada, aprimorando os tons de arregalar os olhos do filme e seu escopo visual – afinal, o espaço é vasto – de maneira uniforme.

Um filme centrado em viagens espaciais, mesmo animado, exige um grau de autenticidade científica. Agradavelmente, a Pixar trabalhou em estreita colaboração com a NASA para capturar muitos dos elementos práticos e teóricos da exploração intergaláctica, embora os recriasse através de uma lente de desenho animado. Ver o Buzz usar álgebra e matemática do mundo real para orientar sua nave retrofuturista de volta ao curso, em meio a um divertido vai e vem com seu sistema de navegação no estilo Alexa, em uma cena em particular é um exemplo perfeito – é um momento satisfatoriamente divertido embrulhado em ciência que encapsula o tom e a vibração que a equipe criativa da Lightyear buscou.

Sox, o companheiro felino robótico de Buzz, é a estrela do show

Lightyear também se inspira em alguns dos clássicos de ficção científica mais amados do cinema. De Star Wars e O Exterminador do Futuro a Aliens e 2001: Uma Odisséia no Espaço, Lightyear é uma homenagem às produções pioneiras do gênero. Filmes de ficção científica mais recentes, como Interestelar e Gravidade, são sutilmente referenciados para efeitos igualmente agradáveis, enquanto os fãs de Toy Story ficarão encantados ao saber que também existem inúmeras referências ao Buzz da série de filmes mais reconhecida da Pixar. O bordão lendário do Buzz é claro que faz parte do processo, e há mais na mesma linha; esses retornos de chamada não serão uma surpresa, mas mesmo assim são acréscimos satisfatórios.

Buzz entra no modo de velocidade da luz em sua nave no filme Lightyear da Pixar.

Lightyear é o primeiro filme de animação a ser exibido em formato IMAX. (Crédito da imagem: Disney/Pixar)

Se há um aspecto em que Lightyear fica aquém, são os enredos ligeiramente previsíveis do filme. Há uma reviravolta fascinante quando o segundo ato do filme entra em sua terceira e última fase, além de algum conteúdo extra revelador durante o voo de teste de cristal de alta velocidade de Buzz, que cria momentos fascinantes e bastante chocantes. Esses momentos à parte, Lightyear segue em grande parte as mesmas histórias que outros filmes da Pixar têm, com tramas e dispositivos semelhantes ao que vimos em muitas outras produções da Pixar.

Isso, nem precisa ser dito, não é ruim – a Pixar é um dos estúdios de animação mais bem-sucedidos de todos os tempos, e muito de seu sucesso se deve à sua fórmula premiada de cinema. No entanto, é um pouco fácil descobrir para onde o enredo de Lightyear irá a seguir. Adicione alguns momentos de palhaçada usados ​​​​em excesso – a piada da videira, como vista no trailer, envelhece rapidamente – e Lightyear não está imune a desviar do curso às vezes.

Nosso veredicto

Lightyear é outra entrada sublime no catálogo da Pixar. É impulsionado para a estratosfera – e além – por performances de voz estelares, animação de tirar o fôlego e uma história clássica de redenção que certamente ressoará com espectadores de todas as idades e educação cinematográfica.

Ele sofre de alguns problemas de enredo e, em comparação com alguns de seus irmãos Pixar, falta aquele ingrediente extra indescritível que o tornaria uma obra-prima. Não tem a gravidade emocional de Coco, Up, Toy Story 3 ou até ficar vermelhoe nem tem o apelo existencial e abstrato de Alma ou de dentro para fora.

Mesmo assim, como um pacote geral, Lightyear triunfa no pouso. É uma explosão absoluta do início ao fim, uma aventura estrondosa e uma carta de amor ao gênero de ficção científica que certamente emocionará adultos e crianças. Como o primeiro filme da Pixar a ser lançado exclusivamente nos cinemas desde 2020 Em diante – os três últimos estrearam em Disney Plus – espere que Lightyear atinja o infinito de bilheteria e além quando chegar.

Lightyear chegará exclusivamente aos cinemas na sexta-feira, 17 de junho.



Source link

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *